Cacá Secchieri se defende de Olga Paro e rebate: “Você não tem caráter, não tem dignidade”

Publicado em 02 de abril de 2015 às 13h27
Atualizado em 02 de abril de 2015 às 13h45

“Você é uma vereadora sem caráter, sem dignidade, uma loba em pele de cordeiro. Todos dizem que você se vendeu para o lado do prefeito e, pior, as empresas de seu marido se utilizam do patrimônio público e, uma delas, ainda oferece risco para o meio ambiente e até para as crianças de uma escola próxima”. Essas foram as palavras do vereador Carlos Alberto Secchieri Júnior, o Cacá, de Severínia, na sessão ordinária realizada ontem à noite, quarta-feira (1º), endereçadas à vereadora Olga Silvia Sanchez Costa Paro que, recentemente, além de levantar dúvidas de conduta de Cacá como ex-presidente anterior, protocolou denúncias no Ministério Público da Comarca de Olímpia.

SAM_0021

Em resposta ao ataque da vereadora, que já foi oposição e hoje é situação (e Cacá que foi situação e hoje é oposição), Cacá endereçou ontem dois requerimentos ao prefeito Edwanil de Oliveira (Nil), questionando ações das empresas do marido de Olga Paro que, no entendimento dele, “são uma vergonha, uma afronta ao patrimônio público”: um deles, indagando a razão pela qual essa empresa se utiliza da caixa d’água municipal, onde está instalado um poço artesiano público, para a manutenção de antenas de radiocomunicação e de satélite para monitoramento de veículos, tempo e informações acerca da cultura da cana-de-açúcar, “uma vez que se trata de local público e que vem sendo utilizado pelo marido da nobre vereadora para interesses particulares, obtendo enriquecimento ilícito, ou seja, incorrendo em crime de improbidade administrativa”.

SAM_0020

O outro requerimento protocolado ao prefeito Nil, Cacá questiona a razão pela qual uma lei municipal não vem sendo cumprida, fazendo vistas grossas, à proximidade de uma empresa, também do marido da vereadora Olga Paro, que manipula combustíveis, uma vez que está a menos de 50 metros da escola Esmeralda Duarte da Silva, “e que este vereador vem sendo cobrado pela população, especialmente vizinhos, pais de alunos e professores”.

“Primeiro, vou perguntar ao prefeito para, dependendo da resposta, depois denunciar ao Ministério Público”, disse Cacá, na tribuna legislativa, acrescentando: “Se o uso da caixa d’água fosse cobrado, como ocorre em relação às radiobases de telefonia celular, o município poderia estar recebendo recursos significativos, somente nesses dois anos do mandato da vereadora resultaria em um montante de R$ 330 mil, uma vergonha isso, por que a senhora não pega esse dinheiro e compra cestas básicas e medicamentos para as famílias pobres ao invés de estar enriquecendo a sua família com esse uso indevido?”

HISTÓRIA POLÍTICA CORRETA E LIMPA

Em relação às contas de sua gestão como ex-presidente da Casa, que antecedeu à atual de Denis Correia Moreira (Denão), Cacá disse que está “tranquilo, porque sei que nenhum ilícito cometi, a minha família é tradicional, respeitada, possui credibilidade e é de políticos, nenhum foi condenado, nenhum cometeu improbidades administrativas”.

“Denúncia qualquer um pode fazer, quero ver provar, mesmo porque não há o que condenar em minhas contas de presidente”, garantiu o ex-presidente. “Seria o mesmo que acusasse a vereadora de trair o seu marido, teria de provar”, exemplificou.

Porém, Cacá diz saber a razão dos ataques repentinos da ex-vereadora: “Tudo isso é para tentar denegrir a minha imagem e de meu irmão, atual vice-prefeito, da minha família que possui história em Severínia, que por si só se mostra correta, sempre ocupamos cargos públicos, nunca fomos condenados em nenhum processo em toda a história da cidade. Meus avôs Gustavinho de Almeida, por duas vezes, e Amélio Secchieri, foram prefeitos, e nunca tiveram qualquer tipo de condenação. Meu pai também foi prefeito, mas quis o destino que ele viesse a falecer com 10 meses de governo, e mesmo assim teve o nome limpo perante a política severinense; minha avó Elvira Secchieri também foi presidente desta Casa de Leis, sendo ela quem iniciou a construção desta Casa de Leis, sendo posteriormente concluída pelo então presidente Betinho Dentista, que resolveu homenagear o meu saudoso pai nesta Casa, por sua conduta limpa, denominando-a Carlos Alberto Secchieri, tudo isso com a atitude do então prefeito Camacho”.

Cacá relembrou, também, “que a minha avó também chegou a sofrer acusações, posteriormente ao seu mandato, mas provou na Justiça a sua inocência”.

“VOCÊ SE VENDEU, VEREADORA”

“Agora, vereadora Olga, o que falar de você? Você sempre disse que aqui era uma vereadora de oposição e, como todos comentam aqui na cidade, estava sofrendo perseguições políticas por causa das empresas de seu marido, inclusive em uma reunião na casa do irmão do presidente Denis, com mais de 10 pessoas você quase chegou a chorar por causa disso”, prosseguiu Cacá Secchieri, na tribuna legislativa, em seu raciocínio de defesa.

Cacá foi enfático: “Agora, de repente, do nada, você passa a defender com todas as suas forças a situação, o prefeito Nil, não que isso não esteja em seu direito, assim como os vereadores que fizeram campanha com ele e se elegeram, continuando com ele, mas sim pelo fato que o comentário na população é que você se vendeu, se vendeu, vereadora”.

Daí, o vereador não mediu palavras: “A senhora não tem caráter, não tem dignidade, sem contar que se utiliza do patrimônio público para enriquecimento familiar. Uma vergonha. Mas, para isso há justiça, seja Divina, seja dos homens”.

Assunto(s): ,

Leia também:

1 comentário

  1. paulo disse:

    É o que sempre falo, os vereadores como a Olga esta amarrada no prefeito porque o seu marido possui antena de radio amador ou coisa assim a serviço de sua empresa. Possui tambem deposito de combustivel de sua empresa a cerca de 50 metros da escola Esmeralda. Ora se o prefeito não toma as devidas providencias e os vereadores também , um não pode falar do outro. Só que se houver algum tipo de acidente como explosão por exemplo os mesmos poderão ser cobrados na justiça se é que existe justiça porque hoje até Jesus duvida da justiça humana. Realmente a Olga virou a casaca, pessoa que de cordeira virou uma loba mas tudo por interesses particulares do seu marido José Renato.Dos terrenos da prefeitura que são usados para depósitos de materiais de construções de pessoas particulares inclusive da mulher do prefeito todos os vereadores se calaram até o momento. Todos os vereadores tem o rabo preso com o prefeito . Em todo o caso vamos esperar para ver os próximos acontecimentos mas desde ja digo que vai virar em pizza como sempre né….

Faça um comentário