Polícia Civil prende quase 3 mil pessoas nesta quinta, inclusive em Olímpia

A Polícia Civil de São Paulo prendeu 2.850 pessoas durante a operação PC-27 que aconteceu entre a madrugada desta última quinta-feira (9) e a manhã desta sexta-feira (10). Vários mandados de prisão foram cumpridos em Barretos e cidades da região, envolvendo policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), DIG (Delegacia de Investigações Gerais), DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), do município.

DSC06970

De acordo com o delegado da DISE de Barretos, João Brocanello Neto, ao todo 24 mandados foram cumpridos, 14 pessoas foram presas em Barretos por vários crimes, incluindo o de falta de pagamento de pensão alimentícia. A ação também foi feita em Olímpia, Guaíra, Guaraci, Altair, Colina, Embaúba e Colômbia. Armas e drogas também foram apreendidas na operação. Não há detalhes de quem foi preso em Olímpia ou na comarca, por enquanto.

Os detidos foram encaminhados para a cadeia pública de Severínia e serão transferidos para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Taiuba. Na região de Ribeirão Preto, 239 mandados foram cumpridos e 53 pessoas foram presas em flagrante.

A PC-27 foi organizada pelo Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil, em comemoração aos 205 anos da instalação da polícia no país.

policia-civil-sp-size-598

“Em um espaço de menos de 24h um trabalho de logística, estratégico e bem feito. Foram armas, drogas e veículos apreendidos e 2.800 criminosos mapeados, foi feito um trabalho de qualidade no sentido de tirar das ruas todos esses criminosos. Isso desmonta quadrilhas e tira das ruas criminosos perigosos e esse trabalho vai continuar”, disse o governador Geraldo Alckmin durante evento de entrega de viaturas e unidades de resgate no Palácio dos Bandeirantes.

Estiveram envolvidos 7.908 policiais de todo o Estado de São Paulo e foi apreendida mais de 2 toneladas de drogas. Diversos departamentos da Polícia Civil participaram da operação. “Essa grande operação foi um grande sucesso”, disse Alckmin, que destacou a importância do trabalho da polícia em todo o Estado.

Delegado Brocanello deixa Olímpia para assumir a DIG/DISE de Barretos

O delegado titular de Polícia Civil de Olímpia, João Brocanello Neto, foi nomeado para integrar a DIG/DISE de Barretos, após permanecer quatro anos e 10 meses nesse cargo. Em Olímpia, tem trabalhado na Polícia Civil nos últimos sete anos. De carreira, está completando 21 anos e quatro meses.

DSC06970

No cargo de delegado titular, em Olímpia, assume o delegado Marcelo Puppo de Paula, tendo como delegados César Aparecido Martins (responsável pela Ciretran e 1º DP) e Maria Tereza Ferreira Vendramel (DDM).

DSC_9659

A reformulação nos quadros atinge também a região. O delegado de polícia Edson João Guilhem é o novo Seccional de Polícia de Barretos. A nomeação foi publicada no Diário Oficial do Estado. Ele substitui o delegado João Osinski Júnior, que foi nomeado Diretor do Deinter-3, em Ribeirão Preto.

SECCIONAL

Delegado do Denarc diz que ‘pais modernos’, liberais, facilitam drogas

Apesar de lícitas, o álcool e o cigarro são drogas mais consumidas e danosas ao brasileiro, inclusive na adolescência e, em alguns casos, até na infância. E, para agravar ainda mais este cenário, com a permissividade irresponsável dos pais.

DSC_9088
Essa foi uma das revelações feitas pelo delegado Reinaldo Corrêa, do setor de prevenção e educação do Denarc (Polícia Civil), da capital paulista, que abriu na noite desta segunda-feira (21), na Casa de Cultura, completamente lotada um curso de agentes multiplicadores de prevenção, promovido pela prefeitura e Secretaria da Saúde local.
DSC_9068

A abertura foi feita pela secretária Sílvia Forti (Saúde), que compôs a mesa com o delegado-titular de Polícia Civil João Brocanello Neto; vereador José Elias Morais (Zé das Pedras, PMDB) representando o legislativo; Cristina Kiill (Centro de Saúde) e da psicóloga policial Regina Ribeiro Neves, que veio acompanhando Reinaldo neste primeiro dia de curso, que se estenderá até sexta-feira (21). Em seguida, deu as boas-vindas o delegado Brocanello, ressaltando a importância da prevenção e de combate às drogas.

