Ministro dos Transportes abona ficha do PR de Fernando Cunha

Ontem, quarta-feira (23), em Brasília, o ex-deputado estadual Fernando Cunha e o secretário de Agricultura de Olímpia, vereador licenciado Dirceu Bertoco (PR), estiveram em audiência com o Ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues.

Edsom-Leite

Nesse encontro, foi tratado, entre outros assuntos, a possível liberação de emendas pendentes deste ano para maquinários que serão usados nas estradas rurais e novas emendas para o ano que vem sendo destinadas para a Santa Casa de Olímpia.

Ainda na reunião, o ministro fez questão de abonar a filiação de Fernando Cunha ao PR, pois também é do partido, além de amigo pessoal do mesmo.

Conforme noticiamos em primeira mão, ontem, Cunha filiou-se ao PR para ser, provavelmente, candidato a prefeito nas eleições municipais do ano que vem em Olímpia.

UEUO realiza eleição no sábado com chapa única

A UEUO (União dos Estudantes Universitários de Olímpia) realiza no sábado (27) eleição para a escolha da nova diretoria. Os atuais diretores encerram a gestão no final de 2015.

UEUO

Os estudantes inscritos terão direito a voto, em conformidade com o Estatuto da entidade.

Apenas uma chapa foi registrada (veja abaixo a sua composição).

“Quanto maior a presença do universitário, mais força demonstraremos na reivindicação dos seus direitos”, diz o atual vice-presidente em exercício Paulo César Ferri.

Chapa “Organização e Trabalho em Prol do Universitário”

Presidente: Paulo Cesar Ferri

Vice Presidente: Ana Paula Ferreira Pedro

2ª Vice Presidente: Julia Breda Lopes

1º Secretário: Leonardo Rovatti de Oliveira

2º Secretário: Tarsízio Charaba Victorasso

1ª Tesoureira: Mariana Tomazini

2º Tesoureiro: Kaique Soares Gomes

1º Orador: Marco Aurélio Fiorin Barros Jacob

2ª Oradora: Isabela Mesquita Ferreira

Conselho Fiscal: Luara Elen Farias Martins, Heitor Ferrari Eschiapati e Aline Gabryele Balbo

Hoje é o último dia para candidatos ao Conselho Tutelar de Olímpia

As inscrições dos interessados em participar das eleições para a escolha de conselheiros tutelares foram prorrogadas até esta segunda-feira (11) e podem ser feitas em horário comercial, na sede do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente-CMDCA, situado à Rua Nove de Julho, 1457, centro, onde ficam também a Casa do Artesão e a Central de Cadastro Único.

conselho-tutelar

Recentemente foi editada a Lei 12.696/12, e a Lei municipal nº 3794/2014, que alterou profundamente as regras para a organização dos Conselhos Tutelares. Dentre as mudanças, destacam-se a ampliação dos mandatos dos conselheiros de três para quatro anos, a obrigatoriedade de remuneração, os direitos trabalhistas, e as eleições unificadas em todo território nacional no primeiro domingo de outubro deste ano.

Apesar das eleições ocorrerem em todo Brasil, cada cidade institui suas próprias regras, dependendo das necessidades de cada localidade. No caso de Olímpia, além dos requisitos que constam na Lei Federal, os requisitos próprios são: ter mais de 21 anos, reconhecida idoneidade moral e residir no município, CHN tipo B (carro), ser alfabetizado, ser aprovado em prova escrita e ter experiência mínima de dois anos com criança e/ou adolescente.

Para fazer a inscrição, que é gratuita, são necessários os seguintes documentos: RG, CPF, CNH, título de eleitor, certificado de conclusão do Ensino Médio (antigo segundo grau) ou superior, certidão de quitação junto ao Tribunal Regional Eleitoral, comprovante de residência, três atestados emitidos por órgãos educacionais, religiosos, assistenciais, culturais, esportivos e/ou na área da Saúde de atividades relacionadas à Infância e Juventude, duas fotos 3×4 recentes e apresentação de certidão negativa de distribuição de feitos cíveis e criminais dos últimos cinco anos, expedidas pelas justiças Comum (Fórum – pago) e Federal (internet – grátis), com competência jurisdicional sobre o município de Olímpia. Mais informações pelo telefone 3281-8303.

Pimenta quer candidato do PSDB na eleição local. E quer apoio

A esmagadora vitória de Aécio Neves nas urnas de Olímpia fortaleceu ainda mais o PSDB, que já tinha ganhado força no primeiro turno, com a vitória e reeleição do tucano Geraldo Alckmin para governador.

IMG_3927.JPG

O vice-prefeito Gustavo Pimenta, líder do PSDB em Olímpia, o presidente do diretório local, Márcio André Pimenta, e o vereador Marco Rodrigues, o Marcão do Gazeta, único representante do partido no legislativo olimpiense, acompanharam a apuração juntos, no domingo.

