Advogado olimpiense Silvio Salata é um dos defensores de Maluf, agora deputado federal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) liberou ontem (17) o registro de candidatura do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP). Os ministros aceitaram recurso da defesa do candidato, em que participou o advogado olimpiense Luiz Silvio Moreira Salata, e entenderam que Maluf está liberado para ser diplomado, porque ele não se enquadra na Lei da Ficha Limpa.

Brasil, S„o Paulo, SP. 04/09/2008. O candidato do PP (Partido Progressista) ‡ Prefeitura de S„o Paulo, Paulo Maluf, È sabatinado no auditÛrio do Grupo Estado, na zona norte da capital paulista. - CrÈdito:CARLOS PUPO/AG NCIA ESTADO/AE/Codigo imagem:23317

De acordo com o tribunal, não houve dolo na condenação por improbidade.

Ele disputou as eleições com a candidatura barrada com base na Lei da Ficha Limpa, norma que impede a participação de políticos condenados pela segunda instância da Justiça.

Mesmo impedido de concorrer, Maluf recebeu mais de 250 mil votos, sendo o oitavo deputado mais votação em São Paulo. A aprovação da candidatura provocará mudanças na bancada eleita pelo estado.

A recontagem será feita pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).

Em setembro, o TRE-SP indeferiu a candidatura de Maluf. Em novembro de 2013, a 10ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve condenação por ato de improbidade administrativa.

IMG_2732

O tribunal considerou que houve irregularidades nos contratos para construção do Complexo Viário Ayrton Senna, quando o deputado ainda era prefeito da cidade. No primeiro recurso ao TSE, o tribunal manteve a decisão que barrou Maluf.

Silvio Salata, irmão do vereador e presidente eleito da Câmara Municipal de Olimpia, Luiz Antonio Moreira Salata (PP) e da diretora da ABECAO Maria Alice, divide uma das mais respeitadas bancas advocatícias da capital paulista, com os filhos, também advogados, Maria Silvia e Luiz Ricardo.

Silvio Salata argumentou que “a peculiaridade do caso requer uma análise minuciosa, pois esse é o primeiro caso no TRE cujo acórdão do Tribunal de Justiça (TJ) reconhece a inexistência de dolo indicado na sentença, somente há culpa”.

Os advogados Eduardo Nobre e Silvio Salata, que representam Maluf, sustentaram que “não houve ato doloso, não houve enriquecimento ilícito”.

Com informações da Exame.Com

Vinte e sete dúvidas comuns sobre as eleições de domingo

As eleições para Presidente da República, Governador, Senador, Deputados Federais e Estaduais, ocorrem domingo (5) em todo o País. Com certeza, o eleitor tem muitas dúvidas, aqui elencadas e respondidas.

IMG_3254.JPG

Mas, qual é a diferença entre voto em branco e voto nulo? Informações retiradas do Guia do Eleitor do TSE – Tribunal Superior Eleitoral.

TIRA DÚVIDAS

1. Como faço pra saber está tudo certo para eu votar?
Você pode consultar aqui, ou ir ao cartório da sua zona eleitoral.

2.O que acontece se eu não votar em três eleições seguidas?
Você estará irregular. Se isso acontecer vá a um cartório eleitoral, onde pagará uma multa por cada turno de eleição que deixou de votar.

3. Qual o valor da multa ?
Ela pode variar entre R$1,06 e R$3,51. Esse valor pode ser dez vezes maior se o juiz eleitoral achar necessário.

4. Posso faltar ao trabalho para regularizar questões eleitorais?
Sim, se avisar com 48 horas de antecedência. Dessa forma você não tem desconto de salário. Porém isso só pode acontecer por no máximo dois dias.

5. As informações do título eleitoral são públicas?
Não, por lei os cadastros não são abertos, evitando assim que alguém possa ser localizado por seu título de eleitor.

6. Qualquer um pode ser mesário?
Apenas os maiores de 18 anos que estejam em dia com a Justiça Eleitoral. Em geral, a prioridade são os que têm ensino superior completo, professores e funcionários da Justiça.

