Estão abertas inscrições para concurso de redação da TV Tem

Alunos do 1º ao 9º ano das escolas municipais, estaduais e particulares de São José do Rio Preto (SP) e região já podem se inscrever no concurso de redação organizado pela TV TEM. O tema deste ano é “amizade”.

No ano passado, na categoria poesia, o segundo lugar ficou com o aluno Brayan Wendel da Silva, do quinto ano da Escola Municipal Maurício César Alves Pereira, de Olímpia. O professor foi Marcozalém Calsavara Gomes e a diretora Anna Carolina Branco Fonseca Ferranti.

capa-poema

Segundo o assistente de marketing da TV TEM, João Ártico, as escolas são as responsáveis em fazer as inscrições dos alunos. “Dentro da escola é feita uma pré-seleção e a escola inscreve um trabalho por categoria. Sendo que os três melhores trabalhos serão premiados. No primeiro, segundo e terceiro ano, com desenho. Quarto e quinto ano são poemas e no sexto e sétimo um narrativa de aventura. Para alunos do oitavo e nono ano são crônica”, explica Ártico.

Há uma quantidade de no mínimo 20 e o máximo de 32 linhas. O desenho deve ser feito em folhas de formato A4. Os trabalhos feitos por alunos devem ser entregues na TV TEM de Rio Preto ou unidades de Araçatuba (SP) ou Votuporanga (SP), ou podem também ser enviados pelo Correio.

poema

No último ano mais de 20 mil estudantes participaram e não há restrição de inscrições, a única condição é que as escolas enviem um trabalho por categoria. O regulamento com as regras, premiação e outras informações estão no site do concurso.

O objetivo do concurso é incentivar a leitura e escrita dentro da sala de aula um trabalho que já é muito bem desenvolvido por professores. Lembrando que tanto os desenhos, quanto os textos devem ser enviados até o dia 23 de setembro.

Danças folclóricas e coral no Tuti Resort com alunos da rede municipal, sexta

Na próxima sexta-feira (4), a partir das 20h, alunos da rede Municipal da  Educação farão diversas apresentações no Tuti Resort, com danças folclóricas de várias regiões do Brasil  e Coral “Vozes da Escola”.

1475779_1443070832581390_1952783962_n

As danças que serão apresentadas ganharam destaque no mini Festival do Folclore, evento organizado pela Secretaria Municipal da Educação, emocionando à todos com sua beleza.

IMG-20150826-WA0022

Apresentaremos  a dança do bambu pelos alunos da EMEB Jardim Hélio Cazarini, a dança do café, pelos alunos da EMEB Theodomiro da Silva Melo, a dança caboclinhas, EMEB Prof. Maurício César Alves Pereira e por fim a dança do frevo , EMEB Zenaide Rugai Fonseca, que neste ano teve uma grande ênfase por ser estado homenageado que foi Pernambuco.

thumb (1)

O  Coral Vozes da Escola, regido pelo professor Tiago Ignácio,  fará uma homenagem à Escola “Theodomiro da Silva Melo”, pelo seu cinquentenário , com músicas da década de 60 até os dias atuais fazendo uma retrospectiva das  músicas marcantes de cada década.

Curso gratuito de ilustração na Casa de Cultura tem inscrições abertas

A Prefeitura de Olímpia, por meio da Secretaria de Cultura, Esportes e Lazer, abriu inscrições para workshop “Encontros Ilustrados” a ser ministrado pelo especialista Hugo Souza.

capa-encontros

O curso será todas as quartas-feiras, das 17h às 19h, na Casa da Cultura. As inscrições podem ser feitas na Casa de Cultura, localizada na Rua São João, nº 942, ou pelo e-mail: [email protected].

O curso, gratuito, tem como objetivo fomentar o mercado criativo em Olímpia na área de ilustração. “O participante poderá trabalhar em diversas empresas de comunicação, escritórios de design, estúdios de criação, agências de publicidade e como freelance”, disse Hugo.

Dentre os métodos abordados estão: colorização, teoria das cores, monocromia, anatomia, proporção, técnicas de perspectiva, animação 2d, caricatura, ilustração digital, photoshop, mangá, cartoon etc.

encontros-ilustrados

Secretaria de Turismo realiza pesquisa durante o Fefol

Festival de Folclore precisa ser melhor divulgado, comprova pesquisa

Durante o Festival do Folclore, foi aplicada uma pesquisa em que os turistas avaliaram alguns tópicos com relação ao turismo em Olímpia, com 148 visitantes, que se disponibilizaram a respondê-la. Apenas três perguntas, das 11 questões, foram respondidas por todos os entrevistados, o que representa 27%. Foram elas a primeira, a segunda e a quinta perguntas.