Após o anúncio da vitória de Dilma, Gustavo Pimenta lamentou a derrota de Aécio, mas agradeceu a população de Olímpia pela vitória do senador na cidade. “Respeito a democracia. Acredito no voto livre. Obrigado aos olimpienses que acreditaram em nosso candidato do PSDB, Aécio, e junto com as demais coligações partidárias deram 19.550 votos. Fizemos a nossa parte, trabalhamos e votamos. Agora desejo boa sorte ao Brasil”.

Na sessão da Câmara de terça-feira (segunda foi feriado do servidor municipal), o vereador Marcão do Gazeta usou a tribuna para também agradecer os olimpienses pela expressiva votação em Aécio, e afirmou: “Vamos continuar lutando e já vamos nos preparar para 2018, para combater o candidato Lula, que deve disputar mais uma vez a presidência”.

Marcão do Gazeta ainda lembrou que Olímpia ficou acima da média na votação em relação ao estado. “No Estado de São Paulo o Aécio teve 64,31% dos votos válidos e Dilma teve 35,69%. Aqui a diferença foi maior: 67,70% de Aécio contra 32,30% da candidata do PT”.

Em entrevista ao jornal Gazeta, Gustavo Pimenta voltou a ressaltar a expressiva votação de Aécio em Olímpia. Mas disse que houve um crescimento proporcional na votação do PT em comparação a eleição no primeiro turno. “Acredito que o fato se deve pela divulgação dos investimentos realizados pelo governo federal no município, sendo bem divulgado por eles, faltando, acho, que mais divulgação da administração quanto às realizações do governo do estado (PSDB), por esse motivo acredito que houve essa diferença no crescimento da votação do primeiro para o segundo turno”, observou Pimenta.

No mais, segundo ele, “os olimpienses reconheceram o trabalho de campanha do candidato Aécio, acreditando nas propostas por ele apresentadas”.

Em relação ao futuro do PSDB de Olimpia, Gustavo Pimenta adiantou que na segunda quinzena de novembro estará em reunião com o diretório estadual para acompanhar as diretrizes do partido quanto às eleições municipais. “E por questão de coerência política e compromissos partidários acredito que Olimpia terá um candidato do PSDB nas próximas eleições municipais”, frisou o vice-prefeito.

De acordo com ele, tudo dependerá das articulações futuras na cidade, pois sozinho o PSDB não chegará a lugar algum, e também da chancela do governador Geraldo Alckmin. “A cidade não pode parar por causa de disputas políticas internas, precisamos colocar o interesse coletivo na frente e deixar de lado as vaidades e o interesse pessoal, senão haverá retrocesso na cidade, temos sim que respeitar a vontade do povo agindo no interesse da população, podemos ter posturas politicas diferentes, mas o compromisso moral com a população, esse é intransigível”, finalizou.

Fonte: Gazeta de Olímpia

Eleitores tem dois meses para justificar ausência nas urnas

Os eleitores que não compareceram às urnas no segundo turno das eleições têm 60 dias para justificar a ausência, contados a partir deste domingo, 26. A justificativa poderá ser feita em qualquer cartório eleitoral. No caso de brasileiros que estavam no exterior, o prazo para se justificar de 30 dias, a partir do retorno ao País.

justifica

O Requerimento de Justificativa Eleitoral deve ser apresentado pelos eleitores ao juiz do cartório, que examinará o pedido, acompanhado por documento que comprove por que não foi possível votar. A justificativa também pode ser encaminhada pelos Correios. As justificativas para o primeiro e segundo turnos devem ser enviadas separadamente. Para quem deixou de votar no dia 5, por exemplo, os prazos para procurar a repartição começaram a ser contados naquela data.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alerta que eleitores em débito com as obrigações eleitorais ficam impedidos de participar de concurso público e ser empossados em cargos governamentais. Outro impedimento é obter carteira de identidade ou passaporte, além de empréstimos em bancos oficiais, participar de concorrência pública ou administrativa e renovar matrícula em estabelecimentos de ensino oficial.

A falta de justificativa durante três turnos de pleitos pode levar ao cancelamento do título de eleitor. Eleitores entre 16 e 17 anos e maiores de 70 anos têm o voto facultativo, assim como analfabetos e pessoas com deficiência física ou mental em que a ida às urnas se torne onerosa.

Fonte: Estadao Conteudo

Dilma Rousseff é a primeira mulher reeleita para a Presidência

Mais de 142 milhões de brasileiros decidiram neste domingo (26) que o Brasil será governado entre 2015 e 2018 por Dilma Rousseff (PT), reeleita para um segundo mandato. Aos 98% de apuração, o TSE registra mais de 51 milhões de votos contra pouco mais de 48 milhões de Aécio Neves.

Neste segundo turno, em Olímpia, foram 28.876 votos nominais (95,34%). Brancos, 519 (1,71%) e Nulos 892 votos (2,95%).

REGIÃO DÁ O VOTO PARA AÉCIO

Se dependesse de Olímpia, e das cinco cidades da Comarca – Altair, Cajobi, Embaúba, Guaraci e Severínia – o senador Aécio Neves seria o próximo Presidente da República desde o primeiro turno. Naquele turno, Em Olímpia, obteve 58,27% dos votos válidos; em Altair, 45,53%, Cajobi, 54,68%; Embaúba, 63,27% e, Guaraci, com 46,45%.

A preferência se repetiu na cidade-sede e em toda a comarca. Aécio venceu em Olímpia com 19.550 votos contra 9.326 de Dilma (67,70%). Em Altair, Aécio venceu com 1.176 votos contra 952 de Dilma (55,26%). Em Cajobi, Aécio venceu com 3.885 votos contra 2.073 de Dilma (65,03%). Em Embaúba, Aécio obteve 1.364 votos contra os 512 de Dilma (72,71%). Em Guaraci, Aécio venceu com 3.056 votos contra 2.793 de Dilma (47,75%). Em Severínia, Aécio obteve 6.737 votos contra os 2.787 votos de Dilma (70,74%).

OS CANDIDATOS

A atual presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB) possuem carreiras políticas com trajetórias distintas. Enquanto Dilma iniciou sua vida política no auge da luta contra a ditadura militar, nas décadas de 1960 e 1970, Aécio entrou na política pelas mãos do avô, Tancredo Neves, durante o período final do governo militar, conhecido como redemocratização brasileira.

QUEM É DILMA

IMG_3674.JPG

Nascida em Belo Horizonte em 1947, Dilma atuou em grupos de contestação à Ditadura Militar antes dos 20 anos. Primeiro foi na Polop (Organização Revolucionária Marxista – Política Operária) e, em seguida, na Colina (Comando de Libertação Nacional), que era adepto à luta armada.

Na Ditadura, Dilma adota os codinomes Estela, Patrícia, Luiza e Wanda para se disfarçar. Em 1970, ela é presa e condenada por “subversão” a seis anos de prisão. Passa quase três anos na cadeia, de 1970 a 1972, no presídio Tiradentes, em São Paulo, onde foi torturada.

Após sair da cadeia, Dilma se estabelece em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, onde retoma o curso de economia, interrompido em BH — forma-se pela UFRGS (Universidade Federa do Rio Grande do Sul).

Depois de dois mandatos como presidente, Lula indica Dilma como sua sucessora ao Palácio do Planalto, em 2010.

Em 31 de outubro daquele ano, após disputar e vencer o segundo turno das eleições contra o então candidato do PSDB, José Serra, Dilma Rousseff é eleita a primeira mulher presidente da República com quase 56 milhões de votos após disputar e vencer o segundo turno das eleições contra o então candidato do PSDB, José Serra, Dilma Rousseff é eleita a primeira mulher presidente da República com quase 56 milhões de votos.

Em 1980, ajuda a fundar o PDT e inicia de vez sua carreira pública. Entre 1985 e 1988, exerce o cargo de secretária municipal da Fazenda de Porto Alegre, na gestão de Alceu Collares, seu primeiro cargo público.

Quando Collares assume o governo do Estado, Dilma se torna presidente da Fundação de Economia e Estatística, entre 1991 e 1993, quando deixa o cargo para assumir como secretária de Energia, Minas e Comunicação, até 1994.

Dilma volta ao governo gaúcho após Olívio Dutra (PT) se eleger governador do Estado, em 1998, quando assume a secretaria de Energia, Minas e Comunicação. No cargo, Dilma se destaca pelo diálogo com empresas do setor privado e pela realização de obras emergenciais.

Em 2001, ela sai do PDT e entra para o PT, quando é convidada a participar da elaboração do programa de governo do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva na área energética.

Com a eleição de Lula, Dilma foi convidada a comandar o Ministério de Minas e Energia. No cargo, destacou-se pela defesa de investimentos maciços do governo federal no programa Luz para Todos.

Em 2005, substitui José Dirceu a Casa Civil, após o petista ser atingido pelo escândalo do mensalão. Na Casa Civil, Dilma se torna a principal ministra do governo Lula, coordenando o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e alavancando o Minha Casa Minha Vida.

Em seu mandato como presidente, Dilma se destaca pelo lançamento do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), do programa Mais Médicos e por reforçar o Minha Casa Minha Vida.

Apontada com uma das mulheres mais poderosas do mundo, ela também ganha destaque ao questionar, na sede da ONU (Organização das Nações Unidas), em Nova York, a espionagem norte-americana a autoridades estrangeiras.

QUEM É AÉCIO NEVES

IMG_3842.JPG

Nascido em Belo Horizonte — assim como Dilma, mas em 1960 —, Aécio Neves deu seus primeiros passos na política ao lado do avô, Tancredo Neves (foto), um dos líderes do MDB, partido que abrigou opositores ao regime militar durante a Ditadura. Em 1981, Aécio trabalhou na campanha do avô para o governo de Minas Gerais e, dois anos depois, tornou-se secretário particular de Tancredo no governo do Estado.

Em 1984, formado em economia pela PUC-RJ, Aécio mergulha na campanha das Diretas Já, que pedia voto direto para a Presidência, e ajuda na campanha presidencial do avô, eleito presidente pelo Colégio Eleitoral em 1985.

Após a morte de Tancredo e a posse de José Sarney, Aécio assume uma diretoria da Caixa Econômica Federal, mas fica pouco tempo no cargo. Em 1986, elege-se para a Assembleia Constituinte, que elaborou a atual constituição brasileira.

Em 1990, já no PSDB, Aécio se elege para o segundo mandato como deputado federal. Dois anos depois, perde a eleição para a prefeitura de Belo Horizonte — sua única derrota eleitoral até hoje. Com atuação ativa no Congresso, chega a líder de bancada de seu partido durante o terceiro mandato (1995-1998).

Entre os projetos que contou com sua participação está o que determinou o fim da imunidade parlamentar para crimes comuns.

Em seu quarto mandato como deputado, chega à Presidência da Câmara, ficando no cargo entre fevereiro de 2001 e dezembro de 2002. Em 26 de junho de 2001, o tucano assumiu interinamente à Presidência da República por três dias.

Em 2002, Aécio é eleito governador de Minas Gerais com 60% dos votos válidos no primeiro turno. Adota um modelo de trabalho chamado “Choque de Gestão”, que, com a extinção de cargos de confiança e a diminuição de seu próprio salário, mirava zerar as dívidas do Estado.

Em 2006, é reeleito no primeiro turno com 77% dos votos válidos. Em 2010, consegue eleger seu sucessor, Antonio Anastasia, para o governo do Estado. Também neste ano, Aécio recebe mais de 7,5 milhões de votos e se torna o senador mais votado da história de Minas Gerais.

Após oito anos fora do congresso, Aécio volta a Brasília e assume o cargo de senador com um discurso que expõe os supostos 13 fracassos do governo do PT entre 2002 e 2010.

Durante seu mandato, Aécio levantou bandeiras como a transformação do programa Bolsa Família em uma política de Estado, refinanciamento da dívida dos Estados e municípios com a União e aumento da pena para adultos que corromperem menores, além de incluir a corrupção de menores no rol dos crimes hediondos.

Na legislatura, Aécio criticou por várias vezes as supostas irregularidades na Petrobras, que inclui a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, e contribuiu para a instalação da CPI mista da estatal — com senadores e deputados.

Em maio de 2013, Aécio é eleito presidente nacional do PSDB com 97% dos votos.

Em junho de 2014, convenção partidária do PSDB confirma seu nome para a disputa da Presidência da República. Para o pleito, Aécio tem o apoio de oito partidos políticos: PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PT do B.

Aécio vs. Dilma na propaganda de 2º turno na TV a partir de hoje

A propaganda eleitoral gratuita para os candidatos a presidente da República que disputarão o segundo turno das eleições de 2014 começa às 20h30 de hoje, na televisão. A decisão foi tomada na sessão administrativa do Tribunal Superior Eleitoral atendendo a um pedido conjunto das coligações partidárias dos candidatos à Presidência da República, Dilma Rousseff e Aécio Neves.

urna-eletronica

De acordo com a Lei das Eleições, a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV pode começar a partir de 48 horas após a proclamação dos resultados do primeiro turno. Resolução do  TSE determina que a propaganda gratuita será veiculada em dois períodos diários de 20 minutos, inclusive aos domingos, iniciando-se às 7 e às 12 horas  no rádio, e às 13 e às 20h30 na televisão, horário de Brasília. O tempo da propaganda deve ser dividido igualmente entre os candidatos que disputarão o segundo turno para presidente (dez minutos para cada um).

O horário terá início pela propaganda do candidato que obteve maior votação no primeiro turno, no caso, a candidata Dilma Rousseff, alternando-se essa ordem a cada programa.

A propaganda gratuita no rádio e na TV vai até o dia 24 de outubro, dois dias antes do segundo turno.

No Distrito Federal e nos treze estados onde haverá segundo turno, a propaganda gratuita no rádio e na TV dos candidatos ao governo estadual virá imediatamente após a propaganda eleitoral dos candidatos à Presidência.

Fonte: O Diário de Barretos

Novos lances da assembleia do Resort: oposição tem endereço fantasma e representante com ‘capivara’

Conforme já foi noticiado, foi realizada no ultimo dia 27 setembro a Assembleia Geral do Condomínio Thermas Olímpia Resort para eleição de síndico, subsíndico e novo conselho com a apresentação de duas chapas concorrentes e, em um primeiro momento, descobriu-se que documentos poderiam estar fraudados para que a oposição pudesse vencer a eleição, porém, em um novo lance jurídico, a situação permanece no comando do complexo hoteleiro e, mais ainda, o Diário de Olímpia teve acesso a informações de que a chapa concorrente valeu-se de uma entidade com endereço fantasma, o que configura mais uma ilegalidade apontada pelos atuais dirigentes.