DSC_9047

O curso será ministrado por policiais civis da Divisão de Prevenção e Educação (DIPE), sempre das 19h às 23h, totalizando 20 horas, com certificado emitido pelo DENARC, com frequência mínima de 75%. Somente na sexta-feira (21) será realizado na sede da FENOSSA. Com duração de 20 horas-aula, o curso integra nove palestrantes ligados ao Denarc (advogados, assistentes sociais e policiais) que explicam o complexo universo das drogas, tratamentos, aspectos legais etc.

DSC_9042

E é dirigido em específico para profissionais ligados à Assistência, Educação, Saúde, Associações, Pastoral da Sobriedade, Amor Exigente, Narcóticos, Conselhos de Direitos ONGs (Comunidade Terapêuticas) e grupos ligados ao combate e ao amparo ao adicto. Os pais também podem participar do curso.

DSC_9043

Os atiradores do Tiro de Guerra 02-025, acompanhado do chefe de instrução, sargento Marco Aurélio, também participam deste curso. Na plateia, presente também a secretária de Assistência Social Edna Marques, a equipe do SAMU de Olímpia, estudantes e profissionais.

DSC_9050

Nem tanto delegado, nem tanto saudosista dos tempos em que – sessentão – o controle dos pais não permitia incursões dos filhos após à meia noite e, sempre, o pai, ou a mãe, os esperavam para a abraço ‘que servia para detectar o nível de álcool ou fumo presente na roupa ou na boca”, Reinaldo Corrêa deixou a plateia boquiaberta com revelações sobre drogas, e não apenas as conhecidas: “Hoje, não temos somente a maconha, a cocaína e o oxi. O ice ou crystalmeth – uma pedra cristalina, aparentemente inofensiva, já chegou ao Brasil. A droga é destrutiva, gera dependência e pode ser ingerida em cápsula, derretida para ser injetada, cheirada como a cocaína e fumada como o crack. Geralmente é utilizada por jovens nas danceterias e nas baladas”.

DSC_9058

O palestrante apresentou os tipos de drogas, os males que causam à saúde e a importância em auxiliar quem convive com o problema. “Eu trabalhava com repressão e cheguei para atuar na divisão de prevenção. É bem diferente. Precisei me preparar um ano pesquisando, pois apesar de todo meu tempo de polícia na verdade não conhecia muitas coisas sobre as drogas. Precisamos ajudar quem está com esse problema. É um ser humano que necessita de auxílio”, comentou na abertura.

Reinaldo Corrêa destacou no início que as drogas mais utilizadas no país são as lícitas. Os números apontam que 52% usam álcool e 30,6% cigarro. O terceiro lugar é ocupado pelos medicamentos e em seguida estão as ilícitas. Ele também destacou que a lei 11.343/2006 endureceu as penas para o traficante, mas não para os usuários. “O resultado foi o aumento do uso e temos um número crescente de usuários de todas as drogas, principalmente entre os jovens”, defendeu.

DSC_9057

Ele ainda falou da importância em incentivar bons hábitos dos filhos. “Precisamos mudar os exemplos que damos para nossos filhos. Não devemos incentivar nem dar mau exemplo e precisamos sim conversar bastante”, disse.

Corrêa explicou que no mundo moderno os pais têm pouco tempo para os filhos e buscam formas de suprir essa falta. “Presenteamos demais e mantemos pouco diálogo”, afirmou. Ele ainda determina que o trabalho de prevenção é importante porque deixar as drogas é complicado. “Sair é terrível, o melhor é nem começar. Isso sem contar que no país temos um número insuficiente de vagas para o tratamento”, explicou. Ele defende que pais vasculhem as coisas pessoais dos filhos sempre à procura “de elementos que não deveriam estar naquele ambiente” e, caso encontrem algo ilícito, ou ‘diferente’, “tratem com carinho, conversa, tranquilidade, nunca além disso”.

DSC_9070

O palestrante ainda destacou os problemas ocasionados pelo crack e que o consumo tem crescido. Segundo ele, as conseqüências são devastadoras. “Quem usa crack por um ou dois meses ganha uma doença para a vida toda. Vai ficar viciado e sentir necessidade dele até a morte”, disse.

