Village Morada Verde terá mais 350 casas liberadas por Geninho e CEF nesta segunda

Publicado em 28 de novembro de 2010 às 11h17
Atualizado em 28 de novembro de 2010 às 11h17

Pouco mais de dois meses após a assinatura do primeiro bloco de 436 casas, chegou a vez do segundo bloco com mais 350 do programa “Minha Casa, Minha Vida”, que serão liberadas nesta segunda-feira (29), às 15h, em nova cerimônia na Casa de Cultura de Olímpia.

minhacasaminhavida12__publico_geral

O prefeito Geninho Zuliani (DEM) confirmou na manhã deste domingo ao Portal de Notícias (Blog do Concon), que diretores da Caixa Econômica Federal (CEF) estarão mais uma vez na cidade para assinarem, com ele, a segunda e última etapa do programa federal de construção de unidades habitacionais, totalizando assim as 786 prometidas para Olímpia.

‘CASE’ DE SUCESSO

DSC00911Aliás, Olímpia foi tão importante para o programa, que superintendentes, diretores e funcionários estiveram em peso na assinatura do primeiro bloco do residencial Village Morada Verde, em 17 de setembro passado, também na Casa de Cultura. Afinal, eles vieram anunciar que as próximas 100 mil casas que a CEF ainda dispõe dentro do programa federal, em todo o País, seguirá o ‘caso de sucesso, pioneiro e inédito’ de Olímpia, ou seja, através de um correspondente bancário Caixa, aliviando as agências e agilizando, e muito, todo o processo.

DSC00897Todo o processo do “Minha Casa, Minha Vida” em Olímpia se processou através de um correspondente bancário Caixa, no caso, a ICJ Assessoria Imobiliária, sob a responsabilidade de Ivan Castro Jodas. Foi um risco para a CEF, para a ICJ e para o sucesso do programa, mas deu certo.

No dia 24 de junho passado, feriado local do padroeiro São João Batista, Jodas instalou uma ‘filial’ da CEF na praça Rui Barbosa, com 20 funcionários. Lá colheu inscrições, orientou, tirou xerox de documentos dos mutuários, fez o cadastro e a triagem. Como se fosse uma agência de verdade.

E deu certo: pouco mais de dois meses, os mutuários começaram a assinar os contratos e poderão até, conforme sugeriu o superintendente estadual do programa, “fiscalizar o andamento das obras, corrigindo até o tijolinho da parede que ficou torto”.

PREFEITURA PARCEIRA

“Não se faz um projeto dessa grandiosidade se não tivermos o envolvimento da DSC00885prefeitura e do legislativo. O programa Minha Casa, Minha Vida, dá os caminhos, faz a legislação possível para isso, mas se não houver o empenho pessoal dos que comandam o Executivo e o Legislativo, não tem como sair”, ressaltou o superintendente regional da CEF, no lançamento da primeira etapa, Clayton Rosa, de Rio Preto.

Segundo ele, “esse empreendimento só foi acontecer porque teve infra-estrutura cedida pela própria prefeitura. A Construtora, por si só, não teria condições de realizar o empreendimento se não tivesse esse desprendimento da prefeitura, e aí destaco o que sempre disse: esse programa pode ser estendido para qualquer município, mas se ele não tiver o desprendimento de trabalhar o público, a demanda, e o quanto elas podem pagar, não tem como dar certo”.

* Pode comentar à vontade, mas antes, por favor, leia a nossa política de comentários.

Assunto(s):

Leia também:

2 comentários

  1. Peterson Orlando disse:

    Boa tarde Leonardo.

    Quando menciona assinatura da 2ª e última etapa do programa você se refere da assinatura do prefeito com os diretores da caixa ok? Não que seja o último lote de assinaturas dos contemplados.

Faça um comentário