Primeiro mosteiro da região tem vaga para 28 mulheres vocacionadas para a fé e ajuda

Publicado em 27 de dezembro de 2011 às 8h59
Atualizado em 27 de dezembro de 2011 às 8h59

O primeiro mosteiro do Noroeste paulista foi instalado em Jaci, nas dependências do lar São Francisco de Assis. Batizado como Mãe da Misericórdia, abriga sete irmãs Clarissas, cuja ordem é dedicada à oração e a ajudar o próximo.

A casa tem 28 vagas abertas para mulheres vocacionadas, e para fazer parte dessa comunidade religiosa é necessário, além da vocação, abrir mão da família, posses, bens materiais e trabalho. Tudo em nome da fé.

As freiras vivem enclausuradas e só podem sair da área do mosteiro com autorização do bispo da diocese de Rio Preto, dom Paulo Mendes Peixoto. A exceção fica por conta de consultas médicas. Nunca visitam os parentes. Só reencontram pais, irmãos e tios quando são procuradas por eles. Mas ninguém reclama. Até por ser uma escolha.

O principal contato com o mundo exterior é o telefone. Nada de televisão, rádio ou internet. Engana-se, porém, quem pensa que as ligações são liberadas. Só estão autorizadas a falar com a família uma vez por mês. Sem contar as emergências. Vivem sem luxo. Cada freira tem um quarto mobiliado por cama, cômoda, crucifixo e mesinha. Nenhum objeto pessoal mundano.

Na casa, são resguardadas por grades e cumprem rotina puxada de oração, estudo e atendimento à população, que prevê orientação religiosa, conversa e aconselhamento. Às 4h30, já estão em pé. Param às 19h30. Dedicam 7 a 8 horas diárias para rezar. “A nossa vida é tão simples que às vezes assusta. Temos que renunciar a tudo pelo voto que fizemos à Igreja. Mas, ao mesmo tempo, ganhamos tudo com essa atitude. Vale muito a pena”, afirma a irmã Maria Vitoria do Santíssimo Nome de Jesus. Ela é a líder do mosteiro, que ainda é subordinado à diocese de Aparecida.

Será autônomo quando abrigar seis irmãs professas, que se prepararam nove anos e fizeram votos definitivos. Há três nessa situação. “Deve levar cinco anos para alcançarmos a autonomia.” As irmãs que fazem parte do mosteiro de Jaci são de todas as regiões do Brasil, menos do Noroeste paulista. Têm idades entre 22 e 43 anos e vão sobreviver a partir da doação da população.

Vieram do mosteiro de Guaratinguetá, que estourou sua capacidade de abrigamento – 21 irmãs. Quando isso acontece, começa-se um novo. “Há três anos, nos preparamos espiritualmente para a mudança.” Além do apoio do bispo, para instalar a casa religiosa é necessário que a diocese tenha ordem dos frades menores (franciscanos). “São nossos auxiliares.”

O mosteiro da região tem capacidade para abrigar até 35 freiras. A casa é provisória, apesar de contar com 15 cômodos. Em breve, outra será construída no mesmo terreno. A principal atividade é a oração. Em parte do dia, as freiras produzem artesanato, velas, cartões, terços e paramentos usados nas celebrações eucarísticas.

“Sentia falta de vida contemplativa na diocese. Uma vida de oração. É fundamental a presença dessas irmãs. É de grande valor para a nossa caminhada”, afirma o bispo, dom Paulo. Frei Francisco, que comanda o Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus e abrigou as freiras, acrescenta que o mosteiro é referência de fé para a população. “Necessitamos de uma vida espiritual mais extensa.

A freira Maria Vitória não esconde a saudade da família. “Muita mesmo, mas já me acostumei. Iniciei a vida na Ordem com o propósito da doação. E é o que estou fazendo”, afirma. As irmãs Clarissas estão em 20 mosteiros no Brasil. A ordem foi fundada por Santa Clara, que nasceu em Assis, Itália, em 1194, em família nobre. Ela se influenciou pelas palavras de São Francisco, seu contemporâneo, e decidiu viver a experiência da pobreza, simplicidade e amor. Dedicou o seu tempo à oração e aos mais pobres. Criou uma congregação feminina porque a de São Francisco era essencialmente masculina e abrigava frades menores.