Com relação à cidade, todos os entrevistados responderam a questão. No entanto, alguns só informaram o Estado e não a cidade onde moram. Sendo assim, foi possível contabilizar 42 cidades diferentes e São Paulo – SP a cidade com maior número de turistas frequentando o Folclore (54 pessoas – 36,5%). Outras cidades que tiveram destaque foram: Campinas – SP (13 pessoas), São José do Rio Preto – SP (8 pessoas), Limeira e Santos (6 pessoas), etc.

centro

Já no que diz respeito ao meio pelo qual o turista teve conhecimento sobre Olímpia, o item “Amigos” foi o mais apontado pelos entrevistados, representando 42,5%, ou seja, 63 pessoas escolheram tal opção. Depois aparecem no ranking “Internet” (40 pessoas), “Outros” (30 pessoas), “Agência de Viagem” (10 pessoas). Isso significa que a indicação de amigos e familiares tem sido a principal responsável pela escolha de Olímpia como destino turístico.

A terceira pergunta referia-se ao tempo que o turista permanece em Olímpia quando visita a cidade. Essa questão foi respondida por 145 pessoas, sendo que a grande maioria se hospeda no município por três dias, ou seja, 42,06% dos entrevistados (61 pessoas). O segundo período mais escolhido foi quatro dias (31 pessoas) e o terceiro, dois dias (17 pessoas). Além disso, 14 pessoas disseram ter vindo apenas para ficar um dia, a maioria delas, moradoras de cidades da região de Olímpia.

A quarta questão falou sobre a visitação a Olímpia. Cento e quarenta e quatro pessoas responderam e 97 delas informaram que visitaram Olímpia pela primeira vez (67,36%) e 47 (32,63%) já tinham vindo por pelo menos duas vezes.

A quinta pergunta tratou sobre o meio de hospedagem utilizado pelo visitante. Todos os entrevistados responderam esta pergunta e 47 pessoas disseram ficar em resorts (31,75%), 41 pessoas ficaram em pousadas (27,70%), 26 pessoas ficaram em hotéis (17, 56%). Os demais meios de hospedagem tiveram menos de 20 indicações e o item “hotel-fazenda” não teve nenhum apontamento de hospedagem entre os entrevistados.

A sexta questão continha uma avaliação de serviços oferecidos como hospedagem, alimentação, opções de lazer, comércio e atendimento e suporte ao turista. A maioria dos itens teve avaliação ‘ótimo’ ou ‘bom’, com destaque para a Hospedagem que teve 95 indicações de serviço ‘ÓTIMO’ dentre 143 respostas, ou seja, 66,43% de aprovação. Além disso, Alimentação e Atendimento e suporte ao turista também tiveram mais indicativos de ‘ótimo’. O que chama a atenção é que os itens “Opções de Lazer” e “Comércio” tiveram grandes indicativos de serviço “regular”, mostrando a necessidade de melhorias desses setores.

A sétima questão tratou sobre o conhecimento do Festival do Folclore. Das 145 pessoas que responderam esta pergunta, 80% disse que não conhecia o Festival, o que são 116 pessoas contra 29 que disseram conhecer. Levando em consideração que, todos os entrevistados eram turistas, isso significa que os visitantes não conhecem Olímpia pelo Festival. Interessante que, na pergunta 11 “Observações”, 10 entrevistados consideraram o Festival do Folclore pouco divulgado como será analisado adiante.

A pergunta de número 8 questionava os entrevistados sobre o que eles achavam do Festival. Tal pergunta foi respondida por 135 pessoas e teve respostas variadas, no entanto, a maioria delas de caráter positivo. Sendo que 59 pessoas (43,7%) acharam ótimo/excelente; 32 pessoas (23,7%) acharam legal/bom; 13 pessoas (9,62%) disseram que é muito bonito/lindo; 8 pessoas (5,92%) disseram que vieram para conhecer e gostaram; entre outras opiniões. Dentre as observações de caráter negativo sobre o Fefol estão 5 pessoas (3,7%) que acharam regular e 3 (2,22%) que acharam fraco.

A nona pergunta não estava em todas as avaliações. Foram aplicadas apenas 50 avaliações com esta pergunta sobre a visitação do Thermas dos Laranjais. Todas as pessoas responderam e 47 delas (94%) disseram ter visitado o Thermas e apenas 3 (6%) disseram não.

A décima pergunta questionou se o visitante voltaria à cidade ou indicaria para outras pessoas. Das 141 respostas, 134 pessoas (95%) disseram que SIM e apenas 7 (5%) disseram NÃO. Questionados sobre os motivos que não justificariam a volta estava a falta de opções de outras atrações além do Parque Thermas dos Laranjais.

Por fim, a última pergunta recomendava que os entrevistados deixassem um comentário, reclamação ou sugestão sobre o Turismo ou o Festival. Apenas 34 das 148 pessoas entrevistadas responderam tal questão, o que representa 22,9%. Sendo que, 10 pessoas indicaram a falta de divulgação do festival; seis reclamaram sobre a falta de outras opções além do Thermas; três sentiram falta de ter disponível a programação do Festival e três disseram que gostaram e pretendem voltar nos próximos anos. As demais sugestões tiveram duas ou uma indicação como é possível observar no relatório de respostas.

“Desta forma, pode inferir que, de maneira geral, a Estância Turística de Olímpia atrai visitantes de diversas cidades, sendo a maioria do Estado de São Paulo e presta serviços de caráter satisfatório, salvo algumas exceções como o comércio e opções de lazer que, segundo revelou a pesquisa, ainda são limitados e precisam de mais investimento e alternativas. Com relação à divulgação da cidade, nota-se que a mídia espontânea entre as pessoas é o meio mais forte de tornar a cidade conhecida, ficando a Internet em segundo lugar, o que pode e deve ser fortalecido. Percebe-se também que a procura ou oferta por Olímpia como destino turístico tem sido fraca nas agências de viagens”, esclarece o secretário de Turismo Beto Puttini.

