Prefeito só foi descobrir agora empréstimos de R$ 743 mil que Carneiro não pagou

Publicado em 12 de outubro de 2009 às 3h02
Atualizado em 12 de outubro de 2009 às 11h25

Em seu Twitter (@geninhozuliani) o prefeito de Olímpia desaba:

“Mais uma dívida, Diário da Região de hoje: Olímpia deve R$ 743 mil para instituições financeiras privadas, eta herança maldita…”

Ele se referia à edição de ontem, domingo (11), do terceiro maior jornal do interior paulista, Diário da Região, de São José do Rio Preto, que trouxe como manchete: “Região deve R$ 75 milhões à União e bancos”, de Jocelito Paganelli.

Dos 32 municípios da região, Olímpia e Santa Adélia são os únicos que devem para instituições financeiras privadas. Para o prefeito Geninho Zuliani (DEM), essa dívida só foi ser conhecida por ele no mês passado, ao procurar o Banco do Brasil para renovar a frota oficial.

Nem ele sabe direito quando e como essa dívida foi contraída.

Leia a reportagem completa:

Região deve R$ 75 milhões à União e bancos

Jocelito Paganelli

Geninho, prefeito de Olímpia, desconhecia dívidas com bancos - Foto: Edivaldo Santos

Geninho, prefeito de Olímpia, desconhecia dívidas com bancos - Foto: Edivaldo Santos

As dívidas dos municípios da região com o governo federal e instituições financeiras (bancos públicos e privados) somam R$ 75,1 milhões. A Prefeitura de Rio Preto deve sozinha R$ 57,4 milhões, dinheiro emprestado para a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Já as prefeituras de Votuporanga e Catanduva devem R$ 9,8 milhões e R$ 1,7 milhões, respectivamente. Dos municípios da região, Olímpia é o que mantém o maior endividamento com bancos privados. De acordo com dados do Banco Central (Bacen), a Prefeitura de Olímpia deve R$ 743 mil a instituições privadas. Os dados das dívidas dos municípios divulgados pelo Bacen não incluem informações para a dívida externa, mobiliária e junto ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) ou outras instituições não financeiras que não o Tesouro Nacional.

De acordo com o secretário de Finanças de Votuporanga, Oscar Guarizo, o valor da dívida do município corresponde a um parcelamento do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), além de convênios assinados para a construção de galerias de água. No entanto, a principal dívida da Prefeitura está ligada à construção da lagoa de tratamento de esgoto, que consumirá R$ 4,5 milhões dos cofres públicos ao longo dos próximos 10 anos. “A dívida da lagoa de tratamento será paga até 2019”, disse. Para Guarizo, os empréstimos com pagamento a longo prazo representam a única saída para a realização de grandes obras. Apesar de orçamento estimado em R$ 130 milhões, a Prefeitura de Votuporanga não teria condições de custear o valor total da construção da lagoa de tratamento, orçada em R$ 15 milhões, sem onerar outros setores da administração. “A prefeitura tinha uma parte dos recursos e precisou financiar o restante da obra. Não podemos investir todos os nossos recurso no saneamento e deixar, por exemplo, de cuidar da educação”, afirmou o secretário.

Com dívidas que ainda não ultrapassam a casa dos R$ 2 milhões, a Prefeitura de Catanduva se prepara para contrair empréstimos de R$ 10 milhões da Caixa Econômica Federal e de US$ 8 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Esses recursos serão injetados na despoluição do rio São Domingos, que corta a região central da cidade. “Em novembro a prefeitura deve confirmar os dois empréstimos”, disse o secretário de Finanças, José Francisco Limone. A Prefeitura de Catanduva tem orçamento estimado para 2010 de R$ 229,9 milhões. No entanto, assim como Votuporanga não é capaz de custear sozinha a obra de despoluição de rio São Domingo sem onerar outras áreas da administração. “A prefeitura tem capacidade de endividamento para honrar esse empréstimo”, afirmou.

Nome sujo

Até o início do mês passado a prefeito de Olímpia, Geninho Zuliani (DEM ), desconhecia a dívida de R$ 743 mil que a Prefeitura de Olímpia tem com um banco privado. “Só tomei conhecimento dessa dívida quanto procurei o Banco do Brasil para inscrever a prefeitura num programa de crédito para renovar a frota oficial. O gerente me informou que só poderia assinar convênios após renegociar esse valor (de R$ 743 mil)”, disse. No entanto, o prefeito sequer sabe quando e como essa dívida foi contraída.

Geninho encaminhou ofício à Secretaria do Tesouro Nacional para levantar informações sobre a pendência que deixou a Prefeitura de Olímpia com o “nome sujo”. “Preciso identificar a origem dessa dívida para negocia-la e, com isso, limpar o nome da prefeitura”, afirmo o Prefeito. A secretaria do Tesouro ainda não respondeu ao ofício. O Diário tentou conversar com a secretária da Fazenda de Rio Preto, Mary Brito, mas ela não foi localizada para comentar a dívida da Prefeitura. Dos 32 municípios pesquisados pela reportagem, pelo menos 15 não possuem dívidas, de acordo com dados do Bacen.

Faça um comentário