7. O que acontece se eu não aceitar ser mesário?
Se não comparecer ao local da votação você tem 30 dias para se justificar ao juiz eleitoral, ou terá que pagar uma multa.

8. Um mesário trabalha em quantas eleições?
Infelizmente não existe uma regra e depende do juiz eleitoral em cada eleição.

9. Posso virar mesário no dia da eleição?
Sim, é a chamada nomeação ad hoc. Caso alguém falte, um eleitor pode ser selecionado para ocupar o lugar.

10. Alguém pode descobrir em qual candidato eu votei?
Não. Segundo o Tribunal Eleitoral Superior, a urna eletrônica é totalmente sigilosa e nem os juízes e técnicos têm como saber quem vota em quem.

11. O resultado da eleição pode ser hackeada?
Como as urnas não são conectadas em linha telefônica nem em rede de computadores é muito difícil. Além disso as informações são assinadas, os resultados não podem ser alterados e os próprios partidos realizam a contagem dos votos a partir da soma dos boletins de cada urna eletrônica.

12. Que documentos devo levar quando for votar?
Qualquer identificação com foto, menos a carteira de trabalho. O título de eleitor, por mais estranho que possa parecer, não é obrigatório.

13. Existe atendimento preferencial na hora de votar?
Sim, para os candidatos, juízes eleitorais, seus auxiliares de serviço e servidores da Justiça Eleitoral. Quem tem mais de 60 anos, necessidades especiais e mulheres grávidas e lactantes também tem prioridade.

14. O voto é obrigatório nos dois turnos? Se eu não votar no primeiro, posso votar no segundo?
Sim, o voto é obrigatório nos dois turnos. Caso não tenha conseguido no primeiro, basta justificar a ausência e votar normalmente no segundo.

15. O que posso levar comigo na hora de votar?
Nada além da sua “cola” com o nome e o número dos candidatos. Celulares, máquinas fotográficas, filmadoras, ou qualquer aparelho que comprometa o sigilo do voto são proibidos.

16. E se eu esquecer o número do candidato?
Na propria seção eleitoral tem uma lista completinha com os nomes e números dos candidatos.

17. Errei na digitação, e agora?
Só usar a tecla laranja, e começar de novo.

18. Como funciona o voto em legenda?
O voto em legenda é quando você escolhe votar em um partido no lugar de um candidato específico. Ele é valido só para deputados federais e estaduais. Para votar em uma legenda basta digitar apenas o numero do partido.

19. Qual a diferença entre votar nulo e votar em branco?
Nem os votos nulos, nem os brancos são contabilizados como votos válidos. Porém, os votos em branco são acrescentados ao total de votos do candidato vencedor só após a contagem final — não valem, por exemplo, para definir um primeiro turno. Já os votos nulos não são contabilizados.

20. Como fazer para votar em branco?
Só usar a tecla de cor branca e depois confirmar na verde.

21. Como votar nulo?
Só digitar um número que não corresponde a nenhum candidato ou partido e apertar a tecla verde.

22. Fora votar nulo, o que mais anula votos?
Votos obtidos por “candidato condenados por compra de voto, por abuso do poder econômico ou por interferência do poder político ou de autoridade”podem ser anulados. Também se anula a votação “quando houver fraude ou coação”.

23. O que acontece se a maioria dos votos forem nulos?
Ao contrário do mito, se metade da população votar nulo, a eleição não será anulada. Isso só acontece “caso os votos sejam anulados por abuso do poder econômico ou interferência de poder politico ou de autoridade”.
Se isso acontecer será marcada uma nova eleição entre 20 e 40 dias.

24. O que é proibido fazer no dia da eleição?
Qualquer tipo de manifestação com pessoas usando camisetas de partidos ou candidatos, broches, adesivos e portando bandeiras.

25. É liberado usar bótom ou camiseta do meu candidato na hora de votar?
Sim, se você estiver sozinho e não participando de uma manifestação.

26. A Lei Seca entra em vigor quando?
A Lei Seca entra em vigor de acordo com as secretarias de Segurança Pública de cada município e estado, então varia de localidade para localidade.

27. Posso ser preso na véspera das eleições?
Pela lei, cinco dias antes e até 48 horas depois da eleição, nenhum eleitor pode ser preso ou detido, ao menos que seja pego em flagrante (cometendo crime afiançável ou inafiançável) ou se for sentenciado por crime inafiançável.

Para outras informações sobre o seu voto e dia da votação, acesse o site do Tribunal Superior Eleitoral.

Advogado que garantiu a posse de Geninho em 2008 assume como ministro no TSE

No início da noite desta terça-feira (25), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, deu posse a Admar Gonzaga Neto no cargo de ministro substituto do Tribunal na vaga destinada à classe dos advogados. Admar foi advogado do prefeito Geninho Zuliani (DEM), de Olímpia, na campanha de 2008.

Adm01P

Em 30 de outubro de 2008, por volta das 21h30, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgava procedente agravo regimental contra decisão monocrática do ministro Fernando Gonçalves, que indeferia o registro de candidatura e decidiu que o vereador Eugênio José Zuliani, Geninho Zuliani, seria o novo prefeito de Olímpia. O recurso manteve o resultado apurado nas urnas no dia 5 de outubro de 2008. A participação do advogado Admar foi decisiva no julgamento. No julgamento, inicialmente, o ministro Gonçalves, relator no processo, mantinha sua posição de indeferimento, mas depois da intervenção do advogado de Zuliani, Admar Gonzaga Neto, que gerou um debate em plenário, acabou refazendo sua decisão.

A solenidade para a posse de Admar, ontem, terça-feira, foi realizada no gabinete da Presidência do TSE, no edifício-sede, em Brasília-DF, e contou com a presença de representantes do Judiciário, do Executivo, do Ministério Público, da Advocacia-Geral da União, de Tribunais de Contas e da Ordem dos Advogados do Brasil, além de jornalistas, entre outros.

Após a abertura, pela presidente do TSE, do ato de posse, o novo ministro substituto prestou o compromisso regimental. “Declaro aceitar o cargo de ministro substituto do Tribunal Superior Eleitoral, para o qual fui nomeado e prometo bem e fielmente cumprir os deveres e atribuições respectivas em harmonia com a Constituição e as leis da República”, afirmou Admar Gonzaga. Em seguida, o diretor-geral substituto do TSE, Luciano Puchalski, leu o termo de posse.

O nome do advogado para compor o TSE foi aprovado pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) e incluído em uma lista tríplice no último dia 9 de maio, que foi encaminhada à Presidência da República. Admar Gonzaga Neto foi nomeado pela presidente Dilma Rousseff no dia 11 de junho e sua nomeação foi publicada no Diário Oficial da União no dia 12 seguinte.

Ele assumirá a vaga deixada pelo ministro Henrique Neves, que passou ao cargo de ministro efetivo após o término do mandato do jurista Marcelo Ribeiro.

Currículo

Natural do Rio de Janeiro-RJ, Admar Gonzaga Neto atua na especialidade eleitoral desde 1993. Integra a Comissão Especial de Juristas criada para propor mudanças no texto do Código Eleitoral. É ainda membro do Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral, autor de livros e manuais de Direito Eleitoral, professor de cursos e palestrante de eventos de estudos sobre a matéria.

Composição

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é composto, no mínimo, por sete ministros titulares. Três ministros efetivos são oriundos do Supremo Tribunal Federal (STF) – sendo que entre eles são escolhidos o presidente e o vice-presidente –, dois são ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – sendo que o mais antigo no TSE exerce a função de corregedor-geral Eleitoral – e os outros dois são representantes da advocacia, estes últimos nomeados pelo presidente da República a partir da lista tríplice encaminhada pelo STF.

