Prefeito de Barretos, sem condições de mantê-la, quer desistir da UPA

Publicado em 05 de novembro de 2014 às 11h32
Atualizado em 05 de novembro de 2014 às 11h33

O prefeito de Barretos, Guilherme Ávila (PSDB), anuncia nesta quarta-feira, 5, a decisão de desistir de inaugurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), com prédio pronto desde junho 2012, e sugerir devolução parcelada de R$ 2 milhões liberados pelo governo federal para a construção.

upa-barretos

Ele alega não ter condições de manter o custo mensal de R$ 700 mil, necessários para funcionamento do serviço, diz o secretário municipal de saúde, Alexander Stafy Franco. "O município de Barretos não tem recursos suficientes para continuar gerindo as despesas da Santa Casa e ainda sustentar com mais de R$ 700 mil mensais uma UPA”, diz Franco, que é também o interventor da Santa Casa.

O secretário também alega que atual administração tem R$ 450 milhões em dívidas, o que obriga racionalizar os gastos para o pagamento deste passivo. O início da construção da UPA ocorreu em 2011, durante o governo do ex-prefeito Emanuel Mariano Carvalho (PTB). Com a infraestrutura pronta, em junho de 2012, cabia à atual administração comprar mobiliário e equipamentos médicos.

De acordo com assessoria da prefeitura, esse ano foi aberta licitação pública para compra de equipamentos e mobiliário, mas o processo foi cancelado porque nenhuma empresa se cadastrou. Caso o Ministério da Saúde aceite a devolução parcelada da verba, a Prefeitura de Barretos pretende utilizar o prédio para instalação de três ambulatórios de saúde, o da Saúde da Mulher, do Diabético e do Idoso.

O Ministério da Saúde informou ao Diário que a Prefeitura de Barretos desde o ano passado estava obrigada a devolver a verba usada para construção do prédio porque estourou o prazo de inauguração da UPA. “O Ministério da Saúde arca com 50% do custeio do atendimento e prefeitura e governo estadual, em comum acordo, assumem 25% cada um da obrigação financeira, portanto ela é viável financeiramente”, explica o ministério, via assessoria.

Fonte: Diarioweb

Assunto(s): ,

Leia também:

Faça um comentário