Niquinha e sua filha Janeclay dão show de covardia diante de oficiais de Justiça ao agredirem repórter que foi cobrir a reintegração de posse

Este repórter sofreu dupla agressão na tarde desta segunda-feira (22), quando cobria a reintegração de posse do imóvel residencial localizado no Estádio Municipal Tereza Breda, até então ocupado, há vários anos, pelo ex-vereador e atual presidente da Associação dos Funcionários Municipais da Prefeitura de Olímpia (AFPMO), Antonio Delamodarme, vulgo Niquinha.

100_0270 100_0257

100_0265

niquinha202 Os fatos foram testemunhados por funcionários da prefeitura que foram com caminhão realizar a mudança requerida judicialmente, por repórteres, e até pelos oficiais de Justiça Jesus e Darci que foram cumprir a sentença irrecorrível do juiz da Terceira Vara Hélio Benedine Ravagnani.

Niquinha (foto ao lado) sacou de um cabo longo de madeira, de basebol, do banco traseiro de seu carro, e correu atrás deste repórter por meio quarteirão, atingindo-o, com força, nas costelas, próximo à cabeça, ameaçando-o de morte caso fossem publicadas informações e fotos do despejo judicial.

Em seguida, numa discussão com a filha de Delomodarme, Janeclay, mulher de um radialista, ela desferiu, com força, uma barra de ferro na coxa direita deste repórter, arranhando também o capô da viatura da Folha da Região. Jane, como é conhecida, ameaçava a todo instante a repórter Ana Laura, da Tribuna Regional e Rádio Difusora, e também ao repórter Sílvio, da Folha da Região, de que “se tirassem fotos, o pau vai comer, vou chamar o meu pai para bater em vocês”, e logo telefonou para o seu pai, que havia fugido do local ao ser informado de que a polícia militar já tinha sido acionada para levá-lo à Delpol.

FLAGRANTE DA PM

100_0253 Após a primeira agressão, com taco de basebol, Niquinha fugiu do local, evitando o confronto com os policiais, talvez aconselhado pelas filhas (uma delas, a mais velha, ameaçou este repórter também de morte caso fosse publicado algo neste blog). Mas, a filha Janeclay, que ficou provocando os repórteres e ameaçando-os de chamar o pai para ‘dar um corretivo’, ficou no local e logo apanhou uma barra de ferro, não se sabe para qual propósito.

Ela surgiu por detrás do Estádio Tereza Breda, já que foi procurar as repórteres Ana Laura e Bruna Pegoraro da Tribuna e Rádio Difusora AM para agredí-las, chegando a correr atrás delas (e outro Boletim de Ocorrência será feito neste sentido pelas profissionais), e reiterou ameaça aos outros repórteres, e ameaçou-os novamente.

Ao chamar este repórter de ‘vagabundo’ e de outros impropérios, tão bem conhecidos na boca também de seu pai (e por isso ele está sendo alvo de diversos processos, num deles, 100_0267 recentemente, na frente da juíza da Justiça Criminal, chamou o advogado denunciante de ‘malandro’ e ‘vagabundo’, confirmando a tese do processo que estava sofrendo naquele momento; inexplicavelmente, somente sofreu uma reprimenda), houve o bate-boca com ela e, daí, ela retornou com a barra de ferro, correu atrás deste repórter e, com toda a força, desferiu-o na coxa direita, ficando um hematoma de proporção considerável. O capô da Folha da Região foi riscado por ela, num ato tresloucado.

100_0272 Ato contínuo, chegaram três viaturas da Polícia Militar. Prontamente atenderam ao chamado do repórter. Janeclay tentou fugir com a barra de ferro na mão, mas foi flagrada e pega pelos policiais, sendo que a capitão Marililze Scomparim conseguiu apanhar da mão dela a barra de ferro. Janeclay foi conduzida numa viatura para a Delegacia de Polícia, mesmo alegando que ‘tem filho pequeno para cuidar’, enquanto o repórter foi fazer a queixa e o Termo Circunstanciado (TC), sendo a lesão fotografada e com laudo do médico plantonista Fernando, da Santa Casa, para imediata abertura de inquérito de agressão dolosa e impedimento ao exercício profissional.

100_0269 SEGUNDA AGRESSÃO

É a segunda agressão sofrida pelo repórter, gratuitamente, promovida por Niquinha.A primeira foi em outubro passado, quando, sem ser provocado, passou a chamar este repórter de vários impropérios tão comuns em sua índole, num restaurante do centro da cidade, diante de diversas testemunhas. Imediatamente, o caso virou um B.O., TC.. e, claro, processo judicial.

A REINTEGRAÇÃO DE POSSE

O juiz da terceira Vara da Comarca de Olímpia, Hélio Benedini Ravagnani, determinou na tarde do último dia 4 que o servidor municipal Antônio Delomodarme desocupasse em 15 dias o imóvel residencial que vem ocupando em anexo ao Estádio Municipal.

Como não houve a desocupação amigável, com resistência de Delomodarme, o caso foi parar na Justiça, uma vez que o atual governo municipal está requerendo, por força de lei, não apenas este imóvel mas outros em poder de vários servidores.

Delomodarme não estava em casa quando os oficiais Darci e Jesus chegaram com a reintegração de posse, com prazo expirado hoje, na residência em anexo ao Estádio Municipal. A dona-de-casa alegou que desconhecia a situação e ligou para o marido. Ainda fora de casa, Delomodarme acionou o advogado da AFPMO que, por sua vez, pedia uma semana de prazo para sair. O juiz não aceitou essa ‘negociação de sentença’, já que ela foi exarada e expedida em tempo hábil para uma mudança pacífica.

O CASO

Em 26 de janeiro do ano passado, no primeiro mês de governo, o prefeito Geninho Zuliani (DEM) tratou de requerer diversos imóveis municipais ocupados irregularmente, entre eles a residência ocupada de forma graciosa, sem qualquer ônus, e sem que dela fizesse uso para tomar conta de outro bem público, por Niquinha e sua família, nos fundos do Estádio Municipal. Nunca houve um contrato para tanto entre o poder público e o servidor.

Sem que, por diversas ocasiões, Niquinha atendesse as notificações do prefeito Geninho para que desocupasse o imóvel em dez dias, a contar da data de seu recebimento, o procurador jurídico Edilson Cesar de Nadai impetrou uma Ação Ordinária de Reintegração de Posse com Pedido de Liminar para que, de fato,  servidor desocupasse o bem coletivo.

Desde a vigência do Código Civil, arguiu o procurador, “os bens municipais, como os demais bens públicos,, não podem ser adquiridos por usucapião”.

ZELANDO PELO ESTÁDIO

O pedido de liminar foi indeferido. O servidor apresentou contestação, alegando, em síntese, “carência de ação por ilegitimidade da parte do município e da Prefeitura, que é funcionário e exerce a função de vigia; que sua esposa é funcionária pública, auxiliar de serviços diversos, reside no  imóvel desde 1987, quando foi designado para vigiar e zelar pelo Estádio Municipal“.

COMODATO “NÃO É ETERNO”

Por sua vez, o juiz da Terceira Vara Hélio Benedini Ravagnani, em sentença exarada em 18 de dezembro passado, fundamentou que “é desnecessária a produção de prova oral em audiência, afasto as preliminares arguidas, o pedido (da prefeitura) é juridicamente passível por se tratar de simples ação possessória, ou seja, sem discussão a respeito da propriedade”.

“O Município é parte legítima para ingressar com a ação, visto que detentor da posse antes de cede-la ao requerido. (…) No mérito, a ação é procedente e a cautelar improcedente. As partes firmaram contrato verbal de comodato onde o requerente cedeu ao requerido para moradia o imóvel descrito na inicial. Tais fatos são incontroversos e, por isso, desnecessária a produção de prova no sentido de que o requerente era o possuidor do imóvel antes da posse do requerido”, fundamenta o juiz.

O juiz lembra que comodato é por tempo determinado “e não eterno”. No caso em questão, ressalta o juiz, “a prefeitura cedeu o uso do bem ao requerido para o período em que prestou serviços de zelador do Estádio. Não tendo mais o requerente interesse em que o requerido continue prestando este serviço, o objetivo do comodato está extinto”.

E, mais adiante: “Em resumo, seria no mínimo injusto dar mais proteção ao comodatário do que ao próprio locatário, dificultando a retomada do bem pelo comodante. Não havendo interesse de uma das partes em manter a contratação, não há outro caminho a seguir senão a rescisão contratual”.

Pior ainda, lembrou o juiz: “Vale deixar registrado, ainda, que o contrato de comodato em questão é totalmente irregular. Não pode o chefe do poder Executivo confundir patrimônio público com patrimônio particular, como ocorrem inúmeras vezes, principalmente em municípios de pequeno porte. Para a cessão gratuita do bem público necessário se faz autorização legal, nos termos do artigo 103, do Código Civil. Trata-se, sem dúvida, de mais um motivo para a imediata rescisão e retomada de posse pelo ente público“.

O juiz concluiu, com a expedição da retomada de posse: “Expeça-se mandado de reintegração de posse, concedendo ao requerido o prazo de 15 dias para a desocupação voluntária do imóvel”.

29 comentários em “Niquinha e sua filha Janeclay dão show de covardia diante de oficiais de Justiça ao agredirem repórter que foi cobrir a reintegração de posse”

  1. É meu amigo Concon, como se diz na gíria, “a casa caiu”. E mais, este ano, vai ser de tempestade na vida desta pessoa que se julgava intocável. A Justiça pode demorar, mas um dia ela vem. Parabéns, e estou a disposição para o que precisar.

    Somente para terminar: Como pode uma pessoa que está afastada por problemas de saúde na coluna, pode correr por meio quarteirão e ainda com um taco e desferir um golpe, e ainda depois fugir. Me diz. Acho que é caso de se abrir um processo administrativo, primeiro por agir contra o seu empregador e depois, por demonstrar não ter nenhum problema de saúde.

    Um abraço.

    1. Obrigado pela solidariedade, Dr. Serrano.

      Que delícia saber disso. Mesmo não sendo funcionário, vou denunciar isso para o prefeito e exigir a abertura de processo administrativo. Já enviei email para o prefeito e vou procurá-lo hoje, além de procurar saber quem foi o médico que falsificou esse atestado para o covarde.

      Obrigado,

      Leonardo Concon

  2. Foi uma das cenas mais horríveis e banal que ja presenciei na minha vida, simplismente estávamos fazendo nosso papel de jornalistas. Infelizmente o ódio e o desequilíbrio prevaleceu nesta tarde, ficou pior ainda com tais atitudes, tudo poderia ter ocorrido normalmente. Mas sabemos que cada um dá a melodia que quer a vida………. abraços Concon

  3. Só acho que se eles tivessem deixado a gente fazer o nosso trabalho, não precisaria de polícia, nem sair correndo atrás da gente com barra de ferro……mas eles estavam descontrolados. Fiquei com medo a hora q o Niquinha desceu do carro, pedindo pra vc correr, e foi pegar um objeto atrás do carro….pensei no pior. Eles merecem q todas as mídias publiquem as barbaridades deles….a filha não queria q tirassem foto do caminhão sendo carregado com os móveis…..acabou sendo flagrada indo embora de camburão….
    Lamentável!!!

  4. Nobre amigo era de se esperar essa reação, tratando-se de tais pessoas, porém quero enaltecer a reportagem, parabens, vc está aqui para dar a informação, vamos que vamos, faça justiça, tome suas providências, parabens pela publicidade, abraços….

