Coronel Helena, a primeira mulher a assumir o comando da PM da região

Publicado em 26 de maio de 2015 às 14h05
Atualizado em 26 de maio de 2015 às 14h07

A coronel Helena dos Santos Reis é a primeira mulher a ser indicada para o comando da Polícia Militar da região de Rio Preto. Ela foi nomeada ontem para o Comando de Policiamento do Interior, o CPI-5, em substituição ao coronel Rogério de Oliveira Xavier, que vai para o Comando de Policiamento Ambiental (CPAmb) do Estado de São Paulo. A data da posse ainda não foi anunciada pela corporação.

CoronelHelenaDosSantosReis

Helena é a quarta mulher a ocupar a patente mais alta da corporação (coronel). Ela estava comandando o curso de formação de sargentos da PM, na Capital. Agora, vai liderar uma equipe formada por 2,2 mil policiais militares, 600 deles somente em Rio Preto, em uma área que abrange 96 municípios e 1,4 milhão de habitantes.

“Fiquei satisfeita e realizada profissionalmente. Era algo que almejava por ter desenvolvido boa parte da minha carreira por aqui e também por ser rio-pretense”, diz a coronel, que é noiva de um advogado da cidade. Profissionalmente, a coronel veio para Rio Preto no fim de 1994. Saiu daqui em 2014 para assumir o posto no curso de formação.

“Por conhecer a região, ficará mais fácil para fazer o planejamento e ter mais legitimidade. Acredito que nosso principal desafio será criar uma gestão que privilegie a parceria entre os sistemas de segurança pública, a comunidade, a iniciativa privada e a imprensa”, disse. Ainda nesta semana, a coronel pretende reunir-se com o coronel Xavier para se inteirar dos principais fatos da região. “Ainda não tive tempo de conversar com o coronel. Quero me reunir com ele para que me coloque a par do que vem acontecendo.”

Quanto a ser a primeira mulher a ocupar o cargo na região de Rio Preto, a coronel Helena diz sentir-se orgulhosa, mas acredita que não há muitas diferenças em relação à forma de comandar. “Percebo que isso desperta um sentimento positivo nas outras pessoas e que serve como inspiração. Sinto orgulho por isso, mas não vejo diferenças no trabalho.”

Para o coronel Xavier, a nomeação vai ser muito positiva para a cidade. “Por ela ser daqui, já ter trabalhado na região e na capital, e também por ser muito estudiosa, vai acrescentar muito ao CPI-5.” O tenente-coronel Luiz Roberto Vicente, comandante da PM em Rio Preto, concorda. “É muito dedicada e bem-intencionada. Fiquei muito feliz pela nomeação.”

Fora da polícia, a notícia da nomeação também agradou. “A coronel representa a competência da mulher. É motivo de orgulho para Rio Preto”, disse o presidente da Câmara, Fabio Marcondes (PR). “É firme, correta e, ao mesmo tempo, tem sensibilidade”, disse a presidente da Acirp, Adriana Neves. O prefeito Valdomiro Lopes (PSB) não foi localizado ontem para comentar a nomeação.

Família de policiais

A coronel Helena sofreu influências na família para se tornar policial. O pai e um irmão foram sargentos da PM. Ela é da primeira turma de mulheres da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, em 1992. Veio para a região no fim de 94 e, aqui, chegou ao posto de tenente-coronel. Em 2015, já na Capital, tornou-se coronel. Em 2001, perdeu o irmão, Israel dos Santos Reis, que foi assassinado em serviço. O pai, Domingos dos Santos Reis, morreu em 2007 de causas naturais.

Antecessor assume Ambiental

O coronel Rogério de Oliveira Xavier ficou apenas por seis meses como comandante do CPI-5,. Ele assumiu o cargo em novembro do ano passado e ontem foi promovido a comandante do Comando de Policiamento Ambiental (CPAmb). Ele acredita que a experiência na Polícia Ambiental e o serviço realizado nestes seis meses contribuíram para a nomeação.

“De certa forma, [a nomeação] era esperada. Passei 24 anos na Polícia Ambiental, em várias partes do Estado, portanto conheço biomas diferentes. Além disso, sempre estudei e fiz cursos na temática ambiental”, disse o comandante. Ele apontou o cuidado com a água como o principal desafio a enfrentar nessa nova etapa profissional. “Frente ao atual cenário, devemos priorizar a fiscalização e proteção das nascentes e a exploração da água.”

O balanço dos seis meses em que comandou o CPI-5 é positivo, segundo ele. Destaca duas ações como principais: o estabelecimento da Companhia de Ações Especiais (Caep) e a colocação de viaturas em pontos estratégicos de Rio Preto. “A primeira ação foi responsável por apreender quase três toneladas de droga e a segunda serviu para passar à população maior sensação de segurança.”

Fonte: Diário da Região

Assunto(s):

Leia também:

Faça um comentário