Já o tempo médio de estadia na cidade é razoável, uma vez que a maioria dos visitantes fica pelo menos três dias hospedados e grande parte prefere os resorts. Interessante destacar também que 67,36% dos entrevistados visitaram Olímpia pela primeira vez, na época do Festival do Folclore, mas sem conhecê-lo, mas a maioria gostou e informou que voltaria ou indicaria para outras pessoas. “Isso demonstra que o Festival precisa ser mais bem divulgado além da região de Olímpia”, conclui o secretario de Turismo.

Competidor de 20 anos de Itatiba (SP) é o campeão do rodeio internacional

O competidor Kaique Pacheco, de 20 anos, é o campeão da modalidade montaria em touros do rodeio internacional de Barretos.

kaique

Kaique fez a última montaria da noite, enfrentou o animal Fecha Boteco e conquistou 88,25 pontos.

O competidor, da cidade de Itatiba (SP),  levou para casa a fivela de campeão, e R$ 75 mil.

A disputa em Barretos foi válida também como a primeira etapa da temporada de 2016 da PBR Brasil.

Atualmente Kaique é o terceiro colocado no ranking mundial da PBR, atrás do também brasileiro João Ricardo Vieira e de J.B Mauney.

A prova em Barretos somará pontos para Kaique na disputa do mundial.

(O Diário de Barretos)

Associação alerta que há derrame de ingressos falsos para o Parque do Peão

A associação “Os Independentes” divulgou nota oficial alertando que os ingressos para acesso ao Parque do Peão devem ser comprados somente nas bilheterias oficiais.

parque-do-peao-tininho-jr

O diretor financeiro Hussein Gemha Júnior, alertou sobre a necessidade das pessoas evitarem transtornos com ingressos falsos.

“Somente o ingresso oficial garante a diversão e a entrada na maior Festa do Peão da América Latina”, afirmou.

O Diário de Barretos

Hoje tem Nando Reis e Os Infernais em Rio Preto com a turnê ‘Sei’

Nando Reis e os Infernais retornam a São José do Rio Preto para um show especial. Em única apresentação no Clube Monte Líbano, hoje, sábado (29), os fãs poderão conferir de perto sucessos como “Pré‐Sal”, “Sou Dela”, “E Tudo Mais”, “Família”, “Marvin”, “Onde Você Mora”, “All Star”, “Espadotéa” e outros.

Nando-Reis

Após um intervalo de três anos sem gravar inéditas, Nando Reis traz de volta o seu lado compositor ao lançar o seu novo disco: “Sei”. São 15 músicas caprichosamente escritas e produzidas que promete fazer do álbum, um dos melhores trabalhos da exitosa carreira de 30 anos do ex-titã.

Gravado em Seattle com os Infernais e minuciosamente produzido por Jack Endino, notória figura do universo musical, que já produziu bandas como Nirvana e Soundgarden, “Sei” conta ainda com a participação mais que especial de Marisa Monte, e dos milhões de fãs de Nando. Fui para Seattle por algumas razões, mas a principal delas é ter escolhido o Jack Endino para produzir esse disco, e o fato de querer gravá-lo em seu "habitat natural".

O produtor é peça fundamental para a captação do som, é ele quem traduz o espírito da banda e a essência de sua natureza, para a linguagem dos timbres. O produtor é o intérprete do artista. O sujeito certo para gravar o som dos Infernais é Jack Endino”, explica Nando Reis. A ideia é que no aniversário de 30 anos de carreira, o cantor e compositor esteja o mais próximo possível do seu público, sem intermediários.

Por isso, “Sei” é um trabalho 100% independente, colaborativo e que conta com a participação direta dos fãs que, por fim, justificam a trajetória do artista em todos esses anos.

Para isso, foi desenvolvida uma plataforma altamente participativa no site do cantor, que colocará Nando e os fãs mais do que lado a lado, os colocará –literalmente –juntos numa série de encontros inéditos entre o artista e o público que participar do site e na precificação do CD. A mecânica de precificação é simples, as músicas estão disponíveis no site para serem ouvidas gratuitamente.

Depois da “degustação", o fã opina sobre qual valor acha justo pelo disco. Ao final de cada semana, será calculado e divulgado o preço do álbum “Sei”, com base na opinião do publico. Quem comprar,recebe o CD físico em casa e mais alguns presentes exclusivos, como acesso as gravações originais, musicas extras, cartaz da capa do disco e muito mais.“Depois do Bailão, agora é hora de voltar as minhas próprias músicas. Nesse disco apresento 15 delas. O meu entusiasmo com esse lote de músicas se juntou a novidade de pela primeira vez lançar um disco sem estar vinculado a uma gravadora. Decidi que era hora de buscar um caminho próprio na maneira de divulgar esse álbum, um caminho mais parecido comigo. Foi assim que surgiu toda essa história do barato que rola no site”, finaliza Nando.

A estratégia promete impactar, de início, mais de 1 milhão de pessoas. Porque Nando conta com uma vida digital agitada: são 315 mil seguidores no Twitter, mais de 1,6 milhões fãs no Facebook.

O projeto gráfico de “Sei” é assinado por Mário Níveo e o quadro que empresta capa ao disco é de autoria de Ana Elisa Egreja. A

formação de Nando Reis e os Infernais tem Nando Reis (violão e voz), Felipe Cambraia (baixo e vocal), Diogo Gameiro (bateria e vocal), Alex Veley (teclados e vocal), Walter Villaça (guitarra e vocal) e conta com Gil Miranda e Hannah Lima no backing vocal.

INFORMAÇÕES DO EVENTO NANDO REIS E OS INFERNAIS

Apresentação: Sábado, 29 de agosto de 2015.

Horário: às 00h30.

Local: Clube Monte Líbano – Rodovia Washington Luis, km 446

Capacidade: 1.700 pessoas.

Abertura da casa: 22h.

Apoio Cultural: Porto Seguro.

Acesso para deficientes.

Site: www.oceaniatickets.com.br

Billy Paul, esposa e músicos, são recebidos pelo presidente da Tuti NI em sua casa

Uma das lendas do soul norte-americano, Billy Paul, 81, foi recebido ontem à noite, com esposa Blanche, e músicos de sua banda, na residência dos gestores do Tuti Resort, do qual está hospedado desde anteontem, terça (25).

_DSC9700

Caia e Iscilla Piton convidaram também algumas pessoas para conhecerem, de perto, esse mito que se apresentará, mais uma vez, em São José do Rio Preto, no Buffett Manoel Carlos, nesta sexta-feira (28), a partir das 22h,  para cantar os principais singles da carreira.

_DSC9690

Billy fez questão de elogiar o Tuti Resort, afirmando para Caia e Iscilla que conhece as pessoas pelo olhar e que, vendo os olhos dos colaboradores do hotel, pode sentir-se em casa, porque através dos olhos se vê o coração, a alma, das pessoas.

_DSC9717

Descontraído na residência dos Piton, Billy descansou, foi servido pelo Buffet Guapifestas, tirou fotos com os convidados, e até foi embalado pela alegria e canções executadas pelo jornalista Nereu Nadruz, de Severínia, e por alguns ‘hits’ de Seu Moço.

_DSC9738

Ao final, depois que ele foi descansar no Tuti, alguns  músicos ainda permaneceram na residência, inclusive com apresentação ao piano de Iscilla, tirando muitos aplausos pelo talento demonstrado por eles. Um deles, inclusive, responsável pela bateria de Billy, tamborilou em violões e nos estalos dos dedos.

_DSC9695

SHOW NO MANOEL CARLOS

Para a apresentação em Rio Preto, foram projetados dois espaços especiais no Buffet Manoel Carlos: mesa para seis pessoas no centro do salão e ingresso individual para o lounge, com open bar e open food. No cardápio de bebidas, whisky, cerveja premium, vodca, energético e refrigerante. A gastronomia tem a chancela do chef Manoel Carlos.

_DSC9697

“Billy Paul é um clássico da soul music, um artista que embalou a juventude nas décadas de 1970 e 1980. Tenho certeza que será uma noite de nostalgia e diversão”, afirma Marcos Zanovelo.

_DSC9709

No repertório, clássicos de álbuns como Ebony Woman e 360 Degrees of Billy Paul. Durante o show em Rio Preto, o público poderá esperar momentos de interação com o norte-americano, já que ele costuma cantar junto com a plateia.

_DSC9703

A carreira de Billy Paul teve início ainda na infância, quando ele começou a cantar em rádios locais. O primeiro álbum, Feelin’ Good at the Cadillac Club, foi lançado em 1968. O hit Me and Mrs Jones marcou a década de 1970.

_DSC9729

Presença indispensável em seus shows, “Me and Mrs. Jones” só estourou quando Billy Paul já tinha 38 anos. A faixa foi composta quando ele tinha 32. “Fiquei vários anos tocando a música em qualquer lugar até as pessoas finalmente perceberem que ela existia”, disse. “Sem dúvida ela é um marco em minha vida. Virou um clássico”.

_DSC9772

O evento é assinado por Marcos Zanovelo, Rerum, Lais Acorssi e Manoel Carlos.

GALERIA DE FOTOS

Clique na imagem abaixo para conferir as fotos desta reportagem:

GALERIA-BILLY

Cinema no Bairro exibirá Frozen na Praça da ‘Santa Azul’

Nesta quinta-feira, 27, a Praça da “Santa Azul”, no Jardim Santa Ifigênia, de Olímpia, receberá o Projeto “Cinema no Bairro”, que exibirá o filme “Frozen”.

frozen

Na história, a caçula Anna adora sua irmã Elsa, mas um acidente envolvendo os poderes especiais da mais velha, durante a infância, fez com que os pais as mantivessem afastadas. Após a morte deles, as duas cresceram isoladas no castelo da família, até o dia em que Elsa deveria assumir o reinado de Arendell.