DSC_9097

Correa apontou ainda diversas conseqüências do consumo do álcool, como perda da dignidade, gravidez sem paternidade, violência doméstica e acidentes no trânsito, e apontou a bebida como uma das drogas mais nocivas por se tratar de uma porta de entrada para o consumo de outros entorpecentes. “Sob o efeito da bebida alcoólica a pessoa perde o seu ‘freio moral’ e acaba aceitando consumir outras drogas mais nocivas”. Ele ainda alertou sobre o perigo do consumo de anfetaminas e outros medicamentos tranqüilizantes associados a bebida alcoólica.

CUIDADO NAS BALADAS

Confundida com comprimido de ecstasy, a metanfetamina é a droga do momento em baladas em jovens de classe média alta em São Paulo, revelou o palestrante, na Casa de Cultura. Segundo ele, o seu efeito é mais devastador que o crack. Um comprimido chega a custar R$ 200 e garante euforia de oito horas e potência sexual de até 30 horas. A “potência” do comprimido azul e a curiosidade em experimentá-la fazem aumentar o consumo da droga na capital.

DSC_9096

A droga vem de fora, não se tem relatos de fabricação aqui, esclarece o delegado. Ela veio com americanos, no ano passado, durante a Parada Gay da capital paulista.

Dependentes da metanfetamina têm delírios e alucinações. Segundo o delegado, o primeiro impulso é a curiosidade. “Mas há quem confunda a metanfetamina com ecstasy. Uns acham que é um ecstasy mais forte. Outros falam que é uma anfetamina que vai te deixar nas nuvens. E a compulsão sexual proporcionada pelo entorpecente também aumenta o consumo. Mas eles nem imaginam os efeitos maléficos que causam no organismo”, disse o delegado do Denarc.

DSC_9082

Em dez anos, o dependente já morreu, magro e envelhecido precocemente – disse Reinaldo Corrêa.

DSC_9040

Delegado titular do 1º DP de Rio Preto morre de infarto e está sendo velado em Mirassol

Morreu nesta tarde (14), o delegado titular do 1º Distrito Policial de Rio Preto, o delegado Genival Ribeiro dos Santos. Ele foi vítima de um infarto, às 15h30.

genival

De acordo com funcionários do 1º DP, o delegado não voltou do almoço, pois foi realizar um exame em uma clínica da cidade. Ele teve uma parada cardíaca e foi encaminhado do Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC), onde sofreu a segunda parada cardíaca e não resistiu.

Em nota, o IMC informou que o paciente deu entrada na Emergência do hospital às 13h14 com quadro de choque cardiogênico (hipotensão arterial severa devido a insuficiência cardíaca) e edema agudo de pulmão, evoluindo para parada cardiorrespiratória.

Vários procedimentos de reanimação foram empregados aos quais o paciente não respondeu, indo a óbito registrado às 15h30 da tarde desta terça-feira.

O corpo será velado a partir das 18 horas, na Loja Maçônica de Mirassol, rua Rui Barbosa, 1951. O enterro será nesta quarta-feira às 17 horas, no cemitério Jardim da Paz, em Rio Preto. (Diarioweb)

Cadeia de Barretos está desativada

A Cadeia Pública de Barretos foi desativada oficialmente na manhã de ontem (2), conforme determinação da justiça local. Ela também abrigava presos de Olímpia.

cela1

O prédio foi visitado pelo delegado seccional João Osinski Junior, juíza Fernanda Vazquez e os delegados Silvana Matias e Celso Spadácio, e aberto à imprensa.

cela0

“Oficializamos a interdição do prédio, com a transferência dos presos para um local adequado para cumprir o aguardo de seus julgamentos”, disse a juíza.

Os últimos detentos foram retirados do local na quarta-feira, dia 1º de fevereiro.

“A desativação da cadeia propiciará aos presos a inclusão em local adequado à espera do término do processo e à Polícia Civil a retomada de direcionamento da atividade fim, que é a de investigação e não a custódia de preso”, afirmou a delegada Silvana.

cela5

Para o delegado Celso, que estava respondendo pela unidade, a desativação da cadeia é uma grande conquista para a cidade. “Atende aos anseios da comunidade e coloca o preso em local apropriado para sua detenção”, destacou.

O prédio da Cadeia Pública pertence ao antigo IPESP (Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo, atual SPPREV (São Paulo Previdência). De acordo com o seccional, Dr. João Osinski, a ideia é que o prédio seja cedido para a construção de uma central de polícia, abrigando várias unidades.