TSE encerra ano ano judiciário. E Nil assumirá como prefeito em Severínia dia 1º

Na sessão de encerramento do ano judiciário, realizada na tarde desta quarta-feira (19), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, anunciou que o tribunal julgou 14.048 processos neste ano. Com relação aos 7.781 recursos relacionados somente a registro de candidaturas à eleição municipal de 2012, 90% foram decididos.

P0243

Com isso, o recurso do candidato Isidro João Camacho, de Severínia, ficou para trás. Não é considerado caso urgente para ser julgado nesse plantão que irá até o dia 6. Portanto, deverá prevalecer a diplomação do candidato Nil, ocorrida ontem, na Câmara de Olímpia. O Diário tentou falar com o juiz eleitoral Lucas Figueiredo, mas, em audiência, não pode atender a ligação.

DSC_0791

A partir desta quinta-feira (20) até 6 de janeiro, período do recesso forense, a ministra Cármen Lúcia permanecerá de plantão no TSE. O tribunal funcionará das 12h às 19h, com exceção dos dias 24 e 31 de dezembro, quando o expediente será das 8h às 12h. O primeiro semestre forense de 2013 será aberto no dia 1º de fevereiro, com sessão às 13h.

Em 2012, foram distribuídos 14.048 processos aos ministros, dos quais 10.290 foram julgados em primeira decisão de mérito, o equivalente a 73% da quantidade de processos distribuídos. Foram proferidas 10.625 decisões monocráticas (individuais), 250 decisões liminares, 3.160 acórdãos e 13 resoluções.

Neste ano, o tribunal realizou 146 sessões de julgamento: 70  ordinárias jurisdicionais, 54 ordinárias administrativas, 12 extraordinárias jurisdicionais, nove extraordinárias administrativas e uma sessão solene.

Eleições 2012

Em 7 de outubro, foram realizadas as eleições para escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Dos 9.189 processos referentes à eleição deste ano, 7.781 foram recursos sobre pedidos de registro de candidaturas. Desses 7.781, foram julgados 7.001 feitos até esta quarta-feira (19), o que corresponde a 90% dos processos relacionados a registros distribuídos.

As eleições 2012 foram as primeiras realizadas sob a vigência da Lei da Ficha Limpa (LC 135/2010). As inelegibilidades previstas nesta nova lei geraram o recebimento de 3.366 recursos pelo TSE. Desses processos, 2.971 (88%) já foram julgados pelo tribunal.

A quantidade de processos distribuídos em 2012 é aproximadamente 30% maior do que a das eleições municipais de 2008. Naquele ano, foram distribuídos 6.026 recursos relacionados a pedidos de registro de candidaturas, dos quais 5.803 (96%) tinham sido julgados até o encerramento do ano judiciário.

Agradecimentos

Ao final da sessão, a presidente Cármen Lúcia agradeceu o empenho de todos os ministros, do Ministério Público Eleitoral, advogados e servidores na condução dos trabalhos do tribunal e desejou boas festas e bom retorno a todos em 1º de fevereiro de 2013, na sessão de abertura do ano judiciário.

Em nome dos demais membros, o ministro Marco Aurélio retribuiu os votos de boas festas e manifestou a satisfação de ter atuado sob a presidência da ministra Cármen Lúcia e junto a um colegiado “afiado”. “Vossa excelência conduz a sessão com punhos de aço, mas com luvas de pelica, e isso é muito produtivo”, disse o ministro Marco Aurélio.

O procurador-geral eleitoral, Roberto Gurgel, também cumprimentou todos os membros do Tribunal, do Ministério Público, servidores e a presidente pela condução dos trabalhos neste ano eleitoral. Segundo o procurador, em ano eleitoral, os encargos recaem mais sobre a presidência do tribunal e a ministra desincumbiu-se desses encargos magnificamente e assegurou ao país eleições exemplares.

Gurgel disse ainda que a Procuradoria-Geral Eleitoral apresentou 12.135 manifestações e 10.801 ciências ao TSE neste ano.

