Esforço errado para manter Niquinha por mais tempo na AFPMO: defesa foi reclamar de negativa do STF no STJ e levou outro ‘não’

O presidente da AFPMO, Antonio Delomodarme (Niquinha, foto) perdeu mais uma vez no STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília, recurso jurídico da ação do servidor Cláudio Henrique Sablewski obrigando a entidade a cumprir decisão de primeira instância, desde 2006, que manda a entidade a realizar eleição livre e democrática entre os seus associados.

Depois de bater na porta do STF (Superior Tribunal de Justiça) e não conseguir o acolhimento a mais um dos inúmeros recursos que vem tentando nos últimos quatro anos, a defesa de Niquinha foi reclamar ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), também de Brasília, mas, em decisão do vice-presidente, ministro Félix Fischer, mais uma vez o esforço jurídico ‘pró-Niquinha’ está errado e, de novo, a ordem continua sendo a de realizar eleições imediatamente na AFPMO. Leia mais…

STJ derruba mais um recurso de Niquinha. Após 8 anos, AFPMO poderá ter eleição

niquentovereadorO presidente da AFPMO, Antonio Delomodarme (Niquinha) perdeu pela segunda vez no STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília, mais um recurso jurídico da ação do servidor Cláudio Henrique Sablewski obrigando a entidade a cumprir decisão de primeira instância, desde 2006, realizando eleições.

Mais uma vez, a ministra relatora da 3ª turma do STJ, Nancy Andrighi, negou provimento ao agravo regimental impetrado pelo advogado Márcio Eugênio Diniz, da AFPMO. Com isso, vão se esgotando os recursos e, assim, a AFPMO poderá realizar, finalmente, eleições democráticas. Leia mais…

AFPMO poderá ter eleição em breve. STJ nega agravo que deverá ser publicado amanhã

stjniquinhaDepois de oito anos no poder, Antonio Delomodarme poderá, ordenado pela Justiça, a marcar uma comissão para que, finalmente, volte a imperar a democracia na Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Olímpia (AFPMO), elegendo nova diretoria, talvez ainda neste mês de maio.

É que os sucessivos instrumentos jurídicos contra a ação do servidor Cláudio Henrique Sablewski, denunciando possíveis manobras estatutárias para que a atual diretoria permaneça no poder da entidade, já estão se esgotando ou, se imperar o bom-senso, já se esgotou com mais uma negativa de Agravo de Instrumento, desta vez no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, devendo a sentença da ministra relatora Nancy Andrighi, da 3ª Turma, ser publicada nesta segunda-feira (2). Leia mais…

Niquinha dispara acusações contra prefeito na Tribuna Livre e líder rebate: "Mal informado ou mentiroso. A ‘capivara’ dele não é referência de credibilidade"

Niquinha1O presidente da AFPMO (Associação dos Servidores Públicos Municipais) Antonio Delomodarme, ex-vereador, ocupou a Tribuna Livre por dez minutos na sessão ordinária de hoje e, no mesmo estilo praticamente desenfreado e ainda acreditando que ainda tenha imunidade parlamentar de seus discursos outrora inflamados na tribuna legislativa, salatatribunadeitou falação contra o prefeito Geninho Zuliani (DEM) e até disse que ele teria chamado “1/3 dos servidores de vagabundos”, e que “usou o dinheiro do Instituto de Previdência para comprar um imóvel por R$ 350 mil” e, finalmente, que estaria “movimentando o dinheiro do Instituto em negociações bancárias”.

Em resposta, o líder do governo Luiz Salata (PP), além de rebater as acusações como ‘mentirosas’, disse que “a biografia do presidente da Associação não é referência para afrontar prefeito, vereadores ou quaisquer pessoas, e que possui uma capivara (ficha criminal) que vai daqui até o Córrego Olhos D’Água, por isso ele não é referência para ofender ninguém”. Leia e ouça mais…

TJ derrota mais uma pretensão de Niquinha de ser perpetuar no poder da AFPMO

niquentovereador* A caminhada em busca de instrumentos jurídicos para que o atual presidente da Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Olímpia (AFPMO), Antonio Delomodarme, vulgo Niquinha, se perpetue no poder, está chegando ao fim. Há três anos e meio a AFPMO vem sendo comandada por medidas judiciais, agora encolhidas.

No último dia 30, foi exarado despacho do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) negando seguimento ao Recurso Especial, contra ação movida pelo servidor municipal Claudio Henrique Sablewski, através do advogado Oswaldo Serrano Jr. Leia mais…

Deve e não paga: ex-funcionária da Farmácia da AFPMO consegue ação favorável no TRT

* O Diário da Justiça de São Paulo, na página do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), da 15ª Região, publicou sentença da juíza titular Silnei Garrido Lage, da Vara do Trabalho de Olímpia, favorável a Alessandra Bueno, ex-funcionária da extinta farmácia da Associação dos Funcionários Públicos Municipais (AFPMO), cujo presidente ainda é o servidor Antonio Delomodarme, Niquinha.