Com o reencontro das duas, um novo acidente acontece e ela decide partir para sempre e se isolar do mundo, deixando todos para trás e provocando o congelamento do reino. É quando Anna decide se aventurar pelas montanhas de gelo para encontrar a irmã e acabar com o frio.

A ação da Prefeitura da Estância Turística de Olímpia, por meio da Secretaria de Cultura, Esportes e Lazer, visa levar aos bairros olimpienses opção de lazer e entretenimento para as famílias. Vá participar, é gratuito!

Poster-Frozen-Elsa

7º Abala Olímpia será no Thermas dos Laranjais dia 9

A sétima edição do evento musical gospel, Abala Olímpia, tem a sua programação confirmada, e será realizado dia 9 de setembro. Conta com a participação do cantor e pastor Vinícius Zulato, líder de jovens da Igreja Batista Lagoinha-BH e apresentador do culto Cristo Vivo, que vai ao ar aos domingos na Rede Super (Canal 35), e do pregador Luo, considerado um dos maiores nomes da música gospel, conhecido internacionalmente, com a sua banda Apocalipse 16.

abala

O Abala Olímpia será realizado no Clube Thermas dos Laranjais, a partir das 20h, pelo vereador Marco Santos (PSC), apoiado pelo Conselho de Pastores de Olímpia e prefeito Geninho Zuliani (DEM).

A edição também contará com a apresentação do Pregador Luo, considerado um dos maiores nomes da música gospel, conhecido internacionalmente, e sua banda Apocalipse 16.

O Abala Olímpia será realizado no Clube Thermas dos Laranjais, a partir das 20h. A entrada será com 1kg de alimento não perecível. A arrecadação será destinada as famílias carentes e instituições filantrópicas da Estância Turística de Olímpia.

A entrada será 1kg de alimento não perecível, destinado às famílias carentes e instituições filantrópicas da cidade.

Esgotam-se convites e camarotes do primeiro lote do Master Bulls

Conforme publicamos em primeira mão nas redes sociais, BOMBOU!!! Primeiro dia de vendas do recém-inaugurado escritório da quinta edição do Olímpia Master Bulls esgota primeiro lote de convites e camarotes.

O evento será no Recinto do Folclore de 8 a 11 de outubro, com quatro shows e muita montaria com os melhores peões e companhia de touros, coordenado por Euripinho Sollo. Na abertura, dia 8, a entrada será um quilo de alimento não perecível, show com Matogrosso e Mathias.

No dia 9, sexta, Michel Teló; dia 10, sábado, com Humberto e Ronaldo; e, encerramento no domingo, 11 de outubro, com Brunno e Marrone.

Nesta tarde, as atendentes Rose, Camila e Aline, esgotaram os ingressos para uma imensa fila de interessados.

A partir desta sexta, entra o segundo lote, com camarote a R$ 500 (180/dia) para as quatro noites; pista R$ 100 (50/dia) para as quatro noites.

Escritório defronte a Estação Rodoviária, na avenida Aurora Forti Neves, 459-A.

Telefone para informações: 3279-9438.

Convites serão parcelados em 2x no cartão, apenas no escritório.

GALERIA DE FOTOS

Clique na imagem abaixo e confira as fotos desta reportagem:

Secretário diz que ‘Festival foi positivo’ apesar das dificuldades, ‘que muitos não entendem’

Da Assessoria — Embora as visíveis dificuldades financeiras enfrentadas pela Comissão Organizadora do 51º Festival do Folclore, que se encerrou no domingo (16), o resultado final, em âmbito geral, pode ser considerado um sucesso.

DSC_0980

Foram contabilizadas cerca de 60 mil pessoas visitando o Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas “Professor José Sant’anna”, ao longo dos nove dias de Festival, e acompanhando o Desfile de Encerramento, no domingo de manhã, na Avenida Aurora Forti Neves.

Durante as apresentações do sábado, 16, à noite, a Comissão Organizadora do Folclore decidiu e anunciou qual será o Estado homenageado em 2016: Espírito Santo, o terceiro do Sudeste Brasileiro a receber esta honraria.

A festa contou ainda com atividades paralelas, mas intrinsecamente ligadas ao fato folclórico como, por exemplo, o 1º Simpósio de Estudos Etnomusicológicos, com o tema “O Folclore na Modernidade”, reunindo pesquisadores de diversas universidades brasileiras e Mestres da cultura popular, com o objetivo de debater o Folclore no mundo contemporâneo e as suas implicações para os diversos atores sociais envolvidos.

Outras atividades, além das apresentações no palco principal, peregrinações (27ª Peregrinação Folclórica-Folclore na Rua) e do desfile de encerramento, foram desenvolvidas na arena do Recinto, como a 50ª Gincana de Brinquedos Tradicionais e Infantis; no Pavilhão Cultural, o 31º Mini Festival do Folclore, onde alunos da Rede Municipal de Ensino interagiram com os grupos, apresentando danças ensaiadas ao longo do semestre; o 41º Campeonato de Malha, 43º Campeonato de Truco e 11º Campeonato de Bocha, no quesito jogos tradicionais; e visitas de grupos ao Museu de História e Folclore “Maria Olímpia”, incluindo o Café Folclórico.

