Padre Ivanaldo recebe Título de Cidadania, diz que "é filho da vitória e da vida", e revela a perseguição que sofreu pela terceira Paróquia

Publicado em 26 de novembro de 2011 às 20h39
Atualizado em 06 de janeiro de 2012 às 11h13

O padre Ivanaldo Gonçalves de Mendonça, 31, responsável pela criação e ainda condução da terceira paróquia de Olímpia – a Igreja-Matriz de São José, no bairro que a denomina, recebeu na noite de ontem, na Câmara Municipal, o título de Cidadão Honorário de Olímpia, através de decreto legislativo de autoria do vereador Dirceu Bertoco (PR). Fotos Jonas Olmos e Leonardo Concon.

IMG_2115

Plenário e galerias da Câmara estavam lotados, veio até caravana de Barretos, cidade natural do homenageado, inclusive pais, irmãs e parentes. O deputado estadual André do Prado, do partido de Bertoco, também prestigiou, assim como o prefeito Geninho Zuliani (DEM) e muitos populares e membros de comunidades religiosas da cidade.

100_4498

Depois de formada a mesa principal, presidida por Toto Ferezim (PMDB), a pedido do chefe de cerimonial, o secretário de Governo Paulo Marcondes, os vereadores Aguinaldo Moreno (Lelé, DEM) e Guto Zanette (PSB), conduziram o homenageado para o plenário.

IMG_2061

Hino Nacional entoado, o vereador Hilário Ruiz (PT) fez a leitura de um texto bíblico. O presidente Toto fez a sua saudação, afirmando que “de hoje em diante, mais do que nunca, teremos o orgulho de chamá-lo de irmão olimpiense”.

IMG_2068

O autor do decreto legislativo 266/2009, que concedeu o título ao padre, vereador Dirceu Bertoco, fez a sua manifestação, falando da importância religiosa, social e comunitária, do padre Ivanaldo nas comunidades e na criação da terceira paróquia. Destacou, ainda, a formação do padre, que é graduado em filosofia, teologia e pós-graduado em psicologia.

IMG_2080

Na sequência, Bertoco chamou dois líderes comunitários para que, também, rendessem homenagens ao padre.

IMG_2087

Em seguida, foi a vez do deputado André do Prado fazer a sua saudação ao homenageado e aos olimpienses. O deputado, recentemente, liberou emenda para a compra de um ônibus para a terceira idade de Olímpia, a pedido também de Bertoco.

IMG_2096

Finalmente, a principal cerimônia do ‘lava mãos’, idealizada pelo então vereador e falecido folclorólogo José Sant’anna. No plenário, o presidente Toto Ferezim lavou as mãos do padre, simbolizando o batismo do novo olimpiense.

IMG_2118

E a esposa do presidente, Luciana, enxugou-lhe as mãos com uma toalha branca de linho, simbolizando a pureza dos corações que o acolhem.

IMG_2121

Depois, a mãe do prefeito Geninho, Dona Cida Zuliani, representando-o (enquanto estava em outra solenidade, no TG), entregou-lhe um frasco com porção de terra de Olímpia, “para que o homenageado tenha, sempre, como adorno, ao seu lado a lembrança de sua terra”.

IMG_2127

O autor da homenagem, Dirceu Bertoco, entregou ao padre Ivanaldo a placa de homenagem e, finalmente, o prefeito Geninho, já no plenário, entregou-lhe uma bandeira do município.

IMG_2129IMG_2131

Todos sentados diante da mesa, adentrou ao plenário o Coral da Terceira Idade “Nova Esperança”, regido pelo maestro Emerson, com canções dedicadas ao homenageado.

100_4487

Na sequência, foi baixado o telão, as luzes semi-apagadas, onde diversas pessoas e familiares, inclusive religiosos e até o bispo Dom Edmilson, falaram acerca do filho, irmão, amigo e padre Ivanaldo, emocionando-o a cada entrevista.

“SOU FILHO DA VITÓRIA E DA VIDA”

Embora acostumado a falar com multidões, seja nas missas ou cerimônias diversas, o padre Ivanaldo preferiu ler o seu discurso de agradecimento, começando pela benção do “nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, assinalando que o refrão, dito na sequência, “o amor de Cristo nos uniu” se aplica ao momento que ele estava vivendo no legislativo olimpiense.

100_4511

Saudou as autoridades legislativas, do Executivo, ao deputado André do Prado, ao bispo diocesano Dom Edmilson Amador Caetano e à Diocese; ao padre Deusmar Jesus da Silva, o seu ‘diretor espiritual’, que hoje exerce o seu ministério em Brasília como assessor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); à irmã Roseli Olian, em nome dos religiosos e religiosas presentes; aos seus familiares e amigos que, muitos, vieram de longe; e os representantes da ALEAO (Associação e Liberdade e Expressão Afro-Olimpiense), assim como a imprensa e as demais paróquias da cidade.

“A todos agradeço e acolho; vocês que aqui vieram participar de tão importante momento, o qual creio ser, a mais alta honraria concedida a quem não seja natural destas terras, estão diante de um ser humano que se considera infinitamente inferior a tantos de vocês, em todos os sentidos, sobretudo naqueles mais nobres”, disse o padre homenageado.

Ivanaldo inicia contando a sua história: “Minha história é muito simples, porém, marcada profundamente pelo amor: o amor de Deus, o amor a Deus, o amor dos pais, o amor próprio, o amor dos irmãos, o amor da família, o amor dos amigos, o amor da Igreja”.

100_4522

E, revelou, inclusive, que, desde o útero de sua mãe, foi uma luta sobreviver: “Sou um filho da vitória da vida. Minha primeira e maior vitória foi ter nascido. A toxoplasmose, infecção adquirida quando no ventre de minha mãe, foi meu primeiro e maior desafio. Esta doença que pode levar ao aborto, a más formações como hidrocefalia, neuropatias, déficits neurológicos e cegueira, deixou em mim um pequeno rastro comprometendo parte de minha visão, o que só vim a saber aos 18 anos de idade. Sou infinitamente grato a Deus, que desde muito cedo, me fez um vencedor”.

“O que me falta aos olhos fui aprendendo, desde muito cedo, a enxergar com o coração. Por isso, acredito que Deus quis precisar de mim como Padre para ser um “frágil” instrumento no auxílio para que as pessoas aprendam também a enxergar com os olhos do coração e da fé”, acrescentou o padre.

100_4516

“Sou filho de gente muito humilde e simples. Um casal de lavradores que, às custas do suor e do cansaço, constitui uma família. Antes de termos nossa casa própria já éramos e tínhamos um lar. Dentre tantas necessidades nunca nos faltou o essencial, o essencial é invisível aos olhos, o essencial é o amor”, e agradeceu, emocionado: “Aos meus pais, irmãs, cunhado, sobrinhos e demais parentes de sangue, minha eterna gratidão. Vocês me abasteceram de tanto amor, que minha vocação e capacidade de amar as pessoas, ainda é extensão do amor de vocês. Pai e Mãe, minha eterna gratidão”.

A MISSÃO (ANTES, CRITICADA) EM OLÍMPIA

“Olímpia começa a fazer parte de minha história quando, no dia 15 de Outubro de 1978, fui apresentado para o Batismo e acolhido como filho da Igreja. Naquele dia eu nascia para o céu como filho de Deus e passava a fazer parte da maior família do mundo, a família de fé, a Igreja Católica Apostólica Romana. Como cristão católico, Deus lançou em meu coração a semente da vocação ao Sacerdócio”, disse Ivanaldo, na tribuna da Câmara.

E revelou que, “assim, se fortaleciam meus laços com Olímpia. Ordenado diácono, para cá fui enviado provisoriamente no final de 2001. Fui acolhido com todo carinho na Paróquia de São João Batista, e, após a ordenação presbiteral, em 21 de setembro de 2002, designado para esta mesma Paróquia como Vigário Paroquial”.

E, agradeceu “as muitas oportunidades a mim concedidas pelo Monsenhor Antonio, para que pudesse exercer as primícias do meu ministério com liberdade e intensidade. Agradeço às Comunidades da Paróquia de São João Batista com a qual vivi intensos momentos de renovação, inovação e reavivamento da fé. Aí fiz verdadeiros amigos, os quais trago no coração até hoje e levarei para sempre”.

E, fez um relatório de como nasceu a terceira paróquia de Olímpia, hoje uma realidade, antes criticada: “Dom Gaspar propôs a criação da célula de uma futura Paróquia, que foi denominada Área de Pastoral, contemplando os Bairros e Comunidade da Zona Sul da cidade, tendo como padroeiro e como sede, a antiga capela de São José, pedindo que eu assumisse a missão de estar à frente deste projeto. A iniciativa não foi bem vista, nem acolhida por tantos que preferiram caracterizá-la como “divisão”. Estes se esqueceram que a Igreja não se divide, mas que a Igreja se reorganiza para se multiplicar, para cumprir com fidelidade a missão de anunciar Jesus Cristo como Salvador de todos os homens”.