A sentença foi publicada anteontem, segunda (23), com prazo de cinco dias para a AFPMO opor embargos à execução da dívida ainda não paga àquela ex-funcionária. A juíza fundamenta que, em caso de silêncio, Alessandra poderá impugnar a sentença de liquidação e depósito. Leia a sentença…

AFPMO derrotada no TJ: não houve ilícito cometido pelo prefeito

* A pretensão do presidente Antonio Delomodarme, da AFPMO (Associação dos Funcionários Públicos Municipais de Olímpia) em enquadrar o prefeito Geninho Zuliani (DEM) no crime de ‘apropriação indébita’ em face de atraso ocorrido no ano passado de recursos repassados à entidade não vingou.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ), na última quinta (10), arquivou o processo durante julgamento realizado na capital paulista, decidindo pela improcedência da pretensão da entidade, imputando crime de improbidade administrativa ao prefeito. Os juízes foram Ribeiro dos Santos e Amado de Faria, da 15ª Câmara de Direito Criminal.

AOS AMIGOS E COLABORADORES, CUIDADO COM CORRESPONDÊNCIA DA AFPMO

Durante esta terça-feira (27), fui surpreendido com a informação de que, por ordem do presidente, mantido por liminares, da AFPMO (Associação dos Funcionários da Prefeitura), colaboradores do Blog estão recebendo ‘notificações judiciais por mototaxistas’ cujo teor investiga a relação comercial deles com o Blog do Concon.

E que está se espalhando que, como ex-servidor da Prefeitura, ‘devo e não pago’ determinada quantia àquela entidade. Vamos aos fatos:

1. DA DÍVIDA – Devo, sim, porém não a quantia que querem cobrar. Criminosamente, foi-me subtraído (para não escrever o termo correto) o acerto de quando trabalhava na Prefeitura com a ‘desculpa’ de amortizar a dívida. O vereador José Elias Morais, Zé das Pedras, é testemunha do fato, uma vez que, sem dinheiro sequer para voltar para casa, no final do ano, foi me buscar na esquina dos Correios. Agora, a conta judicial vem acrescida dos mil reais que foram tomados de mim de forma criminosa, e que estou, no momento, juntando os documentos de minha rescisão para fazer busca no banco para qual conta foi parar aquele dinheiro. Daí, promoveram penhora de bens e está lá uma TV para ser entregue. Posteriormente, o advogado Márcio Diniz, amigo que muito prezo, tentou fazer o acordo descontando os mil reais que foram subtraídos (como eu quero escrever a palavra correta!!!) naquela rescisão, mas é claro que não aceitei: a TV está lá, é deles. Dever, eu devo. Só vou pagar o que realmente devo e não a mais, entendeu? Ah… e nem sempre  bom falar em dívidas, quando se tem o rabo preso com contas, essas sim, altamente questionáveis.

2. DA PERSEGUIÇÃO – Desde quando ainda trabalhava em rádio e jornal, o presidente da tal entidade, que está lá mantido por força de medidas e liminares, tamanho é o seu amor pela entidade, sempre metido em confusões (haja vista a sentença magnífica de seu condenamento em primeira instância noticiada dias atrás neste blog, onde a juíza com todas as letras o classifica como ‘sem freios morais e sociais, acostumado a desonrar pessoas’, além de agredí-las com taco de basebol, vive sempre nas manchetes e eu, como bom profissional há 30 anos, tenha ou não diploma, porque hoje não é preciso, e nem foi preciso em outubro de 1980 quando meti na cadeia os malandros do DETRAN paulista que vendiam CNH, tenho o dever de expor. Daí, a sua perseguição e recente agressão, inclusive por parte de sua filha, devidamente flagrada pela PM e conduzida para a delegacia. Desta e de outras agressões, movo três processos para, quem sabe, a juíza confirmar o que já fundamentou anteriormente e desta vez a pena vir como realmente ele merece.

3. DO BLOG – Ledo engano, senhores. O Blog apenas leva o meu nome. É nome fantasia de outra pessoa, de confiança, que registrou o site em outro nome. Há um contrato de comodado para o uso do site e do nome, uma vez que, dentro de alguns dias, não mais será Blog do Concon e sim DIÁRIO DE OLÍMPIA.COM, uma empresa da qual apenas farei parte como colaborador, nada mais.

Daí, essas correspondências são nulas. Não atingem Antonio Leonardo Concon. Devem processar a pessoa que detém o site, mas que não comprou nenhuma agulha na AFPMO.  Todos sabem que não há ganho comercial. Em sua maioria, 90%, há apenas cortesias mútuas, algumas permutas.

Profissionalmente, dentro em breve, apenas integrar o novo DIÁRIO DE OLÍMPIA.COM que virá. Conheço tão bem os personagens e o dia a dia de Olímpia que não preciso estar aí, de corpo presente. No mundo virtual, onde a informação flui mais rápido, é onde vou ficar e trabalhar.

OBRIGADO A TODOS PELA COMPREENSÃO. NÃO ACEITEM CARTINHAS DE MOTOQUEIROS. ALÉM DO MAIS, O SITE NADA TEM A VER COM A PENDENGA NA AFPMO.

Abraços a todos.

Ao Dr. Márcio Diniz, advogado da AFPMO. Amigo, sei que advogados não escolhem clientes. Clientes escolhem advogados. O senhor faz  o seu papel. Aprendi com o advogado do casal Nardoni, que foi vítima de ataques da população enfurecida, que o advogado não defende o crime, apenas tenta amenizar a pena do bandido. Não é o seu caso. O senhor é competente, sabe o que faz. Me perdoe por alguma indelicadeza, mas não aguento mais ser perseguido por gente que não tem ‘freio moral e nem social’. Mas, um dia, a Justiça será feita. Aqui e Lá.