Já Gustavo Severo falou em nome dos advogados que atuam no tribunal. Ele disse que, apesar da avalanche de 14 mil processos decididos em 2012 e das extensas sessões de julgamento, os ministros do TSE sempre ouviram  atentamente as sustentações orais dos advogados e que a Justiça Eleitoral brasileira é motivo de orgulho e exemplo para o mundo.

Camacho está apto pela Justiça Eleitoral

O candidato a prefeito por Severínia, Isidro João Camacho (Dr. Camacho, PSDB), 51, consta como apto no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Dias atrás, constava como indeferido.

camacho

Porém, o site informa, também, que consta pedido de impugnação.

Camacho parte da coligação “Severínia merece Respeito”, através dos partidos PTB, PR, PPS, PSDB e PC do B.

Silvio Salata diz à ‘Folha’ que decisão do TSE sobre contas pode gerar insegurança jurídica

O advogado Sílvio Salata, presidente da comissão de estudos eleitorais da OAB-SP (seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil), foi entrevistado, mais uma vez, pelo jornal ‘Folha de S.Paulo’, para repercutir assuntos ligados à legislação eleitoral.

Desta vez, no sábado (3), foi para repercutir a manchete (também dada neste Diário) de que “TSE tira da eleição político que teve contas rejeitadas”, de que a Justiça vai barrar reprovados em 2010, mas que casos anteriores podem levar à punição.

Para Sílvio Salata, e outros entrevistados pela ‘Folha’, a decisão do TSE vai criar uma insegurança jurídica, porque o TSE não deixou claro se políticos com contas rejeitadas em 2006 ou 2006 vão poder concorrer.

Leia abaixo a matéria completa:

TSE decide barrar nas eleições deste ano candidatos com contas passadas rejeitadas

Em uma importante alteração de jurisprudência, ofuscada pela repercussão recente do julgamento da constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu, nesta quinta-feira (1º), que para concorrer às eleições municipais deste ano não basta aos candidatos terem apresentado as contas de campanha das últimas eleições (2010), é necessário também que os números tenham sido aprovados.

Já reprovações de contas de campanhas eleitorais anteriores a 2010 serão analisadas individualmente, caso a caso. Por 4 votos a 3, o TSE alterou a interpretação da lei eleitoral que vigorou para as últimas eleições, em 2010, quando o entendimento era de que bastava a prestação de contas para que o registro de candidatura fosse autorizado.

Ou seja, o candidato que não tiver as contas da última eleição concorrida por ele aprovadas, será impedido de efetuar seu registro de candidatura para a próxima eleição que decidir disputar. Os ministros do TSE consentiram, contudo, que, em caso de atraso na avaliação das contas pela Justiça Eleitoral, o candidato não poderá ser impedido de concorrer.

"O candidato que foi negligente e não observou os ditames legais não pode ter o mesmo tratamento daquele zeloso que cumpriu com seus deveres. Assim, a aprovação das contas não pode ter a mesma consequência da desaprovação”, disse Andrighi ao reafirmar que quem teve contas rejeitadas não está quite com a Justiça Eleitoral.

Nessa quinta-feira, os ministros finalmente concluíram a quinta e última resolução que estabelece as regras para a próxima disputa eleitoral ainda este ano. Pela lei, o prazo era até o dia 5 de março.

TSE

A análise da resolução que tratava da prestação de contas nas eleições de 2012 era para ter sido julgada no mesmo dia em que ocorreu o julgamento final da Lei da Ficha Limpa no Supremo, mas a sessão plenária no TSE foi cancelada porque três dos seus membros (o presidente Ricardo Lewandowski e os ministros Marco Aurélio e Cármem Lúcia) também integram o STF e permaneceram naquela corte no longo e derradeiro debate sobre o destino da Lei da Ficha Limpa no dia 16 de fevereiro.

Na terça-feira (28/2), quando o tema foi retomado, o desconforto do ministro Marco Aurélio com a acústica do plenário da nova sede do TSE levou o próprio ministro e a colega, corregedora eleitoral, ministra Nancy Andrighi a pedirem vista do julgamento, adiando mais uma vez a decisão.

