Eduardo Barbeiro, um dos baluartes da Doutrina Espírita, desencarna nesta terça

Publicado em 27 de dezembro de 2011 às 16h00
Atualizado em 28 de dezembro de 2011 às 12h03

Olímpia perdeu hoje um dos baluartes do Espiritismo, Eduardo Alves de Souza, conhecido como Eduardo Barbeiro. Ele faleceu aos 79 anos de idade, deixando esposa, três filhos e netos. Por  mais de 50 anos, foi presidente e diretor do Centro Espírita Fora da Caridade não há Salvação, a instituição espírita mais antiga da cidade.

Ele exerceu o seu trabalho na seara espírita até ontem á noite, prestando atendimento espiritual pelos seus elevados conhecimentos da Doutrina Espírita. O provedor da Santa Casa, advogado, corretor e escritor, Mário Montini, lhe dedica uma crônica.

Foi também um dos fundadores da Campanha Auta de Souza, da Cruzada Assistencial Espírita e trabalhou nela até recentemente.

De fato, foi um dos grandes nomes do Espiritismo olimpiense, sempre estudioso e praticante da Doutrina do Consolador.

HOMENAGEM

O provedor da Santa Casa de Misericórdia de Olímpia, advogado, corretor e escritor, Mário Montini, dedicou uma crônica ao “seu” Eduardo.

Mais uma vez a vida se engrandece, pois parte ao mundo espiritual um grande espírita, o “seu” Eduardo Alves de Souza, levando consigo um cabedal de conhecimentos adquiridos ao longo de seus mais de cinquenta anos de Doutrina Espírita e com seus notáveis trabalhos em prol da caridade.

Tinha ele conhecimentos profundos das obras de Allan Kardec. Conhecia como poucos o Livro dos Espíritos e o Evangelho Segundo o Espiritismo, mas não se cansava de ler e reler o livro Paulo e Estevão da obra de Chico Xavier.

Nos idos da década de 60, quando assumiu a “reconstrução” do Centro Espírita “Fora da Caridade Não Há Salvação”, fazendo com as próprias mãos a limpeza do salão de palestras, fez da mesa de oração um dos mais responsáveis trabalhos de doutrinação desta cidade e região.

Sua respeitabilidade atingia todas as classes sociais e jamais se ouviu uma reclamação deste incansável trabalhador da Seara Espírita, que, embora sua idade e os problemas de saúde por qual experimentou, jamais quis deixar o trabalho que prestou até a última noite que esteve entre os encarnados.

Embora realizasse a caridade espiritual, usando das suas mãos para transferir energias magnéticas no passe espiritual, tanto quanto usando de seus conhecimentos para dar respostas àqueles que buscavam o conforto aos infortúnios, sempre atuava na caridade material, todos os domingos na campanha “Auta de Souza”, cuja finalidade era angariar alimentos de casa em casa para alimentar diversas famílias pobres e a sopa servida todos os dias à tarde na Cruzada Assistencial Espírita, bem como nas diversas campanhas fomentadas entre os espíritas para doar cestas de natal aos menos afortunados.

Sua palavra mansa e firme, sua orientação experimentada na vida doutrinária, seu exemplo de vida e de trabalho, muito nos conforta neste momento em que entendemos ter chegado sua hora, a hora de contribuir no mundo espiritual com aqueles que ainda não compreenderam as verdades da vida, ainda não conheceram o Espírito de Verdade, e, para tantos, o Consolador Prometido.

O conforto desta passagem sabida, mas inesperada, pois sempre há mais o que se fazer nesta vida para realmente cumprirmos com os desígnios da reencarnação, está no fato de poder dizer que o “seu” Eduardo cumpriu sua missão, não havendo nada mais gratificante para sua família que reconhecer no seu trabalho a alegria desta prestimosa convivência.

Realmente podemos imaginar que a Doutrina Espírita em Olímpia perde um pouco pelo desencarne do “seu” Eduardo, mas quero crer que essa perda se faz revertida na oportunidade de repensar as nossas responsabilidades espirituais, oportunidade de abrir caminho para novos trabalhadores da última hora, novos caminhos de realização da caridade, pois Fora da Caridade Não Há Salvação.

Orai por nós, “seu” Eduardo. Oremos nós por ele, como ele o fez em cada dia de trabalho na nossa Casa Espírita.

***

 

* Fique à vontade para dar a sua opinião, mas atenção: se ele não aparecer no mesmo dia é porque, com certeza, você não leu a nossa política de comentários. No momento, está sob moderação.

Assunto(s): , ,

Leia também:

10 comentários

  1. julianne disse:

    O senhor Eduardo foi e será sempre um grande homem…Sentirei saudades de seus boms ensinamentos.

  2. julianne disse:

    O senhor Eduardo foi e será sempre um grande homem…Sentirei saudades de seus bons ensinamentos.

  3. Wanger disse:

    Conheci Seu Eduardo num momento em que havia perdido o meu pai. Desde então, minha vida ficou MUITO mais enriquecida devido ao seu elevado nível espiritual, generosidade, simplicidade e forte convicção pela vida após a morte (a qual acredito fielmente). Que a Paz do Senhor esteja com ele. Perdemos aqui um GRANDE HOMEM. No Céu, ganharam uma ALMA LINDA e ILUMINADA.

  4. nubia disse:

    Sr.Eduardo,grande homem,,grande espirita era meu vizinho morava bem antes de eu nascer ele já morava em frente minha casa,foi meu pai p.q doe seu sangue p/me ajudar eu sou espirita do fora da caridade,e seus ensinamentos vão comigo para sempre,seu Edu sei que hoje na pátria espiritual
    está feliz p.q ele sempre dizia …é muito bom morrer…p.q a morte ñ existe…e se aqui na terra formos uma pessoa do bem q.tem amor e caridade já estamos nos melhorando um poco…mas para chegar do grau do sr.Eduardo acho que preciso de muitas reencarnações …eu te amo sr.Eduardo…a saudade é grande mas o sr.está feliz…agora o trabalho do sr.é na seara de Jesus.

  5. Mário Montini disse:

    CRÔNICA – FRATERNO CONFRADE “SEU” EDUARDO ALVES DE SOUZA

    Mais uma vez a vida se engrandece, pois parte ao mundo espiritual um grande espírita, o “seu” Eduardo Alves de Souza, levando consigo um cabedal de conhecimentos adquiridos ao longo de seus mais de cinquenta anos de Doutrina Espírita e com seus notáveis trabalhos em prol da caridade.
    Tinha ele conhecimentos profundos das obras de Allan Kardec. Conhecia como poucos o Livro dos Espíritos e o Evangelho Segundo o Espiritismo, mas não se cansava de ler e reler o livro Paulo e Estevão da obra de Chico Xavier.
    Nos idos da década de 60, quando assumiu a “reconstrução” do Centro Espírita “Fora da Caridade Não Há Salvação”, fazendo com as próprias mãos a limpeza do salão de palestras, fez da mesa de oração um dos mais responsáveis trabalhos de doutrinação desta cidade e região.
    Sua respeitabilidade atingia todas as classes sociais e jamais se ouviu uma reclamação deste incansável trabalhador da Seara Espírita, que, embora sua idade e os problemas de saúde por qual experimentou, jamais quis deixar o trabalho que prestou até a última noite que esteve entre os encarnados.
    Embora realizasse a caridade espiritual, usando das suas mãos para transferir energias magnéticas no passe espiritual, tanto quanto usando de seus conhecimentos para dar respostas àqueles que buscavam o conforto aos infortúnios, sempre atuava na caridade material, todos os domingos na campanha “Auta de Souza”, cuja finalidade era angariar alimentos de casa em casa para alimentar diversas famílias pobres e a sopa servida todos os dias à tarde na Cruzada Assistencial Espírita, bem como nas diversas campanhas fomentadas entre os espíritas para doar cestas de natal aos menos afortunados.
    Sua palavra mansa e firme, sua orientação experimentada na vida doutrinária, seu exemplo de vida e de trabalho, muito nos conforta neste momento em que entendemos ter chegado sua hora, a hora de contribuir no mundo espiritual com aqueles que ainda não compreenderam as verdades da vida, ainda não conheceram o Espírito de Verdade, e, para tantos, o Consolador Prometido.
    O conforto desta passagem sabida, mas inesperada, pois sempre há mais o que se fazer nesta vida para realmente cumprirmos com os desígnios da reencarnação, está no fato de poder dizer que o “seu” Eduardo cumpriu sua missão, não havendo nada mais gratificante para sua família que reconhecer no seu trabalho a alegria desta prestimosa convivência.
    Realmente podemos imaginar que a Doutrina Espírita em Olímpia perde um pouco pelo desencarne do “seu” Eduardo, mas quero crer que essa perda se faz revertida na oportunidade de repensar as nossas responsabilidades espirituais, oportunidade de abrir caminho para novos trabalhadores da última hora, novos caminhos de realização da caridade, pois Fora da Caridade Não Há Salvação.
    Orai por nós, “seu” Eduardo. Oremos nós por ele, como ele o fez em cada dia de trabalho na nossa Casa Espírita.