“O que parecia simples para um jovem Padre e para Comunidades desejosas de renovação e crescimento, também tornou-se martírio: críticas e ofensas pessoais, falta de auxílio para manutenção pessoal e das necessidades da Área de Pastoral, tentativas insistentes em fazer naufragar a obra de Deus a ponto de ousarem dizer “o Espírito Santo não está nesse projeto”. Nesse período convivi com o misto de sentimentos: a alegria de cada passo lento, a angustia da solidão e do abandono, o peso da perseguição por causa do Evangelho, a dor da traição por aqueles que se diziam “irmãos na fé”, capazes de armar ciladas para promover a queda do Pastor e assim do rebanho e da obra de Deus, entre tantas outras coisas”, contou.

Mas, padre Ivanaldo disse que não desanimou e prosseguiu com o seu propósito: “Sentia, a cada dia, o amor de Deus me sustentando, e, na alegria de cada passo, de cada olhar, de cada atividade, de cada evento, de cada vida transformada, percebia que Deus, me educava através do sofrimento e me tornava mais preparado para a vida e para o exercício do ministério”.

IMG_2069

Nesse contexto, o padre sentia que “Olímpia abraçava a obra de Deus chamada “Paróquia São José”, que sentia essa necessidade e via a possibilidade de sua realização. Senti que o povo tinha sonhos e que, de alguma maneira, poderia ajudá-los a se tornarem realidade, considerando minhas fragilidades e miséria humana. Assim Olímpia abraçou a criação da Paróquia São José e junto a este projeto abraçou a mim e os laços fincados no dia do meu Batismo, confirmados no dia da minha ordenação presbiteral, foram, aos pouco sendo selados”.

Ivanaldo assinalou, ainda, que “o padre morar na “Vila” fez com que o povo se sentisse importante e amado pela Igreja. Para mim, morar na Vila era voltar às raízes da família e reviver o encanto de ser feliz na pobreza e na simplicidade”.

E, aos poucos, a obra se edificava: “Logo alcançamos a condição de Quase Paróquia e, um ano depois, era erigida no dia 19 de macro de 2009, a terceira Paróquia da cidade de Olímpia, a Paróquia São José, hoje uma realidade. Pouquíssimos Padres têm a oportunidade de participar do processo de criação de uma Paróquia; boa parte deles sofre a força da resistência, mais como sinônimo de “desconhecimento” do que propriamente maldade. Hoje, estou entre esses poucos padres e me sinto infinitamente feliz”.

Temos percorrido um bonito caminho, ao longo do qual, muito mais tenho aprendido do que ensinado. Nós, Paróquia São José, nascermos num bonito momento da Igreja, quando eram relançadas as bases de uma Igreja discípula missionária”. Por isso abrimos as comunidades para serem comunidades missionárias, formamos grupos de oração e partilha em todos os quarteirões, celebramos missas nas ruas, fazemos missão, de casa em casa anunciando Jesus Cristo, promovemos acampamento para os jovens, criamos site, jornal, programa de Rádio. Nós, disponíveis à força do Espírito Santo, que renova, fortalece e sustenta a caminhada da Igreja, simplesmente dissemos “estamos aqui Senhor, conta conosco”; nos empenhamos, nos esforçamos, nos cansamos, nos alegramos e Deus, que nunca falta, está confirmando nossos passos. Não por acaso, tive e tenho a honra de viver este momento com vocês. Sei que não sou padre que vocês merecem, mas que é o que vocês tem por hoje, até porque o Padre é antes de filho de uma terra Natal, ou cidadão honorário de uma cidade, cidadão do infinito, como diz a canção do Padre Zezinho: “seu cidadão do infinito e levo a paz em meu caminho”.

E, prosseguiu: “Hoje a Paróquia São José é uma realidade. Falta muita coisa, desde estrutura física e material até ações mais corajosas de evangelização, mas creio que estamos no caminho. Porém, este sonhado tornado realidade, sonho que nasceu no coração de Deus, só aconteceu porque fomos abraçados por Olímpia, desde os paroquianos até os amigos que doaram móveis para nossa Casa paroquial, o Poder Público que nos apoia de tantas maneiras, o comércio que incentiva e patrocina nossas promoções de arrecadação de verba, os meios de Comunicação com quem temos estreitos laços e que divulgarem fazem cobertura de nossas atividade e, sobretudo, o povo nação chamada Olímpia que, de tantas formas, colabora, desde oferecendo sua oração pelo êxito de nossos projetos até colaborando financeiramente com nossas promoções, nos dando a alegria de ver a Praça da Igreja São José repleta de pessoas de todos os cantos, lugares e classes socais, num ambiente fraterno e acolhedor; dando-nos a satisfação de superlotar as barracas do Recinto do Folclore, participando, em massa na bonita caminhada em louvor a Nossa Senhora Aparecida, que a cada ano, reúne mais pessoas”.

