Nível de sangue está baixo e Hemoterapia requisita doadores

Publicado em 03 de dezembro de 2014 às 11h39
Atualizado em 03 de dezembro de 2014 às 11h43

A Unidade de Hemoterapia de Olímpia comunica que seus estoques andam abaixo do necessário, e convoca a população para que façam doação de sangue.

IMG_6543.JPG

Todos os procedimentos médicos que demandam transfusão de sangue precisam dispor de um fornecimento regular e seguro deste elemento. Daí a importância de se manter sempre abastecido os bancos de sangue por meio das doações, que não engrossam nem afinam o sangue do doador. Doar sangue é um procedimento simples, rápido, sigiloso e seguro.

Para o doador em geral não há riscos, e uma única doação pode salvar até quatro vidas.

A falta do estoque de sangue em um hospital pode levar ao cancelamento de cirurgias e de procedimentos. Um exemplo é o paciente que faz quimioterapia, já que, caso não receba o suporte de transfusão, poderá não resistir ao tratamento.

Além disso, pode ser um enorme prejuízo ao paciente o adiamento de cirurgias cardíacas, de transplantes de rim, de fígado, de medula óssea, entre outros procedimentos que necessitam de sangue e de plaquetas.

Uma pessoa adulta possui em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml, ou seja, é menos de 10% de todo seu sangue.

Quem deseja doar sangue vai passar por uma avaliação prévia em ambulatório que tem o objetivo de detectar alguns impedimentos, como doenças, para a doação. Essa entrevista é particular e os dados são mantidos sob total sigilo.

Para melhorar a segurança de doadores e receptores, e auxiliar no aumento dos estoques, foi publicada no Diário Oficial da União, a Portaria 1.353, que estabelece o novo Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos, com novos critérios para a doação de sangue no Brasil.

A nova legislação estabelece diretrizes voltadas ao aumento da segurança para quem doa e recebe sangue no país e amplia a faixa etária para candidatos à doação. A partir da nova legislação, jovens entre 16 e 17 anos (mediante autorização dos pais ou responsáveis) e idosos com até 68 anos também poderão doar sangue no Brasil.

Além disso, o doador precisa pesar mais de 50 quilos, estar descansado, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas quatro horas, não ter recebido transfusão de sangue nos últimos 12 meses, não estar com febre, gripe ou resfriado e, se mulher, não estar grávida, amamentando ou ter tido parto normal ou aborto há menos de três meses. Em caso de cesárea, seis meses.

Assunto(s):

Leia também:

1 comentário

  1. Gabriela disse:

    Poderia Fazer horario especial
    Pois pra quem trabalha é mais dificil.

Faça um comentário