E ainda, o 26º Salão de Pinturas e Artes, contemplando trabalhos em poesia, artesanato, fotografia, escultura e artes plásticas, todos relacionados ao Festival do Folclore, e mais especificamente ao Estado homenageado, neste ano o Pernambuco.

A Culinária Tradicional também teve seu espaço reservado no Recinto do Folclore, este ano com a novidade da “comida dos mitos”, como a Mula-Sem-Cabeça, o Lobisomem e o Saci-Pererê. Caldos, massas, churrasco gaúcho, leitão à pururuca, tutu à mineira e outras delícias completaram o cardápio regional típico servido aos visitantes.

A Abertura Oficial, no sábado, 8, foi feita com a participação de mais de 250 crianças das escolas municipais Maurício Cesar Alves Pereira, Dona Luiza Seno de Oliveira, Jardim Hélio Cazarini e Santo Seno, e da Rede Estadual, com a Capitão Narciso Bertolino, Wilquem Manoel Neves e Alzira Tonelli Zacarelli. O compositor Olimpiense Edward Marques da Silva, o Wadão, poeta, instrumentista e cantor, compôs novamente a música do Festival, este ano, claro, falando do Pernambuco e suas tradições, com a música “Frevo Virado”.

A Educação do município esteve presente à festa também na elaboração de pequenas obras de arte na forma de “mimos” ou broches, na coreografia de abertura da festa, na coordenação do Mini Festival, nas brincadeiras tradicionais infantis, e no ensino do Folclore aos alunos ainda na tenra infância, tornando-se a cada ano mais imprescindível à realização dos festivais do Folclore em Olímpia.

Dentre a participação dos grupos inéditos estiveram em Olímpia o Grupo Cala, do Rio Grande do Sul, a Companhia Encantar, do Maranhão, e Grêmio Arraiá de São Mateus, de Minas Gerais. Além deles, outros já conhecidos, como o CTG Estância da Serra, do Rio Grande do Sul, Fogança, do Paraná, o Fandango de Tamanco de Cuitelo, de São Paulo, o Grupo Andora, da Faculdade Estadual do Espirito Santo, Vitória Régia, do Mato Grosso, Mapinguari, do Pará, Associação Cultural Maria Bonita, do Ceará, Grupo Reis de Congo de Mestre Bebé e Caboclos de Major Sales, do Rio Grande do Norte, os Bacamarteiros, de Sergipe, Sambalenço, de Mauá, Caiapós, de São Paulo, Boi de Palha, do Maranhão, e Papanguarte, de Pernambuco, além dos grupos locais – folias de Reis, Moçambique, capoeira, Congada e os parafolclóricos Anastasis, Frutos da Terra e GODAP.

“Muitas pessoas não têm conhecimento das limitações, das dificuldades e dos custos que uma festa deste porte, e totalmente gratuita, tem para ser realizada. Portanto, afirmo que o saldo foi muito positivo, porque conseguimos cumprir o prometido e fazer um Festival com criatividade”, disse o Secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Guto Zanetti. O evento teve ainda o apoio das Secretarias de Obras e Engenharia, Educação, Governo, Finanças e Assuntos Jurídicos. “Todos trabalharam por uma causa comum”, complementou Zanette.

De acordo com o Diretor de Cultura e Presidente da Comissão Organizadora do 51º Fefol, Caio Longhi, foram mantidos na relação grupos tradicionais, que vieram com apoio de suas prefeituras, empresas e faculdades, além do aporte feito pela Comissão. Mas, outros grupos que a Comissão gostaria de trazer, por motivos diversos não puderam comparecer, como o Pastoril Dona Joaquina, do Rio Grande do Norte, neste caso devido ao estado de saúde delicado de sua coordenadora, Séphora Bezerra.

Também teve a vinda inviabilizada o Grupo da Universidade do Rio de Janeiro, devido à greve vivida pela instituição naqueles dias.

“Muito se fala e se questiona quanto ao Festival, porém nós, que trabalhamos na organização deste evento, sabemos das muitas dificuldades. Trabalhamos em equipe, numa força-tarefa para que o Fefol pudesse ser realizado. Muitos trabalham de forma voluntária, por amor à nossa festa maior. E isso nos deixa com a consciência tranquila de que o que podia ser feito, foi feito para manter as tradições e honrar o sonho do professor Sant’anna”, completou Caio Longhi.

 

INTERNET
Outro componente que vem se constituindo em importante ferramenta de divulgação do Festival, é a transmissão ao vivo pela internet, por meio de sistema próprio de retransmissão, que nesta 51ª edição da festa alcançou cerca de 33 mil pessoas.

Foi a 11º vez na história que o Fefol teve suas imagens do palco principal geradas em tempo real por meio do seu portal oficial (www.folcloreolimpia.com.br) e de outros sete sites olimpienses, que se uniram para levar o Fefol mundo afora. Foram quatro câmeras que mostraram o festival por todos os ângulos.