A RESISTÊNCIA AO TÍTULO DE CIDADÃO

Sobre o título que recebeu na Câmara, de Cidadão Honorário de Olímpia, confessou que resistiu “por várias vezes à proposta feita pelo Vereador Dirceu Bertoco para receber esta homenagem, pois não enxergava razões suficientes para que ela acontecesse. Não marquei a história da cidade com grandes construções, não sou político partidário, a quem a cidade agradece por recursos trazidos, não sou líder empresarial que oferece centenas de empregos. Sou apenas um ser humano que, na condição de Padre buscar ser e fazer melhor cada coisa, todas as coisas, a cada dia, todos os dias. À sua insistência, à sua amizade e confiança, à sua família, á sua fé, ao apoio que dispensa às comunidades, sobretudo às pequenas comunidades rurais de nossa cidade. Agradeço profundamente, a você Dirceu Bertoco”.

100_4514

“Foi pensando assim que aceitei esta homenagem, embora personalizada e direcionada à minha pessoa, como uma forma de a cidade e seus representantes homenagearem a Igreja Católica, por tudo o que fez, faz e fará nestas terras, como anunciadora do Evangelho, defensora e promotora da vida, da família e do bem-comum. A Igreja é uma das poucas, senão a única instituição que está presente nos lugares onde nenhuma corrente ideológica, nenhum partido político, nenhum grupo filantrópico, se arrisca estar, porque nestes lugares há pouco ou quase nada a lucrar, desde o lucro material até o lucro do status. A Igreja está aqui, como está em Roma, como está nos campos de refugiados, como está entre os milhares de portadores de HIV, na sofrida África do Norte, como está nos hospitais, nas universidades e tantos outros espaços que ajudou a criar, com o mesmo espírito, a mesma intensidade, o mesmo propósito, ser sinal da presença vida do Deus-amor”.

O padre Ivanaldo, concluiu, então: “Obrigado a todos que, de alguma forma, colaboraram para a realização desta bonita festa. Aos que deixaram suas cidades e tantos afazeres para aqui estarem. Muito obrigado, Olímpia, por me querer como filho desta terra. Fiz e faço muito pouco, mas fiz e faço com muito amor”.

E, perguntou a si mesmo: “Como é ser cidadão Olimpiense? Só poderei responder a partir de agora, quando começo a exercer esta nova missão, que, com a ajuda de todos vocês, meus irmãos e conterrâneos, também será levada a cabo”.

100_4526

E abençoou a todos: “Peço que sempre rezem por mim, pois a oração do povo sustenta seus pastores na missão. Rogo a intercessão dos meus padroeiros São José, Santa Teresinha de Jesus e o Beato João Paulo II. E para vocês meu presente, o presente de Deus, o presente da Igreja, o presente dos padres que aqui estão. Presente muito simples, mas essencial. O Senhor esteja convosco: Ele está no meio de nós! Abençoe-vos e vos conserve sempre no seu amor. Abençoe vossas família e nossa cidade. Vos conceda a paz e a prosperidade, o Deus todo-poderoso: Pai, e Filho e Espírito Santo. Amém”

100_4544

Ao final da cerimônia, após a entrega de flores para o padre Ivanaldo, à esposa do presidente da Câmara, Luciana Ferezim, e à esposa do vereador Bertoco, Elizabeth, o presidente Toto Ferezim agradeceu a todos e convidou-os para uma confraternização no salão de festas do Grupo da Terceira Idade Nova Esperança, no centro da cidade.

MAIS FOTOS

100_4492100_4497100_4499100_4502100_4503100_4508100_4527100_4528100_4529100_4530100_4531100_4535100_4537100_4539100_4540100_4541100_4543

***

 

* Fique à vontade para dar a sua opinião, mas atenção: se ele não aparecer no mesmo dia é porque, com certeza, você não leu a nossa política de comentários. No momento, está sob moderação.

