tarifas-taxi_thumb.jpg

Sem lei, taxistas criam tabela e geram dúvidas até entre eles. Prodem quer lei e taxímetro

Os usuários de táxi de Olímpia continuam tendo a necessidade de pesquisar, se possível, as tarifas cobradas por vários profissionais. É que, conforme foi divulgado pelo Diário, com exclusividade, sem uma legislação municipal que regulamente a concessão e o uso, exceto apenas por um antigo decreto, e sem um estudo mais acurado dos últimos índices inflacionários, eles, por si só, decidiram reajustar a tarifa básica de R$ 10 para R$ 13. E, mais: incluiram novas modalidades, tipo a corrida dentro do ‘quadrilátero central’, o ‘bairro-centro’ (e vice-versa), o ‘bairro-bairro’ e, curiosamente, a ‘corrida de mercado’.

tarifas-taxi

Detalhe: felizmente, não são todos os que estão praticando essa tabela que, alguns taxistas, ostentam diante do parabrisa do passageiro (veja foto). Ainda é possível encontrar profissional que, em seu âmago, considera o reajuste de 30% ‘puxado’ e ainda cobra R$ 10, independente se vai dar volta no quarteirão ou se é de bairro para bairro, exceto viagens além das 22h, para a zona rural ou cidades vizinhas que possuem, por exemplo, aeroportos, como Rio Preto e Barretos.

Para se ter uma ideia, os taxistas criaram uma tabela com reajuste de 30%, superior à inflação dos últimos seis anos. E os novos roteiros podem criar arbitrariedade de interpretação e dúvidas entre os usuários. E alguns taxistas sequer estão na praça há tanto tempo.

Mas, essa situação poderá ser por tempo determinado, devido às mudanças que serão feitas pela Prefeitura de Olímpia.

O Diário consultou nesta segunda-feira (21) o novo diretor-presidente da Prodem (empresa pública que gerencia, entre outras áreas, o transporte coletivo urbano, como mototaxis e ônibus coletivos), engenheiro Amaury Hernandez, sobre o assunto, e ele adiantou que já está estudando com o prefeito Geninho Zuliani (DEM) uma legislação ‘mais moderna e atrelada ao poder público municipal, conferindo-lhe, inclusive, o direito de instituir a tarifa anual, como ocorre em outros serviços de concessão’.

Amaury é o responsável pelo avanço tecnológico e de eficiência no trânsito de Olímpia na gestão anterior, do reeleito Geninho Zuliani, e conhece a situação. Ele também trabalhou na área em Rio Preto e, por isso, já tem um modelo de nova legislação de uso e concessão do serviço de táxi em Olímpia, inclusive em ‘caráter precário’, ou seja, como o motorista iniciante que possui apenas uma ‘permissão para dirigir’ por um ano.

Além disso, estão em estudos duas mudanças, além da concessão da tarifa pelo prefeito: o taxímetro e a identificação do carro de praça com cores ou alguma logomarca. “O taxímetro não vai privilegiar ricos e nem pobres e vai medir, não apenas a distância entre dois pontos, mas também o tempo da corrida, entre outros fatores, é o instrumento mais democrático e funciona bem em qualquer cidade que o implante”, assegura o presidente da Prodem.

A outra medida é identificar os carros com uma única cor e logomarca, ou apenas logomarca, ainda em estudos. Sobre a situação se o proprietário usar o mesmo veículo para, digamos, um passeio, a resposta foi: “Seria o mesmo que o empresário de ônibus coletivo não quiser padronizar porque vai usar o ônibus para outros eventos, inclusive particulares, isso não é problema da concessão do serviço”.

E, também, haverá, na legislação, obrigações e deveres, tais como o motorista substituto (se o principal não quiser fazer o horário noturno, ou um plantão, por exemplo, ele acionaria o segundo motorista que ficaria nesse horário), e, o ponto nevrálgico da cidade que se quer turística: horários de funcionamento, inclusive noturno, hoje escasso de profissionais.

Com a regulamentação, e com o taxímetro, ou ao menos a implementação da lei, o prefeito poderá derrubar os preços vigentes e instituir uma tabela mais esclarecedora, detalhada, explicando onde fica o quadrilatério central, identificando os bairros a bairros, inclusive, porque a tabela, como foi feita e vem sendo, por alguns, praticada, cria uma livre arbítrio de onde começa a tarifa e de onde ela é reajustada.

Amaury prometeu definir o assunto para após o carnaval.

Um comentário em “Sem lei, taxistas criam tabela e geram dúvidas até entre eles. Prodem quer lei e taxímetro”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *