Jornal da vereadora Guegué confunde o leitor ao anunciar que Olímpia poderá ter ‘lixo radioativo’. E ela foi esclarecida em audiência

Publicado em 10 de setembro de 2010 às 23h15
Atualizado em 11 de setembro de 2010 às 0h33

lixo_atomico_5.1 * Redator apressado, desinformado ou, talvez, ‘pautado’ para tal objetivo, confunde “reatividade” do lixo com “lixo radioativo”. Poderia ter consultado DSC03315 até o Google para não passar vergonha.

Com certeza, a vereadora Priscila Foresti (PRB), Guegué, diretora do “Planeta News” não deve ter lido a manchete escrita em sua Redação, porque teria vetado a manchete “Aterro poderá receber lixo tóxico e radioativo” desta sexta (10). Tóxico, sim. Radioativo? Só passando por cima da CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear).

Os rejeitos gerados ao longo de mais de quatro décadas, encontram-se armazenados em instalações pertencentes ou supervisionadas pela CNEN. Esses rejeitos dão um volume de 13.700 m³. A cada ano, a CNEN realiza operações de recolhimento de rejeitos em todo o país. Jamais poderiam ser armazenados em Olímpia, só mesmo no jornalismo de aluguel.

DSC06868 Aliás, esse detalhe que fugiu ao escrevinhador da malfadada manchete foi bem explicado em junho passado pela advogada Marcela Belic Cherubini e pelo engenheiro Sebastião Ney Vaz, a convite da própria Mesa da Câmara, para a própria vereadora que, de público, levantou essa questão, agora escrita com todas as grandezas em seu jornal, e a resposta foi testemunhada até pelo prefeito Geninho Zuliani. Marcela riu: “Nuclear? Radioativo? De jeito nenhum, é outra legislação”. É que o redator faltou à essa audiência.

O LIXO NUCLEAR

atyom Segundo o site da CNEN, o lixo radioativo é produzido em todos os estágios do ciclo do combustível nuclear- desde a mineração do urânio até o reprocessamento de combustível nuclear irradiado. Grande parte desse lixo permanecerá radioativo por milhares de anos, deixando uma herança mortal para as futuras gerações. Portanto, o grande desafio é como mantê-lo em condições seguras e invioláveis por tanto tempo. Mas, embora tudo isto seja aterrorizante, a Agência Internacional de Energia Atômica informa que o que há de lixo radioativo, depois de 50 anos de uso comercial da energia nuclear, não enche um estádio de futebol.

Já surgiram propostas para se dispor de tais resíduos, inclusive colocá-los em foguetes e dispará-los para o sol. A maioria das “soluções” atualmente propostas para a disposição final do lixo radioativo envolve seu enterro no subsolo numa embalagem especial com proteção forte o bastante para impedir que sua radioatividade escape.

Não bastam perfurações de teste ou levantamentos geológicos para o manejo do lixo radioativo. Os testes adequados demandariam dezenas de milhares de anos

Há dois riscos principais no enterro de lixo radioativo: a contaminação do ar e a da água. E não será em Olímpia, como imagina o semanário da vereadora do PRB que isso acontecerá.

O LIXO CLASSE 1

O resíduo que o futuro aterro privatizado de Olímpia poderá receber, se for mantido o texto original do Projeto de Lei do prefeito Geninho Zuliani (DEM), será, entre outros, o de Classe 1 – Resíduos perigosos: são aqueles que apresentam riscos à saúde pública e ao meio ambiente, exigindo tratamento e disposição especiais em função de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade.

REATIVIDADE vs. RADIOATIVIDADE

Reatividade, caro redator, ou vereadora, não é radioatividade. Reatividade vem de reação, química também, é verdade, mas para o lixo atômico, é outra legislação. Exemplos: Na reatividade, forma-se uma nova substância (água), com conservação dos elementos inicialmente presentes (hidrogênio e oxigênio). E na radioatividade implica alterações no núcleo do átomo. Fala-se, por isso, em reações nucleares.

A quantidade de energia envolvida em uma reação nuclear é muitíssimo maior do que a liberada em uma “explosiva” reação química.

Deu pra entender?

(Texto original do Blog do Concon®)

Protected by Copyscape Online Copyright Search

***

* Pode comentar à vontade, mas antes, por favor, leia a nossa política de comentários.

Assunto(s):

Leia também:

1 comentário

  1. hones disse:

    alias,esse jornal critica tudo que o prefeito faz,acho que eles queriam um prefeito que nao fizesse nada,igual o ultimo que saio que abandonou a cidade,o premio que o geninho ganhou eles nao publicaram,porque sera…? um grande abraço pra vc.

Faça um comentário