Nesta quinta-feira, o ministro Gilson Dipp voltou a manifestar sua contrariedade em relação à alteração da interpretação da lei eleitoral. De acordo com o ministro, o novo entendimento fere dispositivos da Lei das Eleições (parágrafo 7º do artigo 11 da Lei 9.504/1997, alterada pela Lei 12.034/2010), ao contrariar explicitamente a “vontade do legislador” que a concebeu. O voto vencido do ministro foi acompanhado dos colegas Marcelo Ribeiro e Arnaldo Versiani.

Todos entenderam que a lei é clara ao não vincular a rejeição de contas de campanha com a cassação do diploma de candidatura. Votaram pela alteração do entendimento o presidente da corte, Ricardo Lewandowski, e os ministros Cármem Lúcia, Marco Aurélio e Nancy Andrighi. (Conjur)

Tudo certo: eleições serão dia 7 e 28 de outubro do ano que vem, decide hoje TSE

eleições-2012O primeiro turno das eleições municipais do ano que vem será realizado no dia 7 de outubro e o segundo, no dia 28 de outubro. As datas foram publicadas hoje pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no Diário da Justiça Eletrônico.

As eleições do ano que vem vão definir a escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em 5.566 municípios. O calendário foi aprovado em plenário no último dia 28. Leia mais…

Eleitor que não votou terá até o dia 14 de abril para regularizar o título eleitoral

Eleitores que não votaram e não justificaram a ausência nas três últimas eleições podem regularizar sua situação. Eles têm até o dia 14 de abril para comparecer ao cartório eleitoral mais próximo.

Levantamento da Justiça Eleitoral revela que 1.472.834 eleitores brasileiros estão nesta situação e podem ter o título cancelado, se não efetuaram a regularização. Leia mais…

EXCLUSIVO: TSE DESCARTA AÇÃO DE GONZALIS E ZANOLLI CONTRA EMISSORAS DE RÁDIO NA ELEIÇÃO

gonzalisO Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou provimento ao recurso impetrado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), provocado pela ação interposta pela Coligação União Pela Moralidade e Justiça, do candidato a prefeito Walter Gonzalis (PV, foto), e pelo candidato a vereador, Willian Antônio Zanolli, ambos derrotados na última eleição municipal, de que emissoras de rádio – Difusora AM e Menina AM – teriam sido usadas como palanques eletrônicos e ferramentas de abuso do poder econômico em favor dos candidatos a prefeito Eugênio Zuliani (DEM), eleito, e de José Augusto Zambom Delamanha (PMDB), derrotado.

A decisão monocrática do ministro Marcelo Ribeiro foi exarada na última terça-feira (1°) e publicada hoje, sexta (4), às 17h25. “A análise das cópias dos jornais e das peças processuais supracitadas revela que, de fato, houve disputa acirrada no Município de Olímpia. Podem, no máximo, constituir indícios da existência de preferência das rádios recorridas por um ou outro candidato, mas não são provas contundentes para concretizarem o uso indevido de meio de comunicação social”, fundamentou o ministro em sua negativa.

Leia mais…

Vence hoje prazo para eleitor inadimplente

O prazo para justificar a ausência no segundo turno das eleições 2010 termina hoje, quinta-feira, dia 30. Até ontem, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já havia registrado 10,1 milhões de justificativas de eleitores que não compareceram para votar.

Para justificar a ausência, o eleitor deve apresentar o Requerimento de Justificativa Eleitoral ao juiz da zona eleitoral em que estiver inscrito. O TSE informou que quem estava no exterior no dia da eleição e não votou deve justificar sua ausência em, no máximo, 30 dias após o retorno ao Brasil. Leia mais…

Eleitor tem até dia 30 para regularizar situação

O eleitor que não votou no segundo turno das eleições para presidente e não foi até uma seção de votação fazer a justificativa tem até 30 de dezembro para regularizar sua situação.

