É hora de vacinar o gado contra a febre aftosa

Publicado em 01 de novembro de 2014 às 9h34
Atualizado em 01 de novembro de 2014 às 9h35

Atenção pecuaristas: começa hoje e vai até o dia 30 de novembro a segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Estado de São Paulo. Nessa etapa devem ser vacinados todos os bovídeos, ou seja, todos os bovinos e bubalinos de qualquer idade.

É preciso ainda declarar todos os animais de outras espécies existentes na propriedade, tais como: equídeos (equinos, asininos e muares), suideos (suínos, javalis e javaporco), ovinos, caprinos, aves (granjas de aves domésticas, criatórios de avestruzes). Terminado o período estabelecido pela legislação, a equipe da Defesa levanta os dados do sistema e visitam os proprietários que deixaram de vacinar ou de comprovar a vacinação.

Caso não tenha sido vacinado, são autuados e é determinada uma data para que a vacinação seja realizada na presença do técnico oficial. A vacinação contra a febre aftosa é obrigatória. O criador que não vacinar ou não comunicar a vacinação à Defesa Agropecuária será penalizado com multa de cinco Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP), ou seja, R$ 100,70 por cabeça por deixar de vacinar, e três UFESPs, ou seja, R$ 60,42 por cabeça por deixar de comunicar a vacinação. O valor de cada UFESP vale R$ 20,14.

O rebanho total paulista é estimado em 10,4 milhões de cabeças. São Paulo não registra focos da doença desde março de 1996. Na hora da vacinação, o criador deve observar alguns cuidados para garantir que não haja problemas. Primeiramente, a vacina deve ser adquirida apenas em estabelecimentos cadastrados pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária. A legislação proíbe o uso de vacinas contra a febre aftosa adquiridas em etapas de vacinações anteriores.

Também é preciso ficar atento à manutenção da vacina, que deve permanecer em uma temperatura entre dois e oito graus centígrados, tanto no transporte como no armazenamento. Para isso, deve ser usada uma caixa de isopor, com no mínimo dois terços de seu volume em gelo. A vacina nunca deve ser congelada. Além disso, é preciso manter os frascos da vacina resfriados durante a operação.

O ato da vacinação também requer alguns cuidados. Escolha o horário mais fresco do dia para realizar a vacinação e vacine, de preferência, no terço médio do pescoço do animal.

Fonte: Diarioweb

Assunto(s): ,

Leia também:

Faça um comentário