Jornalista de Rio Preto constata o que, em Olímpia, também vivenciamos ‘à la CPFL’

Publicado em 09 de setembro de 2010 às 23h30
Atualizado em 09 de setembro de 2010 às 23h32

gama * O editor de política do Diário da Região, de Rio Preto, olimpiense Alexandre Gama, escreveu hoje em seu Blog o que eu já estava ensaiando para ter escrito há algum tempo, observando as enormes filas de supermercados, principalmente do centro da cidade, atrasando clientes que querem apenas pagar produtos que, normalmente, se vendem nesses estabelecimentos. O título é “Parabéns, CPFL”. Parabéns, Gama.

“Se a CPFL queria irritar e transtornar a vida de seus milhares de clientes, conseguiu com louvor. A decisão de descredenciar casas lotéricas para o recebimento de contas de energia transformou num caos a rotina de quem é obrigado mensalmente a pagar seu consumo de eletricidade.

“Agora, quem não tem débito em conta corrente, deve ir a estabelecimentos comerciais como armazéns, supermercados, carimbos, papelarias, bazares, armarinhos e butiques para pagar sua conta. Detalhe: nenhum desses lugares aceita o pagamento com cartão, o que obriga o cliente da CPFL ainda a peregrinar por algum banco para sacar o valor da conta em dinheiro vivo.

“Hoje pela manhã, na fila de um supermercado de Rio Preto, a reclamação era geral. Um senhor, completamente transtornado com a dificuldade imposta pela CPFL, sugeriu um boicote geral ao pagamento das contas. “Se dificultam para receber, não vamos pagar”, dizia o senhor.

“De acordo com o apurado pelo blog, a decisão da CPFL de descredenciar as lotéricas se deu porque a concessionária não estava mais disposta a pagar determinada quantia aos estabelecimentos que recebiam as contas. Agora, quem paga o pato – além da tarifa – é o consumidor”.

***

* Pode comentar à vontade, mas antes, por favor, leia a nossa política de comentários.

Assunto(s):

Leia também:

1 comentário

  1. Luiz Augusto da Silva disse:

    Ao tornarmos simples o complexo evoluimos. Mas,…

Faça um comentário