    Mário Francisco Montini
    Um Amigo Espírita

  6. GENTE, PODES CRER ELE FOI PARA O CÉU DIRETO, ESTÁ DESFRUTANDO DAS VEREDAS ESPIRITUAIS NO QUAL ELE SEMPRE CONTOU EM SUAS PALESTRAS QUE EXISTE, ESSE LUGAR LINDO DE LUZ E DE MUITA PAZ. AQUI NA TERRA SR. EDUARDO FOI UM EXEMPLO DE HOMEM ,UM PROFESSOR ENSINANDO A TODOS COMO SER HOMENS DE BEM. ESTEJA JUNTO DO SENHOR NOS ILUMINANDO DAS ALTURAS.
    HOMENAGEM DO MARQUINHOS ZANGIROLAMI

  7. cassia disse:

    Perdemos um grande Pai, um ser humano magnífico!! Apenas nos restaram
    as saudades, mas tenho certeza q ele está em paz com o Mestre Jesus da qual ele tinha uma fé inabalável!! Nosso irmão Eduardo tenho certeza q vc em breve estará conosco trabalhando incansavelmente na seara de Jesus!!! muita luz na sua nova vida te desejo de coração meu grande professor da Doutrina Espírita nós nos amamos como amigo e como irmão! Até breve!!………

  8. Carmen L. Neves. disse:

    Ao Seu Eduardo…
    O dia ontem esteve sem cor, sem brilho…Uma grande Luz nos deixou neste plano…Foi ser recebido em grande festa pelos Espiritos de Luz! Ah seu Eduardo, que agora possa nos ensinar de outro modo, mas esteje sempre do nosso lado.
    As pessoas se tornam especiais não só pela maneira de ser ou agir, mais sim pela profundidade em que atigem nossos sentimentos!
    -Não temas a (morte)desencarne – quanto mais cedo desencarnares (morreres), mais tempo serás IMORTAL !
    QUE ASSIM SEJE, NOSSO QUERIDO MESTRE!

  9. Antonio da Silva Landi disse:

    O Sr. Eduardo foi um grande homem , um grande espirito, infinitamente bom , que o Senhor Nosso Deus o receba em sua nova morada

  10. Gabriel disse:

    Sr.Eduardo…obrigado por td,por ter sido a pessoa maravilhosa que o Sr.sempre foi,sinto sua falta ñ o vejo
    td vez que sai na porta,e o via sentado no alpendre,sabado foi a ultima visita que o sr.fez a minha avó,vizinhos de mais de 50 anos…o sr era de nossa familia e tenho certeza que eramos tbm p/o Sr,hj no plano espiritual onde o sr.sempre disse ser lindo…sei que o sr está em paz sr.Eduardo,será eterno em nossos corações,amaremos para sempre .

Resposta para julianne