Assunto(s): ,

Leia também:

9 comentários

  1. Fabricio Trajano disse:

    Poucas vezes fui testemunha de justas homenagens para com aqueles que de fato se preocupam com outras vidas que não seja apenas a sua.
    Parabéns Dirceu Bertoco por sua feliz intensão.
    Fabricio trajano (Juiz de Fora – MG)

  2. mario cesar disse:

    porque as pessoas não lotam a camara assim em todas as sessões.Talvez fazendo isso nossos “vereadores”aprovariam projetos de mais utilidades para a maioria.

  3. Maria Eliza disse:

    O reconhecimento vem como fruto de uma luta ininterrupta. Parabéns pelo título, mas quem ganhou mesmo foi a cidade. Nós olimpienses merecemos um cidadão como Pe Ivanaldo, uma pessoa que em sua trajetória, sempre dedicou e preocupou com a transformação espiritual e religiosa das pessoas e conseguiu reavivar todos os setores da Paróquia, realizando o Projeto de Evangelização, buscando viver com fidelidade o mandato de Jesus Cristo ‘”Ide e fazei discípulos meus todos os povos”.
    Parabéns Pe Ivanaldo.
    Parabéns Vereador Bertoco.
    Parabéns Olímpia.
    Maria Eliza (Olímpia SP.)

  4. Maisa disse:

    Parabéns padre Ivanaldo,vc merece essa homenagem!

  5. Laudiceia disse:

    PE Ivanaldo, ninguém mais merecedor que o Sr. para receber esse titulo de cidadão Olimpiense… Menino na idade escolhido por Deus, para ser um grande discípulo da igreja, homem no tamanho e na grandeza de sua responsabilidade. Apesar de não ser filha de Olimpia, fiquei muito honrada com a feliz ideia do Sr. Vereador Dirceu Bertoco, de lhe conceder esse titulo que tantos almejam, pois mesmo se não tivesse acontecido esse evento brilhante, onde reuniu uma parte da sua família, amigos e familiares e fies que vieram de Barretos assistir essa bela solenidade, no nosso coração o Sr já é mais que cidadão dessa cidade, é cidadão que vive em nossos corações e de todos os fies que o admiram e o amam com toda pureza de coração.

    Parabéns PE Ivanaldo, o Sr. faz jus a esta honraria e toda essa manifestação de carinho e amor que ontem foi demonstrado por todos que o amam e admiram e que estavam ali, para lhe dizer. O Senhor é nosso pastor, nasceu com essa sublime missão de arrebatar as ovelhas para as guiar até o nosso pai Celestial que lhe incumbiu dessa grande missão.

  6. Maria Luiza disse:

    Parabéns Pe. Ivanaldo, pela merecida homenagem, agora está cada vez mais presente agora como cidadão Olímpiense.
    Obrigada aos idealizadores.
    Parabéns Leonardo excelente cobertura.

  7. Dr. Vander Jamberci disse:

    Olá Padre Ivanaldo…
    Uma pena não poder participar deste momento de sua vida…mas estava daqui ansioso para ver as fotos do grande acontecimento!
    Na verdade, não me surpreendeu esta homenagem, tendo em vista o seu caráter, o seu desprendimento para que a OBRA de Deus aconteça na vida de cada um. É visível a importância de sua pessoa na cidade de Olímpia e a homenagem só veio coroar e ratificar o sentimento do povo Olimpiense por sua pessoa.
    Grande amigo de seminário, hoje amigo de confidências e conselhos…Parabéns…
    Que as bençãos de Deus continue sendo derramadas em sua vida!!!
    Você é merecedor.
    Vander José da Silva Jamberci – Procurador Jurídico do Município de Juti – Mato Grosso do Sul.

  8. Helena Cristofolo Viana disse:

    Parabéns à todos os Olimpienses por essa oportunidades de conviver com pessoa de tamanha hmildade e competencia.

  9. Pe. Ivanaldo disse:

    Saudações a todos!
    Venho agradecer a todas as manifestações de apreço e carinho a mim dispensadas, sobretudo, nestes últimos tempos, em virtude da concessão do Título de Cidadão Homorário Olimpiense.
    Olímpia não apenas fez a diferneça em minha vida, mas sim, fez e está fazendo toda a diferença. Enquanto for possível, estaremos próximos fisicamente, porém, quando esta possibilidade deixar de existir, não eliminará os laços fundados no amor, respeito, amziade, carinho e fé que entre nós foram selados.
    Obrigado Olímpia por me “querer como seu filho”.
    Parabens Concon pela divulgação e cobertura do evento. Smepre servindo nossa comunidade com alegria e compet~encia.
    Forte abraço a todos.
    Ivanaldo

Faça um comentário