  5. Email enviado por Jane Delomodarme, na conta de email de seu marido Márcio Matheus, radialista da Rádio Menina AM:

    Sr. Leonardo Concon… Vc é hilário sabia!!! Fica ai dizendo que é honesto!!! Onde??? Honestidade passa bem longe de vc sabia??? Nem preciso te falar né! Atras das grades deveria estar vc, pois está com processo de *** nas costas e isso é publico OLÍMPIA inteira sabe… E covarde é vc que correu de uma mulher, se fez de coitado, fez drama… Parecia até uma menininha… kkkkkk…… Pena tenho eu de vc!!! Deve para a AFPMO sim tenhos provas foi mandado embora da prefeitura na gestão Carneiro pelo motivo do processo acima que mencionei…. Precisa falar mais… Meu se isola, fica na sua, vc é sujo. covarde, mentiroso e ridiculo!!! by jane…

    Editado: Honestidade? Vixi… eu tenho uma filha que é minha, tenho uma profissão que honro há 30 anos, não vivo caindo pelas sarjetas, não sou imoral e nem tenho fotos depravadas expostas por aí… acho que não preciso escrever mais… e vc está bloqueada neste blog por vc, sim, ser… bem… na Justiça veremos quem é vc…

  6. Leonardo, me fala uma coisa…o cara já tava com o mandado para sair da casa…quis ir contra a decisão do juiz…ele só pode ser louco. E outra coisa, o que vc foi fazer lá, é mais louco ainda. Agora tem uma coisa, ta ficando barato pra esse cara heim!
    Sandro Monzane

  7. Prezado Concon: Em primeiro lugar parabéns pela reportagem, aliás duas ( rs), já que foi atrás de uma e conseguiu outra com Vossa Senhoria o assunto principal (rs).
    É de impressionar que referido cidadão, quando estava no Poder gostava da imprensa, como nunca, para vangloriar-se de seus feitos e agora repudia a imprensa, aquela mesma que ele adorava.
    As coisas mudam.
    Por outro lado concordo com o Sandro Monzane: vc é mais louco ainda. (rs).
    Abraços e mais uma vez parabéns. Pode contar comigo.
    PS: com relação as fotos tão faladas, se quiser tenho mais coisas, se lhe interessar.

  8. Meu Deus!! tempos de irracibilidade… o que é isso ? o homem está errado, e ainda faz escândalo?
    Isso é o cumulo da falta de respeito e dos bons constumes. Parabéns Leonardo Concon, esse é o papel da imprensa, não se deve intimidar com homens da caverna

  9. MEU DEUS!!! LEO QUE CARA LOUCO! E A FILHA ENTAO,NEM SE PODE CHAMAR DE MULHER NAO TEM NENHUMA POSTURA E QUE BOCA SUJA…UM A PENA VC AINDA TER QUE LIDAR COM ISSO…MAS VC E CORAJOSO,E TEM POSTURA PARABENS! BJO E SAUDADE.

  10. leonardo admiro seu trabalho e tenho o maior respeito por vc, mas errado estao vcs, que foram lá para tumultuar e humilhar uma familia, pq acima de tudo sao seres humanos e merecem respeito Cuidade nunca se pode fazer isso pois no dia de amanha vc é quem pode precisar. Vc sabe disso neh!!!

    1. Ianki, obrigado por frequentar o meu blog.

      Depois, não fomos tumultuar. Como já esclareci, é uma notícia como qualquer outra. Bastava o covarde ser mais homem para conversar e não agredir. Ele já me agrediu várias vezes na rua, me humilhou num restaurante sem que eu o provocasse, aliás, gente como ele nem considero como tal, imagine se o provocaria. Por mim, estaria atrás das grades há muito tempo porque oferece perigo para a sociedade. Eles pagarão caro por essa marca que ainda carrego na perna, fique tranquilo. O cara tá cheio de processos e mais três foram impetrados por mim.
      Não sei o que vc quis dizer com ‘você sabe disso ne’… respeito eu já tenho dos verdadeiros amigos e pessoas de bem, não preciso de covardes para nada, exceto para ignorar e orar para que fiquem atrás das grades logo, logo.

      Abs.

      Leonardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *