Comerciante de Olímpia morre em queda de ultraleve em Guapiaçu

Morreu pilotando um ultraleve o comerciante Valter dos Santos, 68 anos, de Olímpia, conhecido como ‘Bambino’, na manhã deste sábado (8), em Guapiaçu.

ultraleve

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida na queda. O ultraleve caiu no meio de um canavial e pegou fogo. O piloto morreu carbonizado. O passageiro, de 23 anos, foi encaminhado ao hospital de Guapiaçu com ferimentos nas pernas.

O piloto era experiente, tinha 68 anos de idade e queria comprar o ultraleve. Era o segundo voo dele desta manhã. A pista que fica no canavial é utilizada para pouso e decolagens, segundo testemunhas.

RG

O técnico de segurança Ricardo de Paula Silva, dono do ultraleve, era amigo do piloto. O filho dele é quem estava na aeronave experimental. Ele não sabe o que pode ter acontecido, mas contou que o equipamento havia passado por manutenção há poucos dias e que a asa do ultraleve era nova.

As causas do acidente vão ser investigadas. O foi atendido na Santa Casa de Guapiaçu e depois encaminhado a um hospital de São José do Rio Preto (SP). Ainda não se tem informações sobre o estado de saúde dele.

Bambino é proprietário de uma sorveteria em Olímpia, na rua Sandalio Miessa, 273, jardim Miessa.

O AMOR DE VALTER PELO ULTRALEVE

Em um pequeno trecho de entrevista, com o repórter Cléber Luís, Valter dos Santos fala de seu amor pelo ultraleve e como ele costumava pilotar, tendo a sua ‘mulher na garupa’, e sem GPS, ‘só com o binoculão 30 vezes de zoom’. O repórter mandou o áudio e escreveu ao Diário: “Ele fala sobre o ultraleve e dá pra sentir sua paixão em cada palavra. Ele queria me levar para voar com ele um dia qualquer, filmar a experiência e produzir um material. Eu estava tentando formatar algo, mas não deu tempo”.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.