Ser Prudente

Publicado em 14 de junho de 2014 às 12h21
Atualizado em 14 de junho de 2014 às 12h24

Por Ivanaldo Mendonça —Entre as principais causas do fracasso humano está a imprudência. Ela provoca acidentes fatais, compromete a execução de excelentes projetos, sabota sonhos justos e nobres. Angústia e sofrimento aumentam ainda mais quando, mesmo seguindo rigidamente os passos lógicos, abraça-se a derrota e a desilusão, restando a impressão de que os esforços investidos foram em vão. Prezaste pela prudência? Permita-se refletir.

artigo-padre

Prudência é muito mais que cuidado e cautela. Ser prudente significa, considerar, além do objetivo a ser atingido, a forma correta de proceder, o como se faz. A virtude da prudência permite que administremo-nos, adequadamente, a nós mesmos, e o que está à nossa volta. Agir bem supõe fazer as coisas do jeito certo, por uma decisão correta e não simplesmente por impulso, medo, emoção ou pressa.

Vou estudar ou passear? Depende da hora! Na hora de estudar, estudar; na hora de passear, passear. A prudência nos ajuda a compreender essas coisas. Seu lema é: fazer o que é certo, na hora certa, do jeito certo. Três elementos básicos compõe a ação prudente: retidão, intelecção e ação.

Retidão é a capacidade de abertura, acolhida e escuta atenta. Exige liberdade em relação à pré-conceitos e pré-julgamentos; é uma atitude silenciosa, processada no íntimo de nós. Tantas vezes é acompanhada pelo espanto e assombro, reação considerada pelos filósofos, essencial no processo de obtenção do conhecimento, pois desconstrói para reconstruir, sobre alicerces mais fortes.

A intelecção, ato de entender, refere-se ao pensar orientado pelo bom senso, num primeiro momento, contemplativa e silenciosa, abre espaço, num segundo momento, à crítica, promovendo questionamentos necessários e saudáveis. A ação, filha bem gerada, diz respeito àquilo que, de fato, deve ser feito.

Prudência se cultiva! A consequência desse processo possibilita que os objetivos sejam atingidos com eficiência e eficácia. Importante também quando percebemos que o caminho seguido não levará ao êxito, tendo assim, a possibilidade de refazer o percurso de maneira correta.

A contribuição da filosofia é valiosa. Sêneca ensina: “O homem vive preocupado em viver muito e não em viver bem”. Tomás de Aquino pontua: “viver bem é agir bem”. Só existe uma maneira de viver bem: agir bem. Façamos da prudência um hábito na arte do bem viver. Ela é a mãe de todas as virtudes. Sejam os prudentes!

Ivanaldo Mendonça é Padre, Pós-graduado em Psicologia, [email protected]

Assunto(s):

Leia também:

Faça um comentário