O cidadão que estiver em situação irregular com a Justiça Eleitoral fica impedido, entre outras coisas, de tirar passaporte, inscrever-se em concurso público, renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo e obter certidão de quitação eleitoral. Além disso, o cidadão que não vota, não justifica a ausência ou não tem a justificativa, fica sujeito a uma multa, que pode variar entre R$ 1, 06 a R$ 3,51.

FICHA SUJA: UEBE REZECK PERDE A CANDIDATURA, DECIDE O TSE

Uebe RezeckO plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu o pedido de registro de Uebe Rezeck, ex-prefeito de Barretos (SP), que concorreu em 2010 ao cargo de deputado estadual por São Paulo. Ele obteve 2.544 votos em Olímpia, com mais de 10% dos votos válidos, agora perdidos.

A Corte entendeu que Uebe Rezeck (PMDB) está inelegível com base na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/2010) por ter sido condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo por prática de ato doloso de improbidade administrativa, com dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito. Em Olímpia, foi o candidato do grupo do ex-prefeito Luiz Fernando Carneiro (PMDB), tendo o próprio saído às ruas pedindo pessoalmente votos para Uebe. Leia mais…

QUASE 60% DO ELEITOR OLIMPIENSE QUERIA JOSÉ SERRA PARA PRESIDENTE

serraÀs 20h20 deste segundo turno das eleições brasileiras, domingo (31), se o resultado dependesse do voto do eleitor de Olímpia, o presidente seria José Serra (PSDB). No geral, Dilma está vencendo com margem de pouco mais de 9%.dilma_dedo2

Do colégio eleitoral de 37.221 eleitores, votaram 27.530 – nulos: 944, abstenção de 8.032 e brancos 715.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) , José Serra venceu Dilma em Olímpia com 16.268 votos (59,09%), contra 11.262 votos (40,91%).

No primeiro turno, Serra também venceu Dilma em Olímpia, com 52,1% de vantagem, ou seja, 14.484 votos contra 8.888 votos (31,97%). Observadores políticos analisam que parte dos 4.196 votos de Marina (PV) tenham ido para candidata do PT, mesmo assim não ultrapassou Serra na cidade.

Dos seis municípios da comarca, Serra vence em quatro, perdendo só em Altair e Guaraci

dilma-ou-serraA presidente eleita Dilma Rousseff (PT) só ganhou em Altair e Guaraci, dos seis municípios que integram a comarca de Olímpia. E a abstenção foi alta: de um colégio eleitoral de 70.291, votaram 51.770, ou seja, 18.521 preferiram ficar à margem do segundo turno.

JOSÉ SERRA – O candidato tucano venceu em Cajobi com 53,82% (3.148 votos) contra 46,18% (2.701 votos) de Dilma. A vantagem se repete em Embaúba, com 58,24% (1.004 votos) para Serra, e 41,76% (720 votos) para a petista. E, finalmente, vitória também tucana em Severínia, com 59,54% (5.248 votos), contra 40,46% (3.566 votos) para Dilma.

DILMA – A presidente eleita venceu apenas em Altair, com 56,5% (1.186 votos) de vantagem contra Serra, que obteve 43,51% (913 votos); e, em Guaraci, onde ela conquistou 55,87% (3.215 votos), contra apenas 44,13% (2.539 votos) de José Serra.

Conheça os candidatos (vitoriosos e derrotados) nascidos em Olímpia e Comarca

Eleições 2010O leitor Marco Aurélio virou uma espécie de ‘consultor eleitoral’ para o Blog do Concon e, mais uma vez (descobriu a deputada eleita Keiko Ota, do PSB, natural de Olímpia), enviou ao Blog a sua colaboração: o resultado obtido pelos candidatos naturais da cidade e da comarca na eleição de 3 de outubro último.

Quer saber quem disputou essa última eleição, tanto para deputado estadual quanto federal, sendo natural da terrinha, ou perto dela. Leia mais…