O prédio

A Cadeia Pública de Barretos datada na década de 1960. Com capacidade para abrigar 45 presos, chegou a abrigar mais de 100 nas 10 celas que possui.

cela4

Algumas destas celas chegaram a ter entre 20 e 25 presos, separados entre crimes mais graves, detidos por falta de pagamento de pensão alimentícia, a turma da faxina, entre outros.

cela3

Também possui um pátio para o banho de sol, espaço improvisado como campo de futebol.

cela2

As refeições – café da manhã, almoço, lanche e jantar – eram feitas nas celas. O banho de sol era permitido de segunda a sexta-feira, das 13h às 16h, à exceção de sábado, domingo e feriado.

As visitas eram permitidas todas as sextas-feiras, das 8h ao meio dia. A maioria das visitantes eram mulheres, mães, esposas, irmãs, namoradas, filhas, entre outras, que se espalhavam pelos corredores das celas.

Toda primeira quinta-feira de cada mês acontecia a visita íntima. O carcereiro Jerônimo Alves Pimentel, que atuou na cadeia desde 1992, explica que o local era chamado de “casídio”, uma mistura de cadeia com presídio. “Aqui tinha tudo misturado, preso aguardando julgamento e já condenado”, observou.

De acordo com ele, o local contava com a atuação de carcereiros das cidades de Ituverava, Araraquara, Ribeirão Preto, Olímpia e Colina. (O Diário de Barretos / Fotos Tininho Jr)

Região agora tem a sua ‘Swat’

A Polícia Civil de Rio Preto e 30 cidades da região estão mais fortes. Foi implantado o Grupo de Operações Especiais (GOE), cuja sede é a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e atenderá a circunscrição da seccional. Dez policiais foram especialmente treinados para trabalhar em operações de maior risco como rebeliões, entradas táticas em imóveis, escoltas de presos considerados perigosos e negociações em assaltos com reféns.

GOE-Hamilton-Pavam

“A cidade e toda região ganha muito com esse apoio. Esses policiais recebem treinamento específico na academia de polícia civil (Acadepol) para situações mais delicadas, o que não não tínhamos”, explica o delegado Airton Douglas Honório. Quatro viaturas anteriormente usadas pelo Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), que foi extinto e deu lugar ao novo grupo, e armas de calibre mais potente como metralhadoras, pistolas semiautomáticas e espingardas calibre 12 fazem parte da estrutura do grupo. Uniformes especiais e máscaras de proteção contra gases também, além de algemas e spray de pimenta, equipamentos normalmente já utilizados pela polícia.

“O Garra tinha como foco principal assalto a bancos por isso ele deu lugar ao GOE, que está preparado para atender a toda e qualquer situação de crise”, explica o delegado. Além de atuarem pelo Grupo de Operações Especiais, os policiais civis também prestam serviços na Delegacia de Investigações Gerais. “Eles não ficam exclusivamente para as situações especiais. Quando não têm esse tipo de ocorrência eles trabalham normalmente nas investigações da DIG”, diz Honório.

À frente dos trabalhos do GOE está o delegado Alceu Lima de Oliveira Junior. Ele foi procurado pela reportagem, no entanto não foi localizado. Até o momento, o Grupo de Operações Especiais de Rio Preto ainda não entrou em ação. Nenhuma ocorrência registrada nos últimos dias exigiu a presença da equipe.

Como acionar

O Grupo de Operações Especiais não possui um número de atendimento direto à população. Apenas autoridades policiais podem acionar o Grupo de Operações Especiais. Na Capital, o pessoal do GOE já recebeu treinamento da Swat, que é a polícia especial norte-americana. “A própria polícia é que está fazendo o primeiro atendimento da ocorrência, seja ela a Civil ou a PM. Verifica a necessidade da situação, entra em contato com o comandante do grupo ou da delegacia seccional. Somente aí eles são acionados”, explica o delegado. (Diarioweb)

Oscarzinho e ‘Zebra’ foram presos com mais de R$ 460 mil do Pará para compra de cocaína em operação da Polícia Civil de Olímpia

A Polícia Civil de Olímpia culminou na manhã de hoje, com êxito, um trabalho de investigação que vinha se arrastando por quase dois meses, prendendo o chefe da quadrilha, Oscar Dias de Oliveira Filho, 40, o Oscarzinho, numa clínica médica em Olímpia, e o motorista de caminhão Rodrigo César Silva Bacetto, o Zebra, 32, também de Olímpia, que trazia mais de R$ 460 mil do Estado do Pará para a compra de cocaína na região de Campinas.

