Riachuelo_thumb.jpg

Neste 11 de junho, como vai o nosso patriotismo?, pergunta Manoel Antunes

maneHá 148 anos, no dia 11 de junho de 1865, foi travada a sangrenta Batalha do Riachuelo. Manhã nublada. Densa e misteriosa bruma esconde as ribanceiras do rio Paraná, anunciando os ventos ameaçadores da conflagração iminente.

Pouco a pouco dissipa-se o nevoeiro. Um sol tímido filtra-se por entre as baixas nuvens da quadra outonal. As águas do Paraná, rio lodoso e bulhento, pontilhado de minúsculas ilhas, baixios e vegetação luxuriante, mal espelham as silhuetas das flâmulas e galhardetes que bailam, vaidosas, à mercê da brisa matinal, nos mastros das naves brasileiras fundeadas em Rincón de Lagraña.

Hora de desjejum. Cada um toma seu lugar à mesa. A manhã, agora desanuviada e silente, embala as naus brasileiras que movidas pelo vento do norte, na quietude dominical, aprontam-se.

De súbito, da canhoneira Araguari parte o brado de alerta: “Inimigo à vista!” Nove horas. Os marinheiros rapidamente assumem os postos de combate e aguarda o momento de entrar em ação. No coração de todos e de cada um pulsa o sentimento de amor à Pátria. O firme desígnio de oferecer a própria vida, se necessário for, em holocausto pela defesa do sagrado solo brasileiro.

O Almirante Barroso desfralda no mastro grande da fragata Amazonas, nau capitânia, o sinal enxadrezado: “O Brasil espera que cada um cumpra com o seu dever. Tudo pela Pátria.” Intimorato, o denodado marinheiro desce o rio em direção ao inimigo. Cruel contenda. De ambos os lados, uma nutrida chuva de metralha rasga o ar em todas as direções. A continuidade desta batalha todo mundo sabe.

Riachuelo

Aproveito este dia praticamente ignorado por todos para fazer uma pergunta: Quantos políticos e autoridades de todas as instâncias ousariam hoje com VERDADEIRO SENTIMENTO PATRIOTA ENTUSIASMAR OS BRASILEIROS com frases similares como estas que foram pronunciadas em ocasiões diferentes, mas com verdadeiro amor pela PÁTRIA AMADA: “Sigam-me os que forem brasileiros”, “ O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever”, proferidas pelo Duque de Caxias e Almirante Barroso respectivamente?

Contam-se nos dedos e ainda sobram.

Onde está o nosso patriotismo?

O gato comeu, ou as raposas que infelicitam o nosso Brasil brasileiro?

* Manoel Antunes é professor e ex-prefeito de São José do Rio Preto (SP)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *