Movimento contra PL que incorpora atividades de terceiros aos médicos

Publicado em 21 de novembro de 2009 às 19h21
Atualizado em 23 de novembro de 2009 às 1h26

Nessa onda de extinguir obrigatoriedade de curso superior ou até de mexer em profissões consagradas, mais uma dessas tem tirado o sono de quem lida com saúde pública.

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o Ministério da Saúde, através de Maria Helena Machado, junto com a minoria de lideranças médicas, lograram aprovar o Projeto de lei nº 268/2002 no Senado e o substitutivo ao Projeto de lei nº 7.703/2006 na Câmara dos Deputados, dando a 340 mil médicos a exclusividade de exercer atos privativos de 3 milhões de profissionais da saúde, tais como biomédicos, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, profissionais da educação física, psicólogos, técnicos em radiologia e terapeutas ocupacionais.



Estudantes de Olímpia e da região dessas áreas atingidas estão descontentes e irão engrossar uma Caminhada Cívica que será realizada no Parque Ibirapuera em data a ser acordada entre os Conselhos da Saúde. Deveria acontecer na próxima quinta-feira (26), porém devido ao local escolhido pelo movimento, nas proximidades de hospitais, a data teve de ser remanejada por questões de tráfego, segurança e, claro, comodidade de quem está doente ou visita um deles.

Cássia Pedroso

Cássia Pedroso

A minha amiga Cássia Pedroso, que está no Twitter @cah_pedroso, que faz Fisioterapia na UNIFEV de Votuporanga, já confirmou sua presença. Quem quiser participar devem entrar no site Ato Médico e enviar carta aos senadores, solicitando para que não aprovem o PL nº 7.703/2006.

Os organizadores também incentivam os profissionais das demais cidades do Estado para que organizem manifestações pacíficas contra a aprovação do PL nº 7.703/2006. Olhaí, Cah… é uma boa idéia.

Assunto(s): , ,

Leia também:

Faça um comentário