Daemo prevê racionamento se não chover. Capacidade de abastecimento está em 40%

Publicado em 22 de outubro de 2014 às 10h24
Atualizado em 22 de outubro de 2014 às 10h25

Crise confirmada em diversos Estados Brasileiros, a falta de água atinge diversas cidades que já sofrem racionamento há meses. Segundo dados, no mês de Outubro choveu 4,6 milímetros em Olímpia, em Setembro 54 milímetros, mil milímetros a menos do que em 2013. Caso não chova na cidade, o DAEMO Ambiental (Departamento de Água e Esgoto do Município de Olímpia) deverá iniciar o racionamento de água, já que a cidade opera com 40% da capacidade de abastecimento.

motta-e-daemo

“Infelizmente é verdade. Estamos planejando o racionamento, pois com a falta de chuva, o nível do Ribeirão Olhos D’água está crítico”, disse o Superintendente do DAEMO, Antônio Jorge Motta.

Ele pede que a população se sensibilize e ajude na economia de água no município. “Vemos por toda cidade que muitos ainda lavam calçadas, grades, varandas, e não é o momento. Estamos numa crise hídrica e vai faltar água. Pessoas lutam por um balde de água enquanto outras desperdiçam”, endossou.

“Podemos ver nos noticiários, as reportagens sobre a falta de água de maneira critica em diversas cidades do Estado, como em Itu e na própria capital. Esta realidade pode chegar a Olímpia caso o população não se conscientize. Fazemos o controle de forma metódica, pois nossa região não é rica em água, temos os níveis de reservatórios e riachos no limite mínimo. Precisamos agir e economizar água”, disse Motta.

Segundo ele, ainda não existe falta de abastecimento em Olímpia pelo controle que o DAEMO Ambiental realiza de maneira eficiente no que tange o controle de abertura de registros e ao acompanhamento dos níveis dos reservatórios, porém, existe sim a possibilidade, caso a população também não faça sua parte.

A parte central da cidade de Olímpia é abastecida pela ETA – Estação de Tratamento de Água, que é abastecida pelo Ribeirão Olhos D’água, assim esta seria a região mais prejudicada. Em outros bairros existem poços profundos, mas que também estão operando com o limite mínimo de água. “É preciso que a população nos ajude, volto a salientar, a água está acabando nas profundezas da mesma forma que nos leitos dos rios”.

Motta destaca que mundialmente os cuidados são os mesmos: desligar a torneira enquanto escova os dentes, tomar banhos rápidos, não lavar calçadas e carros. “Ela vai fazer falta, por isso pedimos, rogamos para as pessoas economizarem” Ele diz que diversas reclamações dos munícipes quanto à pressão da agua nas torneiras, são problemas inerentes à escassez da água. E que diariamente são feitos reparos às redes, ou substituições, por Olímpia ter um sistema antigo.

Outra ação que será iniciada pelo DAEMO será a fiscalização. “Iremos começar a multar. Infelizmente não gostamos disso, mas teremos que tomar medidas preventivas e louvar os que usam a água conscientemente. Água é alimento”, finalizou.

P.S.: Estamos tentando há vários dias falar com o superintendente, mas sempre ‘está em reunião’. Cobramos a assessoria de imprensa, que nos enviou hoje este material.

Assunto(s): ,

Leia também:

Faça um comentário