Criatividade e hospitalidade conquistam visitantes do 51º Fefol

Texto e Fotos da Assessoria de Imprensa — O Festival do Folclore de Olímpia é realizado há 51 anos, conservando a tradição das danças e crenças folclóricas. No entanto, para manter seu público e atrair novos visitantes é preciso incorporar novos atrativos. Uma aposta certa para 2015 que resultou em muito sucesso foi a Barraca das Lendas Folclóricas. Pelo primeiro ano no Festival Nacional do Folclore, o local foi exemplo de criatividade e responsável pela venda de pelo menos 2 mil pratos por noite.

No cardápio do restaurante estavam massas e porções, mas a procura maior foi pelos pratos do Saci-Pererê, do Lobisomem e da Mula-sem-cabeça. Ricos em originalidade e sabor, os pratos das lendas resultaram em uma barraca lotada todos os dias do festival.

“Tivemos uma experiência com o prato da Mula-sem-cabeça no Festival Internacional do Folclore e foi um sucesso. Depois disso, surgiu o convite da Comissão do Fefol para montarmos a barraca”, explica Luiz André de Souza Lima, empresário e responsável pelo restaurante.

Conhecido como Deco, Luiz André pesquisou as lendas folclóricas e planejou os pratos pensando em seus detalhes, tudo para atrair e surpreender o público. Para ele, essa seria a melhor forma de resgatar a tradição das lendas, incentivar as pessoas a conhecerem as estórias e agregar uma característica nova e criativa.

DSC_0107

Olimpienses e visitantes dividiram o público presente na barraca durante os dias de festival. Aguçados pela curiosidade dos pratos, demonstraram 100% de aceitação com relação à novidade. Tanto que, para 2016, outros personagens folclóricos terão pratos dedicados, conforme adiantou Deco.

Além disso, o empresário, que trabalhou com 20 funcionários, contratou cinco garçons da ABECAO (Associação Beneficente Cultural e Assistencial de Olímpia) para ajudar durante o evento por considerar o bom treinamento oferecido pela entidade. Uma dessas funcionárias é Carmen Aparecida Carvalho Braga. Com menos de uma semana de conclusão do curso de garçonete, ela já foi contratada para ajudar na barraca. “Eu gostei muito do curso. É tudo de graça e a gente atuava em restaurantes para treinar. É um serviço bom, converso e conheço pessoas, estou feliz”, conta a garçonete.

DSC_0117

Outro local que foi sinônimo de sucesso no Fefol foi a Vila Brasil. Composto pela Casa do Caipira, Casa de Taipa, Galpão Crioulo com o Engenho Táparo, o Orquidário Aguapey e o Curral Caipira, o ambiente ofereceu música ao vivo, comidas típicas e variedades. De responsabilidade do Fundo Social de Solidariedade e coordenado pela Secretaria Municipal de Assistência, Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, sob a responsabilidade da Presidente, Aparecida Zamperlini Zuliani, o espaço foi ampliado para este ano, contou com o trabalho de 70 funcionários voluntários e contabilizou a presença de pelo menos mil pessoas por noite.

Palco---Priscila-Minani--(5)

Segundo Talita Carvalho, diretora de Direitos Humanos, a barraca notou a presença de olimpienses, mas também de muitos turistas, que se encantaram. “Ficou tudo bonito e oferecemos comida barata e fresquinha. O ambiente, cultural e aconchegante, traz recordações para as pessoas”, conta Talita.

Além de divertido, o ambiente é solidário. Isso porque toda a verba arrecadada será revertida para os projetos do Fundo Social, que atende cerca de 300 pessoas por mês. Para 2016, o objetivo é aprimorar e oferecer produtos ainda melhores para garantir o público e a renda da Vila Brasil.

DSC_0081

E não foi só a culinária que encantou os visitantes do Festival do Folclore. O artesanato ganhou tanto destaque que até um grupo de São Pedro-SP, Estância Turística a 290 km de Olímpia, trouxe sua cultura para cá. Presente pela primeira vez no Festival, a Art’s Trama (Associação de Artesãos de São Pedro e Região) trouxe o bordado em ponto cruz, característico da região, lembranças, tapetes de tecido reaproveitado, toalhas, entre outros produtos que chamaram a atenção de quem passou pelo local. O retorno foi tão bom que a associação recebeu encomendas e fez uma parceria com uma loja de Olímpia para produzir lembranças da cidade e vender aqui.

DSC_0138

Leonor Sanches e João Vaine Dante são artesãos associados que cuidaram do estande. Além de se surpreenderem com a receptividade do trabalho deles, ficaram surpresos também com a hospitalidade dos olimpienses.

“Estávamos alojados em uma escola, mas conhecemos um senhor que mora aqui e ele nos acolheu na casa dele. Conheceu nossa história e nosso trabalho e nos ofereceu a casa. Nunca imaginamos uma situação assim”, conta Leonor. Os artesãos conheceram um pouco da cidade e do Thermas e destacaram a preocupação das pessoas em ajudar com informações e no bom atendimento que receberam nos locais onde foram. A primeira experiência foi tão especial que eles já têm intenção de voltar para visitar a cidade.

“Ficamos satisfeitos em saber que a nossa Estância Turística tem sido uma boa anfitriã. São histórias assim que nos incentivam a sempre buscar mudanças e melhorias, valorizando os produtos e as ideias daqui para proporcionar uma boa demanda de serviços para quem nos visita”, avaliou o Secretário de Turismo, Beto Puttini.

