Mãe ajuda filho adolescente e dois comparsas menores a roubarem casa em Severínia

Publicado em 16 de fevereiro de 2015 às 11h34
Atualizado em 16 de fevereiro de 2015 às 11h44

Três adolescentes, dois de 16 e um de 14 anos de idade, assaltaram e roubaram uma residência em Severínia com auxílio da mãe de um deles que, a pretexto de usar o banheiro, adentrou à casa, ameaçou a vítima, telefonou para o filho, que veio com dois comparsas, levendo objetos e celular da vítima Mauro José da Costa, 45 anos.

menores-infratores

A ocorrência, registrada pelos policiais militares cabo Souza Costa e soldado Vinicius, ocorreu na residência de Mauro José, no centro de Severínia, por volta das 22h.

A vítima relatou aos PMs que Miriam de Souza Silva, 35, pediu para Mauro para usar o banheiro de sua casa, e como a conhece concordou, porém, dentro da casa, exigiu dinheiro, caso contrário chamaria o seu filho. Ato contínuo, ela telefonou ao filho T.H.S., 16, que chegou à casa arrombando a porta, pegou um canivete e colocou no pescoço da vítima. Os amigos M.V.L.S., 14, ajudou a segurar a vítima na cama, e W.O.C., 16, ficou na porta.

Assim, Miriam, o filho e dois pequenos ladrões, roubaram diversos objetos da casa, sendo um botijão de gás, um celular de cor preta LG, um televisor cor preta Phillips, um DVD cor preta Britânia, um ventilador cor branca Master e um canivete de lâmina de sete centímetros, usado no assalto.

OBJETOS

Os PMs foram até à casa de Míriam, encontrando também os adolescentes comparsas W. e M., sendo que T. fugiu deixando parte dos objetos na casa de sua mãe. Contudo o celular da vítima não foi localizado.

Os objetos apreendidos bem como os menores infratores W. e M., juntamente com Míriam, foram apresentados ao plantão da Delegacia de Polícia Civil. A mãe foi liberada e os menores infratores ficaram apreendidos, permanecendo à disposição da Vara da Infância e Juventude.

Assunto(s): ,

Leia também:

2 comentários

  1. Marcio disse:

    Então, será que alguém dos “Direitos Humanos” vai até a casa dessa vitima oferecer uma ajuda psicológica?
    E si por acaso essa vitima tem uma arma ou algum conhecimento em artes marciais e colocasse em pratica para sua defesa, com certeza, o conselho Tutelar viriam defendendo os “adolescentes”.
    Brasil, impunidade e desrespeito para com seus cidadãos.
    Vergonha.

  2. rose disse:

    Concordo com vc Márcio, mas tbm nao podemos esquecer da ordinária da
    mãe, que nao passa de uma pilantra ordinária.

Resposta para rose