ROTA-DO-TRAFICO-DE-OSCARZINHO-E-ZEBRA

O trabalho foi coordenado pelo delegado João Brocanello Neto, que se encontra em Barretos acompanhando a autuação feita pelo delegado Antonio Alício Simões Júnior, titular daquele DISE, já que o caminhão com o dinheiro do tráfico foi apreendido na Base da Polícia Rodoviária daquela cidade por determinação de Brocanello. Leia mais…

Na caça aos assassinos do irmão do PM, hoje: um preso, quase 5 kg de drogas, carro e moto

100_4606“Para as polícias Civil e Militar é ponto de honra solucionar o homicídio do irmão do policial militar Rocha, não só porque é irmão de PM, mas porque não podemos admitir que o crime não seja solucionado, e peço ajuda da população que passe, anonimamente, pelo 190 ou 197, informações para encontrarmos os responsáveis”.

100_4602

A afirmação foi feita na tarde de hoje, quarta (30), pelo delegado titular de Olímpia, João Brocanello Neto, que, mesmo de folga, acompanhou o trabalho do delegado César Aparecido Martins na operação conjunta realizada desde a manhã envolvendo as Polícias Civil, Militar e Força Tática da PM de Barretos, e que resultou na prisão de um acusado de tráfico e na apreensão de 4,8 quilos de maconha e quase 38 gramas de cocaína em duas ocorrências simultâneas no bairro Santa Ifigênia. Leia mais…

Interdição da Cadeia de Barretos prorrogada

A cadeia pública de Barretos continua recebendo presos e teve seu prazo de interdição estendido. “O processo de interdição é louvável, pois sabemos das condições de segurança e insalubridade, mas durante um certo tempo temos que colocar os presos em algum lugar”, observa o delegado seccional João Osinski Júnior.

Cadeia-Barretos

O delegado avalia que não adianta fechar a cadeia de Barretos e sobrecarregar as de cidades da região. Leia mais…

Operação ‘Quebra Pedra’ da Polícia Civil prende 15 das 19 pessoas associadas ao tráfico

100_1246ATUALIZADO – A Polícia Civil de Olímpia desencadeou nas primeiras horas desta terça-feira (6), a Operação Quebra-Pedra, já tendo cumprido, uma hora e meia depois, 15 das 19 prisões preventivas solicitadas pelo delegado titular João Brocanello Neto para o crime Valquiria-Teodoro-dos-Santos_Fabiano-Rodrigo-Matheusde associação ao tráfico, e determinadas pelo juiz Hélio Benedine Ravagnani, da 3ª Vara.

A maioria das prisões estão relacionadas à apreensão de 3 quilos de drogas com Gilberto da Silva, o Paraná, 35 anos, em 16 de junho deste ano. Foram 18 policiais civis, incluindo das cinco cidades da comarca (sub-área), e 10 viaturas, desde às 6h. Leia mais…

Travesti “Kerly” que assaltou jornalista Nelito é preso em ação relâmpago das Polícias hoje

Anderson-na-delegacia-1Tem em vista o reconhecimento da testemunha M.M.M. de que o agressor do jornalista Manoel dos Santos (Nelito), 83, do Tabloide da Nova Paulista, seria o travesti Anderson de Souza Santos, 20, vulgo “Kerly” em assalto ocorrido no começo da noite de ontem, no centro da cidade, as Polícias Civil e Militar não perderam tempo e já estão com o suspeito atrás das grades neste sábado (18).

“Foi tudo muito rápido, fizemos o inquérito em duas horas e logo pedimos a prisão temporária do Anderson ao plantão judiciário, em Barretos, e fomos atendidos, graças à eficiência do delegado César Aparecido Martins”, disse o escrivão Gallina. Leia mais…

Investigação do Ministério Público contra delegado Mário Renato repercute na região

Depois da notícia divulgada na TV Tem, anteontem, quinta (16), hoje foi a vez do Diário da Região, também de Rio Preto, publicar a informação de que o Ministério Público de Olímpia abriu Ação Civil Pública contra o delegado de Polícia Civil Mário Renato Depieri Micheli por improbidade administrativa. A ilustração abaixo também é do jornal.

caso-mario-renato-arte-diarioweb

“O Ministério Público de Olímpia entrou com ação civil pública contra o delegado Mário Renato Depieri Michelli por improbidade administrativa, na qual pede que ele seja demitido e pague multa de até 100 vezes o valor de seu salário. Entre as acusações, o delegado teria deixado de lavrar intencionalmente pelo menos três flagrantes de tráfico de drogas, com o objetivo de desmerecer a atividade da Polícia Militar”, informa o jornal rio-pretense. Leia mais…

Ministério Público de Olímpia pede demissão de delegado Mário Renato por improbidade

delegado_olimpia_okO Ministério Público de Olímpia pediu a demissão do delegado Mario Renato Depieri, acusado de improbidade administrativa. Durante o período em que esteve à frente da Delegacia, ele liberou mais de 5 pessoas acusadas de tráfico de drogas. Todas tinham sido presas em flagrante pela Polícia Militar. Algumas dessas matérias (que geraram crises com a PM) foram publicadas neste Blog, como a devolução de aparelhos eletrônicos para os detidos.

Mario ainda responde a dois processos criminais, um deles por prevaricação, quando um funcionário público deixa de exercer a função pela qual é determinado. Leia mais…

Polícia Civil prende mais um chefe do tráfico na madrugada com mais de 3 kg de drogas. Veja no filme a droga escondida no tanque

ATUALIZADA COM FOTOS E FILME – A Polícia Civil prendeu na manhã de hoje, quarta-feira (16), um dos líderes do tráfico de drogas em Olímpia, Gilberto da Silva, vulgo ‘Paraná’, 35, e o seu comparsa Flávio Correia Branco, 36, com mais de três quilos de crack e aparentemente pasta-base de cocaína. Os traficantes tinham pago mais de R$ 10 mil por pacote, totalizando um prejuízo de mais de R$ 30 mil.

parana-e-flavio

“É um trabalho de inteligência de vários meses, devemos todo esse resultado para o excelente desempenho de toda a nossa equipe de investigação”, disse o delegado-titular João Brocanello Neto para o Blog. A ocorrência está sendo lavrada pelo delegado César Aparecido Martins, que estava de plantão durante a operação. Leia mais…

Readmissão de agente policial por força de lei repercute favoravelmente na comunidade

O Blog do Concon tem sido um dos maiores propagadores de informações na cidade e microrregião. Prova disso é a imediata repercussão que teve a publicação, exclusiva, da informação de que o agente policial Braga retornou às atividades por força de decisão judicial que o declarou inocente de uma acusação que o afastou por cinco anos e quase três meses de sua atividade.

Até enquanto esta outra reportagem era redigida, 48 comentários, todos elogiosos, de boas vindas e de graças a Deus por essa vitória, foram publicadas em favor do agente da Polícia Civil. Nas mídias sociais, como Twitter e Facebook, a mesma repercussão favorável. Ele mesmo, emocionado, agradeceu por duas vezes no Blog. Para Eduardo Vendramel, hoje bacharel e administrador, a Justiça feita com Braga “é apenas uma das muitas que já foram feitas e de outras que ainda virão no setor público”. Leia mais…

Agente Braga é reintegrado no quadro efetivo da Polícia Civil por decisão de juiz da Fazenda: “Foram anos difíceis, mas Deus nos honrou”

100_1049“Foi um alívio, Deus me honrou muito, hoje é um dia de grande emoção para mim e minha família”, disse o agente policial Carlos Alberto Pereira Braga, 42, ao comentar o decreto da Secretaria de Segurança Pública que o reintegrou, a partir desta quarta (8), novamente ao serviço efetivo da Polícia Civil de Olímpia, após estar demitido por cinco anos e três meses. A defesa foi do advogado Oswaldo Serrano Jr.

Ele havia sido envolvido numa questão de máquinas de caças níqueis em 2003, sendo demitido em 2006, mas é um assunto que quer esquecer: “Se eu sempre fui inocente, se a Vara da Fazenda da Comarca de São Paulo me absolveu, conforme decisão do juiz de sua 9ª Vara, de acordo com o decreto, para quê revirar mais uma vez esse triste e constrangedor passado?, agora é vida nova, graças a Deus”. Leia mais…