Vencer o Negativismo

Publicado em 10 de julho de 2015 às 10h41
Atualizado em 10 de julho de 2015 às 10h41

Por Ivanaldo Mendonça — O negativismo, como uma avalanche, cada vez mais, toma posse das pessoas. Aqui, tomar posse contrapõe-se a invadir, significando que, de alguma forma, as pessoas permitem que o negativismo as abrace e envolva. “Não vai dar certo”, “isso aconteceu comigo”, “no começo é tudo mil maravilhas, mas depois…”, e tantas outras expressões traduzem a força imperiosa do negativismo.

negativismo-nao

O domínio negativista é reforçado por relatos de tentativas frustradas e insucessos, em sua maioria, resultados, igualmente, de procedimentos inadequados à obtenção dos propósitos almejados. É como se, para chegar ao topo de um prédio de 12 andares, fosse utilizada uma escada de 10 metros. A melhor escada, a mais reforçada, a mais cara, a mais bonita, porém, de apenas 10 metros, portanto, inadequada. Resultado? Impossível chegar ao topo.

O relator da frustrante experiência considera o procedimento adotado, o uso de uma escada de 10 metros e suas qualidades, como o melhor possível. Não se dá conta de que, serviu-se de um recurso inadequado e que, por isso, consequentemente, a experiência foi negativa. Em outros tantos campos e dimensões da vida, desde o material ao espiritual, o desfecho se repete, pois a aplicação de procedimentos inadequados, o uso de recursos inadequados compromete o êxito almejado, fazendo irromper o insucesso e, com ele, o negativismo, que de muitos, tornou-se companheiro inseparável.

“O que procuras? Porque procurais entre os mortos Àquele que está vivo?”. Assim foram interpeladas as mulheres que, indo ao sepulcro de Jesus e encontrando a pedra removida, conforme narra o Evangelho, puseram-se a chorar. O Senhor está vivo! Ressuscitou! A pergunta feita às mulheres ecoa, ultrapassando o tempo, chega até nós: porque procurais soluções positivas servindo-se de procedimentos e recursos inadequados? Porque procurais vida em meio à morte, luz na escuridão, crescimento e amadurecimento na mesmice, felicidade no pessimismo e negativismo?

Mais que respostas prontas e acabadas, somos convidados a assumir a postura de quem está no caminho da contínua construção-reconstrução. Pessimismo, negativismo e espírito de morte, têm palavra definitiva sobre quem quer seguir em frente olhando para trás, fechado, insensível às necessárias mudanças que o processo de desenvolvimento e amadurecimento exige.

A interpelação feita às mulheres foi fundamental para que os primeiros cristãos se abrissem à novidade da fé, deixando-se reconstruir pela força da Ressurreição. Abracemos corajosamente este caminho, permitindo-nos ser construídos-reconstruídos, superando toda e qualquer espécie de negativismo.

Ivanaldo Mendonça, Padre, Pós-graduado em Psicologia – [email protected]

Assunto(s):

Leia também:

Faça um comentário