ENTENDA MAIS

No ultimo dia 30, a síndica Sueli Sakamoto enviou notificação à Associação dos Investidores e Proprietários do Resort (AIPThOR) comunicando os motivos pelos quais não daria posse à chapa eleita, tendo em vista que a eficácia dos votos da LM, decisivos para o resultado da Assembleia realizada, está condicionada a decisão judicial definitiva futura, mas, surpresa: no endereço que consta do CNPJ da entidade (veja imagem abaixo) ninguém quis receber a notificação. Justificativa: ali não tem nenhuma AIPThOR.

cnpj

O funcionário da atual administração do Resort teve o cuidado de gravar a conversa com os donos da casa que, insistentemente, alegavam que não poderia receber nenhuma correspondência, ou notificação, simplesmente porque ali era uma residência particular e que nenhuma AIPThOR estaria ali sediada. As informações foram passadas ao Diário a partir de colaboradores com acesso a informações restritas em grupo de discussão. A recusa do documento por ser endereço falso da AIPThor foi gravada.

Essa é uma prática bastante comum para que empresas possam, de forma até fraudulenta, ganhar licitações, contratar com serviço público ou privado, e até mesmo, no caso em tela, concorrer para a direção do principal complexo hoteleiro da cidade. As empresas podem ser identificadas como fantasmas a partir da simples verificação do seu endereço declarado, já que muitos endereços são inexistentes ou se encontram em locais onde, na verdade, existem residências ou outras empresas. Exemplo: AIPThOR.

Esse tipo de comportamento não tem boa fama, afinal, empresas fantasmas (shell company), tão também conhecidas como companhias de fachada ou de portfolio. São empresas legais, as quais se utilizam como cortina de fumaça para mascarar a lavagem de dinheiro. Isto pode ocorrer de múltiplas formas, em geral, a "companhia de fachada" desenvolverá poucas ou nenhuma das atividades que oficialmente deveria realizar, sendo sua principal função aparentar que as desenvolve e que obtém das mesmas o dinheiro que se está lavando. O habitual é que de tal empresa só existam os documentos que dão credibilidade para sua existência e atividades, não tendo presença física nem funcionamento algum mais do que sobre o papel, segundo definição da JusBrasil.

O crime de falsidade ideológica é figura tipificada no artigo 299 do Código Penal Brasileiro, que tem a seguinte redação:

“Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante”.

Esse é um dos primeiros crimes cometidos pelo agente que promove a abertura de empresa fantasma, artifício muito utilizado pelas organizações criminosas. Não é o caso, evidentemente, da AIPThOR, mas o endereço sendo fantasma, a empresa deixa de ser legal e tem algum interesse que induza a erro, avalia a fonte ouvida pelo Diário.

“CAPIVARA” COMPROMETEDORA

Não bastasse a descoberta de que a AIPThOR está em endereço falso, chega ao Diário outra informação preocupante: “Após aliarem-se ao grupo anterior, que deve mais de 2 milhões de condomínio aos investidores, e que está condenada a prestar contas aos mesmos de mais de 40 milhões, contrataram como representante uma pessoa com passagens pela polícia”.

A associação, segundo fontes, tem como representante uma pessoa oriunda da capital, que esteve envolvida em processos de estelionato e crimes de jogos ilícitos (cassinos), chegando a ser até detida. (BOs 5740/2008 e 900009/2012).

Candidatos ‘da terra’ não convenceram o eleitor nas urnas

Os candidatos ‘da terra’, Olímpia, não tiveram bom desempenho nas urnas e ficaram nas últimas posições do ranking geral, exceto na cidade, atrapalhando um pouco a votação dos mais populares.

deputados

Único candidato a deputado federal por Olímpia, sargento Tarcísio (PHS) teve parcos 876 votos, ou 0,01% da votação geral, lá no fundo do ranking: 680ª posição. Mas, em dobradinha com o eleito Coronel Telhada (PSDB) para Estadual, ajudou a alavancar votos para o companheiro militar, que ficou em segundo mais votado do Estado.

Em situação melhor, ambos com porcentual de 0,02% nas urnas, em todo o Estado, os candidatos à uma vaga na Assembleia Legislativa conseguiram mais votos.

João Magalhães (PMDB) obteve, no geral, 3.989 votos, cravando a 454ª posição do ranking, e Pastor Leonardo (PSD), 3.266 votos, ficando mais atrás: 505º lugar do ranking estadual.

Candidatos da região também tiveram bom desempenho. Saiba quais

Onze candidatos de Rio Preto e região tiveram bom desempenho nas eleições 2014. Vários deles foram eleitos para os cargos que disputaram. Com a maior votação entre os candidatos da região, Rodrigo Garcia (DEM) foi o deputado federal melhor colocado, com 336.151 votos, ficando em quinto lugar entre os eleitos. Edinho Araújo também se elegeu com 112.780 votos e garantiu vaga na Câmara dos Deputados.

urna-eletronica

Na Assembleia Legislativa, Rio Preto terá cinco representantes: Vaz de Lima (PSDB), que obteve 113.422 votos; Itamar Borges (PMDB), eleito com 99.558 votos; Sebastião Santos (PRB), com 95.325 votos; Orlando Bolçone (PSB), com 76.909 votos, e João Paulo Rillo (PT), com 72.884 votos.

Fernando Lucas (PRP) é um dos candidatos da região que não conseguiu se eleger, mas obteve boa votação mesmo sem nunca ter ocupado cargo político. Ele conseguiu 118.758 votos na disputa pela vaga ao Senado e ficou em quinto lugar, atrás de figuras já conhecidas do eleitor, como José Serra (PSDB), Eduardo Suplicy (PT), Gilberto Kassab (PSD) e Marlene Campos Machado (PTB).

Na disputa por uma vaga na Câmara dos Deputados também ficaram para trás: coronel Azor Lopes (PRP), que obteve 14.936 votos; Jean Dornelas (PRB), com 12.929 votos; Celi Regina (PT), 6.224 votos; Daniel Caldeira (PSL), que obteve apenas 4.510 votos; e Renan Marino (PRP), com 2.598 votos. O também candidato Manoel Antunes (PDT), não teve o número de votos obtidos divulgado por ainda estar com pendências na Justiça Eleitoral.

Já para a Assembleia Legislativa foram frustradas as candidaturas de Carlão do JC (SD), que teve 6.395 votos; Dalla Pria (PMDB), 5.983 votos; Marcio Larranhaga (PSC), que obteve 3.750 votos, e Pastor Altair (PRP), com apenas 2.346 votos.

Fonte: Diarioweb

Reeleição de Alckmin amplia vantagem na base aliada na futura Assembleia

Para a Assembleia Legislativa de São Paulo, a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB) já no primeiro turno garantiu ampla base ao tucano: os primeiros 32 deputados mais bem votados integram a base se sustentação do governador.

telhada

Já o PT viu a bancada diminuir de 22 para 13 deputados em São Paulo. Entre eles, quatro parlamentares da Região: Teonílio Barba, Ana do Carmo, Luiz Turco e Luiz Fernando.

Fernando Capez, do PSDB, foi o mais bem votado, com 306 mil votos.

Veja abaixo os 94 eleitos:

FERNANDO CAPEZ PSDB 306.807

CORONEL TELHADA PSDB 253.653

ORLANDO MORANDO PSDB 236.991

TRIPOLI PV 232.290

DELEGADO OLIM PP 195.330

BARROS MUNHOZ PSDB 194.930

CAMPOS MACHADO PTB 192.138

FELICIANO PEN 188.681

JORGE WILSON XERIFE CONSUMIDOR PRB 177.395

MAURO BRAGATO PSDB 175.828

EDMIR CHEDID DEM 167.895

CARLOS GIANNAZI PSOL 164.710

PEDRO TOBIAS PSDB 164.160

ANDRÉ DO PRADO PR 157.335

RODRIGO MORAES PSC 153.370

ANALICE FERNANDES PSDB 151.377

LUIZ FERNANDO MACHADO PSDB 148.607

MILTON LEITE FILHO DEM 142.385

HELIO NISHIMOTO PSDB 137.216

ROBERTO MORAIS PPS 133.573

ROGÉRIO NOGUEIRA DEM 132.553

ANDRÉ SOARES DEM 126.810

CARLOS BEZERRA JR PSDB 124.993

CAIO FRANÇA PSB 122.800

REINALDO ALGUZ PV 122.776

ROBERTO ENGLER PSDB 122.541

CAUÊ MACRIS PSDB 121.671

RAFAEL SILVA PDT 121.217

MARIA LÚCIA AMARY PSDB 120.308

VAZ DE LIMA PSDB 113.162

PR CARLOS CEZAR PSB 112.321

ENIO TATTO PT 108.024

GIL LANCASTER DEM 107.691

GIRIBONI PV 105.965

MARCOS NEVES PV 105.748

PASTOR CEZINHA DEM 105.217

CARUSO PMDB 104.273

LUIZ FERNANDO PT 102.860

GILMACI SANTOS PRB 102.077

CELIA LEAO PSDB 101.644

MARTA COSTA PSD 100.843

ITAMAR BORGES PMDB 99.547

ALENCAR SANTANA PT 98.282

CARLÃO PIGNATARI PSDB 97.438

SEBASTIÃO SANTOS PRB 95.323

BARBA PT 95.026

ROBERTO MASSAFERA PSDB 93.254

MILTON VIEIRA PSD 92.849

ALDO DEMARCHI DEM 92.770

RITA PASSOS PSD 92.362

CELINO PSDB 92.341

GONDIM SD 88.609

FERNANDO CURY PPS 85.916

MARCOS MARTINS PT 83.677

WELLINGTON MOURA PRB 83.401

PADRE AFONSO PV 81.753

DAVI ZAIA PPS 80.905

WELSON GASPARINI PSDB 80.550

RAMALHO DA CONSTRUCAO PSDB 79.838

PASTOR CELSO NASCIMENTO PSC 79.412

ESTEVAM GALVÃO DEM 78.760

LUIZ TURCO PT 78.601

BOLÇONE PSB 76.909

MARCOS ZERBINI PSDB 76.773

CELSO GIGLIO PSDB 76.272

CHICO SARDELLI PV 75.674

JOSÉ AMÉRICO PT 74.683

JOÃO PAULO RILLO PT 72.879

ROQUE BARBIERE – ROQUINHO PTB 72.510

ANA DO CARMO PT 72.235

LÉO OLIVEIRA PMDB 72.153

LECI BRANDÃO PC do B 71.017

MARCIA LIA PT 70.931

MARCIO CAMARGO PSC 69.579

JOOJI HATO PMDB 67.068

CORONEL CAMILO PSD 64.339

ED THOMAS PSB 64.150

BETH SAHÃO PT 63.159

ATILA JACOMUSSI PC do B 62.818

ALEXANDRE PEREIRA SD 60.218

GERALDO CRUZ PT 60.075

MARCOS DAMÁSIO PR 59.199

ZICO PRADO PT 58.954

CURIATI PP 55.113

CORONEL EDSON FERRARINI PTB 52.188

CASSIO NAVARRO PMDB 50.077

RAUL MARCELO PSOL 47.923

ADILSON ROSSI PSB 47.243

IGOR SOARES PTN 46.628

RICARDO MADALENA PR 45.769

RAFA ZIMBALDI PP 38.824

PAULO CORREA JR PEN 38.454

GILENO PSL 34.187

CLELIA GOMES PHS 25.275

Fonte: ABCD Maior / Foto Veja

Tucanos elegem mais deputados federais por São Paulo

Além de reeleger o governador Geraldo Alckmin, escolher o também tucano José Serra para senador e dar à Aécio Neves uma votação expressiva, o estado de São Paulo deu ao PSDB o posto de partido com mais representantes do estado na Câmara dos Deputados. Serão 14 legisladores, quatro a mais do que o segundo colocado, o PT, que terá 10.

rodrigo

Curiosamente, os partidos não aparecem entre os três primeiros deputados eleitos com o maior número de votos absolutos. Celso Russomano, do PRB, foi o campeão no estado, com 1.524.361 milhões de votos.

Em segundo ficou Tiririca (PR), com 1.016.796, e, em terceiro, Pastor Feliciano (PSC), com 398.087. Apenas o quarto colocado, Bruno Covas, é do PSDB. Ele teve 352.708. Já o petista mais votado foi o ex-presidente do Corinthians, Andres Sanchez, com 169.834 votos.

Algumas figuras carimbadas da política nacional, por outro lado, não conseguiram se reeleger. Foi o caso do presidente nacional do PPS, Roberto Freire, que teve 62.823 votos.

Já candidatos de outros partidos com menos votos conseguiram se eleger, casos do ex-prefeito de Santos, Beto Mansur com 31.301 votos, e Fausto Pinato, 22.097 votos.

Ambos são do PRB e foram ajudados pela boa votação de Celso Russomano. Isso porque a legislação eleitoral brasileira determina que os votos obtidos pelo candidato entram na soma total do partido para determinar o número de cadeiras a que a legenda terá direito.

No total o PRB terá direito a oito cadeiras. O PR, de Tiririca, ficou com seis, o PSD, com 5, o DEM e o PSB ficaram com quatro cadeiras cada um; o PSC e o PV com três, PMDB, PP, PPS e PTB terão direito a duas cadeiras; e PCdoB, PDT, PSOL, PTN e Solidariedade, com uma. O representante do partido Solidariedade será Paulinho da Força.

Veja abaixo a lista dos deputados federais eleitos em São Paulo por ordem de número de votos:

Celso Russomanno (PRB) 1.524.361 votos
Tiririca (PR) – 1.016.796 votos
Pastor Marco Feliciano (PSC) – 398.087
Bruno Covas (PSDB) – 352.708
Rodrigo Garcia (DEM) – 336.151
Carlos Sampaio (PSDB) – 295.623 votos
Duarte Nogueira (PSDB) – 254.051 votos
Ricardo Trípoli (PSDB) – 233.806 votos
Samuel Moreira (PSDB) – 227.210 votos
Paulinho da Força (SD) – 227.186 votos
Baleia Rossi (PMDB) – 208.352 votos
Eduardo Cury (PSDB) – 185.638 votos
Marcio Alvino (PR) – 179.950 votos
Major Olimpio Gomes (PDT) 179.196 votos
Jorge Tadeu (DEM) – 178.771 votos
Bruna Furlan (PSDB) – 178.606 votos
Luiza Erundina (PSB) – 177.279 votos
Vitor Lippi (PSDB) – 176.153 votos
Silvio Torres (PSDB) – 175.310 votos
Andres Sanchez (PT) – 169.834 votos
Ivan Valente (PSOL) – 168.928 votos
Miguel Haddad (PSDB) – 168.278 votos
Alex Manente (PPS) – 164.760 votos
Jefferson Campos (PSD) – 161.790 votos
Guilherme Mussi (PP) – 156.297 votos
Arnaldo Jardim (PPS) – 155.278 votos
Mara Gabrilli (PSDB) – 155.143 votos
Missionário José Olímpio (PP) – 154.597 votos
Vanderlei Macris (PSDB) – 148.449 votos
Zarattini (PT) – 138.286 votos
Antonio Bulhões (PRB) – 137.939 votos
Arlindo Chinaglia (PT) – 135772 votos
Eli Corrêa Filho (DEM) – 134.138 votos
Roberto Alves (PRB) – 130.516 votos
Ana Perugini (PT) – 121.681 votos
Gilberto Nascimento (PSC) – 120.044 votos
Vicente Cândido (PT) – 117.652 votos
Papa (PSDB) – 117.590 votos
Milton Monti (PR) – 115.942 votos
Floriano Pesaro (PSDB) – 113.949 votos
Ricardo Izar (PSD) – 113.547 votos
Arnaldo Faria de Sá (PTB) – 112.940
Edinho Araújo (PMDB) – 112.780
Nelson Marquezelli (PTB) – 112.711 votos
Paulo Teixeira  (PT) 111.301 votos
Paulo Freire (PR) – 111.300 votos
Alexandre Leite (DEM) – 109.708 votos
Evandro Gussi (PV) – 109.591 votos
Luiz Lauro Filho (PSB) – 105.247 votos
Ota (PSB) – 102.963 votos
Nilto Tatto (PT) – 101.196 votos
Herculano Passos (PSD) – 92.583 votos
Goulart (PSD) – 92.546 votos
Orlando Silva – (PC do B) – 90.641 votos
Flavinho (PSB) – 90.437 votos
Vicentinho (PT) – 89.001 votos
Walter Ihoshi (PSD) – 88.070 votos
Renata Abreu (PTN) – 86.647 votos
Valmir Prascidelli (PT) – 84.419 votos
José Mentor (PT) – 82.368 votos
Eduardo Bolsonaro (PSC) – 82.224 votos
Vinicius Carvalho (PRB) – 80.643 votos
Roberto de Lucena (PV) – 67.191 votos
Dr. Sinval Malheiros (PV) – 59.362  votos
Capitão Augusto (PR) – 46.905 votos
Sergio Reis (PRB) – 45.330 votos
Miguel Lombardi (PR) – 32.080 votos
Beto Mansur (PRB) – 31.301 votos
Marcelo Squasoni (PRB) – 30.315  votos
Fausto Pinato (PRB) – 22.097 votos

Fonte: G1

Aécio vence nas seis cidades da comarca de Olímpia. Confira as listagens oficiais

Se dependesse de Olímpia, e das cinco cidades da Comarca – Altair, Cajobi, Embaúba, Guaraci e Severínia – o senador Aécio Neves seria o próximo Presidente da República.

dilma-aecio

Em Olímpia, obteve 58,27% dos votos válidos; em Altair, 45,53%, Cajobi, 54,68%; Embaúba, 63,27% e, Guaraci, com 46,45%.

Confira abaixo as listagens oficiais da Justiça Eleitoral. Pode clicar para aumentar, em tela cheia, e até imprimir:

OLÍMPIA

ALTAIR

CAJOBI

EMBAÚBA

GUARACI

SEVERÍNIA

Voto a voto em Severínia. Confira as planilhas completas da Justiça Eleitoral

Voto a voto em Severinia, comarca de Olímpia. Confira como foi a votação, através de planilhas oficiais da Justiça Eleitoral.

Eleicoes2014BAN

Você poderá ampliar, página inteira, cada planilha, inclusive imprimir:

GOVERNADOR

SENADOR

DEPUTADOS FEDERAIS

DEPUTADOS ESTADUAIS

Voto a voto em Guaraci. Confira as planilhas completas da Justiça Eleitoral

Voto a voto em Guaraci, comarca de Olímpia. Confira como foi a votação, através de planilhas oficiais da Justiça Eleitoral.

Eleicoes2014

Você poderá ampliar, página inteira, cada planilha, inclusive imprimir:

GOVERNADOR

SENADOR

DEPUTADOS FEDERAIS

DEPUTADOS ESTADUAIS