Interessada deve ser solteira ou viúva

As mulheres interessadas em seguir a vida religiosa na ordem das irmãs Clarissas poderão se preparar no mosteiro Mãe da Misericórdia, de Jaci. Para participar, é necessário ser solteira ou viúva. Quem é divorciada não pode. Não há limite de idade, mas a saúde deve ser boa. O processo de formação da freira começa com acompanhamento vocacional. Nessa fase, que dura um ano, não é necessário morar na casa. O acompanhamento pode ser feito pessoalmente, por carta ou telefone. É um período de experiência.

Se a mulher perceber que realmente quer seguir a vida religiosa, inicia-se a fase chamada postulado, com duração de dois anos. A partir daí, já muda para o mosteiro. Depois, passa igual período de noviciado. Por fim, mais quatro anos de juniorato. São nove anos de formação. Quando essa marca é atingida, a freira faz votos definitivos e é considerada professa. Deixa o nome de batismo para trás e escolhe um novo, geralmente que mencione Jesus Cristo ou Maria.

O mosteiro Mãe da Misericórdia, de Jaci, começou a desempenhar as suas funções com duas freiras noviças, uma postulante, uma juniorista e três professas. A casa fica no quilômetro 3 da rodovia vicinal João Joaquim Telles Filho, zona rural de Jaci. O atendimento ao público é feito de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h e das 14h às 17h. O telefone para pedir oração ou ajuda é o (17) 9172-7814. (Diarioweb)

Clarissas

***


* Fique à vontade para dar a sua opinião, mas atenção: se ele não aparecer no mesmo dia é porque, com certeza, você não leu a nossa política de comentários. No momento, está sob moderação.

Assunto(s):

Leia também:

6 comentários

  1. Hilda Sarmento disse:

    TENHO 62 ANOS DE VIDA,SOU VIÚVA,MINHA FAMÍLIA JÁ TODOS ADULTOS,SINTO UMA FORTE CHAMADA PARA O RECOLHIMENTO,TERIA UMA CHANCE DE MORAR NO MOSTEIRO E ME PREPARAR PARA A VIDA ESPIRITUAL?OBRIGADA.

    • Denise Aparecida Silveira disse:

      por favor pode uma mulher divorciada há 18 anos ..ser ainda freira ..preciso me encontra pois assim ..vou saber ..que Jesus e maria me pede com muito respeito sinto sede de muito doar e servir . grande deus olha por mim minhas ..preces chegue até vós pois bem sabeis que este dom vem desde pequenina …tenho ..visto grandes prodígios dos quais poucos entendem .Jesus e maria me pediu aqui e na Canção nova ..vamos ver a resposta aguardo ansiosa .Deus os abençoe ..adoro ficar com Jesus que ilumina no sacrário .Que tem ser divorciada se nem sabia que estava me casando ..este mosteiro há muita paz .

  2. Denise Aparecida Silveira disse:

    por favor pode uma mulher divorciada há 18 anos ..ser ainda freira ..preciso me encontra pois assim ..vou saber ..que Jesus e maria me pede com muito respeito sinto sede de muito doar e servir . grande deus olha por mim minhas ..preces chegue até vós pois bem sabeis que este dom vem desde pequenina …tenho ..visto grandes prodígios dos quais poucos entendem .Jesus e maria me pediu aqui e na Canção nova ..vamos ver a resposta aguardo ansiosa .Deus os abençoe ..adoro ficar com Jesus que ilumina no sacrário .

  3. Denise Aparecida Silveira disse:

    tenho 48 anos de idade

  4. Rosilene disse:

    Sou mãe tenho 40 anos mas não me casei estou querendo ir para o convento quero mudança pra minha vida estou meio perdida e nesse momento mais do que nunca sei que quero servir ao meu Deus.Fazer alguma coisa de boa nessa minha vida que se encontra hoje inútil

  5. quero ser freira tenho 52 anos sou independente, e procuro ter uma vida dedicada a deus, sou divorciada a mais de vinte anos, tenho duas faculdades, uma especialização, em direito e administração de empresas.
    preciso de ajuda eu quero ser uma irmã preciso de Deus, estou infeliz no mundo dos homens.

Faça um comentário