Inovação e investimento em novas tecnologias rendem prêmio à Guarani

A Guarani recebe, pela segunda vez, o prêmio INOVA, idealizado pelo Centro de Tecnologia Canavieira – CTC. A premiação seleciona empresas do setor sucroenergético que se destacaram, na safra 13/14, em diversos critérios como perfil inovador, investimento em novas tecnologias, melhoramento genético, sustentabilidade e qualidade agrícola.

usina

A companhia está entre o seleto grupo de empresas que se destacou por adotar  ações para a renovação do plantel varietal (IAV), ou seja no conjunto de variedade de cana-de-açúcar plantada. Esse índice representa a média da idade do plantel de cada usina, de modo que quanto menor for o valor do IAV, mais modernas serão as variedades adotadas pela unidade produtora ou região estudada. Dentre as empresas premiadas a Guarani apresenta o maior IAV (índice de atualização varietal).

Para Jaime José Stupiello, diretor agrícola da Guarani, “o  índice é reflexo do investimento em  eficiência agrícola, um dos focos da Guarani para garantir a competitividade no setor”.

A cerimônia para a entrega do prêmio será na unidade Cruz Alta, em Olímpia (SP), no dia 12 de setembro às 14 horas. Participarão do evento os membros do CTC Luciano Gabas Stuchi, gerente regional e Fernanda Cristina Muniz, representante técnica.

“Procuramos usinas que, mesmo com os atuais desafios do setor, têm esse perfil inovador e que investem nas boas práticas de produção, em renovação de canaviais, e outras tecnologias disponíveis no mercado para buscar uma melhor produtividade”, explica Virgilio Vicino, gerente de Marketing do CTC.

Sobre a Guarani

A Guarani é uma das empresas líderes do setor de cana-de-açúcar do Brasil e destaca-se como a 3ª maior produtora de açúcar. Possui oito unidades industriais, sendo sete no Brasil, na região noroeste do Estado de São Paulo, e uma unidade em Moçambique. Na safra 2013/14, a Companhia processou 19,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar e produziu 1,6 milhão de toneladas de açúcar, 602 milhões de litros de etanol e 720 GWh de energia para a comercialização.

A Guarani é parte do Grupo Tereos, quarto maior produtor de açúcar do mundo. Em abril de 2010, a Tereos Internacional e a Petrobras Biocombustível estabeleceram uma parceria estratégica e de longo prazo para consolidar a Guarani como um dos principais gestores do setor sucroenergético.

Sobre o Prêmio Inova

A metodologia do prêmio é baseada em dois critérios – o IAV (Índice de Atualização Varietal) e o ICV (Índice de Concentração Varietal).  Isso porque, além da importância de introdução de novas variedades mais adequadas às características atuais de cada região, como adaptação ao plantio e colheita mecanizados, resistência às novas doenças e pragas e ao estresse hídrico de algumas regiões, entre outros, também é vital que a usina se proteja plantando um máximo percentual de cada variedade.

Sobre o CTC – Centro de Tecnologia Canavieira

O CTC – Centro e Tecnologia Canavieira atua há mais de 40 anos no desenvolvimento de tecnologias inovadoras para o setor canavieiro. As pesquisas abrangem os elos da cadeia produtiva de cana-de-açúcar, álcool, açúcar e bioenergia, permitindo agregar valor às diversas etapas do processo e contribuindo com a evolução sustentável do setor.

Para mais informações, acesse www.ctc.com.br

Bagaço de cana ‘salva’ Olímpia, Severínia e Catanduva de um ‘apagão’ maior

Ao contrário de boa parte do país, Catanduva, Olímpia e Severínia não tiveram apagão porque são abastecidas pela usina Cerradinho, que gera energia a partir do bagaço de cana. Em São José do Rio Preto, a energia também foi restabelecida de madrugada. Alívio para os moradores que sofreram muitos transtornos.

Uma pergunta que muita gente está se fazendo esta manhã é o que teria causado o blecaute que começou às 22h30 de ontem, terça-feira (10) e durou até cerca de 4h. A resposta ainda é um mistério. A causa deste apagão ainda é investigada pelo Ministério das Minas e Energia.

Já em Rio Preto, a situação foi bem diferente: a cidade ficou às escuras. Luzes, só mesmo dos carros. Em uma das principais avenidas, semáforos desligados e o trânsito ficou comprometido. Na rodoviária, mesmo sem energia, os ônibus não deixaram de circular.