De 2000 a 2008 salários dos servidores só caíram e de 2009 até hoje só há ganhos reais, demonstram estudos do sindicato da categoria

Publicado em 16 de dezembro de 2011 às 16h32
Atualizado em 16 de dezembro de 2011 às 16h32

DSCN8847[1]O sindicato dos servidores municipais de Olímpia divulga um levantamento em que demonstra a perda salarial do período 2001 a 2008, da gestão do ex-prefeito Luiz Fernando Carneiro (PMDB), e que em 2005, 2006 e 2007 os servidores chegaram a receber 7%, 12% e 22%, respectivamente, menos do que o salário mínimo.

Com isso, para não ferir a Consti­tuição e causar sérios problemas judiciais, a gestão passada realizou uma complementação sala­rial, no final da gestão, com abonos nos valores de R$30, R$50 e R$100, respectivamente.

“No governo anterior vimos o pior período para o funcionalismo, já que concedia abonos que não eram incorporados aos salários, defasando ano a ano os nossos vencimentos diante da inflação”, disse o presidente Jesus Buzzo.

“No decorrer da administração 2001-2008 a perda sa­larial foi extrema e o funcionalismo municipal muito sofreu, sendo que em 2007, segundo o sindicato e conforme descrito acima, o piso ficou 22% menor que o salário mínimo nacional”, explica Buzzo.

Segundo o presidente, “mesmo deixando o funcionalismo a míngua du­rante sete anos, com um piso muito abaixo do sala­rio mínimo nacional, a administração anterior pro­moveu, no período de 2001 a 2008, aumento de até 518%, concedido somente para os apadrinhados. Total, completa e até mesmo criminosa atitude de desrespeito ao digno funcionário público municipal olimpiense”.

Jesus Buzzo revelou, ainda, que, em 2003, muitos servidores tiveram seus vencimentos reduzidos. “Um confronto direto contra a irredutibi­lidade de vencimentos, direito adquirido e funda­mental chancelado pelo Supremo Tribunal Federal”, acrescentou.

Já no período de 2005 a 2007, na antiga gestão municipal, “os professores admitidos em caráter temporário não receberam aumento”, ressaltou Buzzo.

De acordo com o sindicato da categoria, nos oito anos da administração anterior o funcionalismo perdeu 63% em relação ao salário mínimo nacional, “além do crescente desrespeito ao funcionalismo pú­blico municipal de nossa cidade praticado pela, por que não dizer, antiga e retrógrada gestão anterior”, segundo a nota divulgada hoje.

Segundo o sindicato, a partir do ano de 2009, na atual administração, “os servidores começaram a ter a reposição salarial de forma igualitária para todos, resultando um ganho de 17% acima do salário mínimo nacional. É clara a diferença e o funcionalismo na atual administração é respeitado”.

“A atual administração vem cobrindo todas as de­fasagens do governo anterior, não havendo mais ab­surdas divergências e nem mesmo a necessidade da concessão de abonos”, esclarece o líder sindical dos servidores.

Por iniciativa do Sindicato, para 2012 as negociações começaram desde o início do segundo semestre deste ano. Em assembleia realizada no último dia 6, foi aprovado pela maioria dos servi­dores o reajuste para o próximo ano com os seguintes itens: 7% de reajuste salarial e o mesmo índice aplicado no abono assiduidade. “De forma in­édita conseguiu-se a implantação por meio de Lei o tão sonhado e reivindicado vale alimentação, velho sonho da categoria. A maioria venceu”, comentou Jesus Buzzo.

Segundo o sindicato, “uma enorme conquista do servidor municipal de Olímpia foi o projeto de Lei 4.233, que institui a Gratificação por Assiduidade, aprovado em 2010 pela maioria dos vereadores, através da iniciativa do prefeito Geninho Zuliani (DEM), e que foi imitado pela administração de Rio Preto em fe­vereiro deste ano. Só que em Rio Preto, ao invés do dinheiro ser oferecido ao servidor que mantiver as­siduidade, o prêmio se reverte em pontos, e apenas para os professores”.

Buzzo tem a certeza de que “hoje, o servidor municipal olimpiense está muito satisfeito com a atual gestão, pelo respeito e com­panheirismo ao funcionalismo de modo geral, sem perseguições e privilégios apenas para alguns como era feito em gestões anteriores”.

Veja abaixo algumas das diferenças do trato com o funcionalismo nas gestões passadas e na atual.

Assunto(s):

Leia também:

7 comentários

  1. valeria disse:

    Bom o salário dos professores recebeu um aumento de 7% e um vale alimentaçao de 50 reias , enaqunto o salário mínimo o aumento foi de 12%.
    Infelizmente a educação não é valorizada no Brasil!
    Os professores se dedicão por vocação e amor ao pequenos.

  2. Jesus Buzzo disse:

    Bom dia, Valéria, nos dirigentes do sindicato lutamos pela categoria, e sempre democráticamente colocamos as propostas em votação, e sempre acatamos o que for aprovado pela maioria dos servidores presentes, somente para lembar o piso salarial do municipio em 2000 era 58% acima do salario mínimo, neste periodo o piso do professor da rede municipal era de 4,2 salario mínimo, em 2007 o piso do professor foi de 1.70 do salario minimo, já o piso do municipio conseguiu a proeza 22% abaixo do salario minimo, essas comparações, são para demonstrar que desde que o sindicato começou a atuar não prometemos e nem conseguimos grandes façanhas mas sempre lutamos para que o direito da isonomia fosse respeitado.
    Abraços

  3. Jesus Buzzo disse:

    Bom dia, o reajuste de 7%, foi votado em assembleia de forma democrática, e o sindicato sempre respeitou e sempre acatará o que for decidido pela maioria dos servidores presentes, já em referencia ao auxilio alimentação coseguimos de forma indita com o valor de R$50,00, e na propria lei já está estipulado o reajuste de 30% a partir de 2013, e, 25% a partir de 2014, esse é um beneficio avaliado à longo prazo.
    Abraços , Jesus Buzzo

  4. alice disse:

    o q vc compra hj em dia no supermercado com apenas R$ 50,00???? NADA né??? praticamente ……imagine para quem sustenta uma família com criança…. eu não digo por mim, pois nao sou mãe e nem arrimo de família… mas deveria pensar nessas famílias….o auxilio alimentaçao é muito bom, com certeza… mas poderia ser um pouco maior…. pense bem para o próximo reajuste!

  5. Jameson disse:

    Jesus Buzzo, é uma situação delicada ficar à frente de um Sindicato e receber todo o tipo de cobrança, é um trabalho árduo e espero que você esteja preparado para o seu trabalho de representar todos servidores municipais e cobrar tratamento igual para todos em questões salariais, direitos e obrigações e, quero que você me responda uma coisa publicamente neste espaço, porque tem que haver uma explicação para aqueles que não foram tratados com igualdade. Você fala de “isonomia”. Pelo que sei isonomia é tratar a todos igualmente. Mas como pode o Prefeito fazer uma lei, primeiramente, excluindo o Médico e o Dentista da mesma classificação para efeitos de reajuste salarial, e dar reajuste diferenciado apenas para os médicos, e ainda incluir o médico veterinário que não se trata de especialidade médica e sim de outra profissão ???? E o Dentista como é que fica ? E os demais profissionais como é que fica ? cadê a igualdade ?

  6. Jesus Buzzo disse:

    Bom dia, dona Alice, quanto ao valor do auxilio alimentação, na propria lei já está definido o reajuste de 30% a partir de janeiro de 2013, e 25% a partir de janeiro de 2014, portanto se o auxilio alimentação já existisse a pelo menos 10 anos, no mesmo percentual de 8%, do salario minimo e aplicando um reajuste de aproximadamente de 25% ,
    o valor aproximado hoje seria de R$111,00, par você vê como é importante a instituição desse tipo de beneficio aos servidores .

    Abraços.

  7. Jesus Buzzo disse:

    Bom dia Jameson, olha as cobranças faz parte de nosso crescimento, quanto a representação nosso trabalho sempre será voltado para o coletivo, por que não adianta reivindicar, se não temos muitas vezes o apoio da categoria, pois em um universo de mais de 1000 servidores, em nossa últma assembleia estavam presentes 65 servidores. Agora citando a questão da isonomia você pode verificar que em todos os reajustes ou reposições que participamos os percentuais foram iguais para todos. Agora esclarecendo a questão dos profissionais da área da saúde o que prevaleu foi o interesse individual em detrimento do coletivo da classe, já que niguem procurou a entidade é sempre cada um por si, portanto aproveito este espaço para conclamar à todos os servidores a unirem-se em torno de nossa entidade pois somente unidos é que seremos fortes para vencer as batalhas do dia a dia.
    Abraços

Faça um comentário