Fefol bate recorde com 34 mil acessos na transmissão pela internet

Como já é tradição, a transmissão ao vivo pela internet do 51º Festival do Folclore de Olímpia foi um sucesso. Pela décima vez na história o Fefol teve suas imagens do “Palco Principal” geradas em tempo real através do seu portal oficial (www.folcloreolimpia.com.br) e também do Diário de Olímpia e Estância Turística de Olímpia, que se uniram para levar o nosso festival pelo mundo afora. Foram quatro câmeras que mostraram o festival por todos os ângulos.

IMG_4214

Durante os nove dias de festival mais de 33 mil internautas assistiram às apresentações ao vivo pela internet, quebrando o recorde de 2014 quando 26 mil internautas acompanharam o evento. Neste ano, outros 17 mil acessaram o site fora do horário da transmissão, que somados aos 33 mil que assistiram ao vídeo ao vivo, gerou a marca de 50 mil visitantes únicos para o site durante o 51º Fefol.

Durante a transmissão os internautas interagiram com as apresentações e enviaram mais de mil mensagens instantâneas através de um espaço reservado no site. O software que registra as visitas do Portal apontou acessos de várias partes do país e até do exterior, como, por exemplo, Portugal, Espanha, Estados Unidos, Canadá, Argentina, México, Chile, Guatemala e Japão. No Brasil, as regiões Norte e Nordeste foram novamente as que maior registraram índices de audiência, seguidos pelo Sudeste e Sul do país.

Algumas cidades brasileiras, como Major Sales, no estado do Rio Grande do Norte, que mandou para Olímpia dois grupos folclóricos (Grupo Mestre Bebé e o Grupo Major Sales) chegaram a instalar telões em praças públicas , onde segundo informações dos integrantes dos grupos, mais de 300 pessoas de uma mesma cidade se reuniram na praça para acompanhar o festival ao vivo, isso sem contar os internautas que preferiram assistir no conforto de suas casas.

historico-acessos

Todo o trabalho de transmissão foi realizado através da parceria de duas empresas olimpienses, a Top Vídeo Produções, de Edson Magro, o “Magali” e da OlímpiaWeb Serviços de Internet, de Jonas Olmos, que pelo décimo ano trabalham de forma incansável para a melhoria da transmissão.

No Portal Oficial do Festival do Folclore o internauta pode conferir ainda tudo sobre a história do festival, sua criação, saber mais sobre o Museu, a Capital e a Praça de Atividades Folclóricas Professor José Sant’anna.

O portal ainda disponibiliza informações para pesquisas, como mitos, lendas, danças, contos folclóricos, culinária, medicina popular, além da definição do que é folclore.

Cidinha encerra Festival com o mesmo ‘alerta’ da abertura: “Cuidado com estranhos e estrangeiros no Fefol”

Por Leonardo Concon — O 51º Festival de Folclore de Olímpia (Fefol) foi encerrado ontem, domingo (16), com vários grupos que se revezaram no palco – Sergipe, Rio Grande do Norte, Pará e Maranhão – e a tradicional queima de fogos, ofuscada pelas bandeirolas espalhadas pela arena.

IMG_4050

No encerramento, a mesma mensagem enigmática da coordenadora dos Festivais de Folclore de Olímpia, Maria Aparecida (Cidinha) Manzolli, endereçada ao presidente da Comissão Organizadora, Caio Longhi (Diretor de Cultura), e ao secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Guto Zanetti, e demais membros: “Tomem conta de nosso Festival. Cuidado com estranhos e estrangeiros que podem se apossar dele”.

IMG_4058

A mesma mensagem, com o mesmo tom e os mesmos dizeres, havia se repetido na abertura. E ficou a pergunta que muitos questionam: “De quem, ou do quê, Cidinha tem medo? Quem são os estranhos e estrangeiros” que podem herdar um Fefol que, segundo muitos também, este ano foi mais fraco do que os anteriores, em termos culturais? Afinal, faltaram Parafusos e grupos tradicionais, como o Grupo Folclórico Pastoril Dona Joaquina, homenageado no ano passado através de seu Estado (RN); Grupo de Expressões Parafolcloricas e Folclóricas “Flor da Serra” (Chã Preta, Alagoas, preferido por Sant’anna, o criador do Fefol); Grupo Terra da Luz (CE), Sabor Marajoara (PA), entre tantos.

IMG_4259

Com parco patrocínio, apenas da Guarani que, segundo consta, foi buscado pelo prefeito Geninho Zuliani (DEM), e com os preços dos produtos vendidos nas barracas e no Parque, como sempre bem acima do mercado, muitos consideram que o Fefol não é mais uma ‘festa popular’ como desejava o seu falecido criador.

IMG_4111

Fica a reflexão da mestra: Cuidado com os estranhos e estrangeiros. Será que já se infiltraram, ou estão tentando? Quem são eles?

IMG_4272

GALERIA DE FOTOS

Clique na imagem abaixo e confira todas a fotos desta reportagem:

galeria-fefol

Espírito Santo será homenageado no 52° Fefol, através do Grupo Andora

DA REDAÇÃO – O Estado homenageado no 52° Festival de Folclore de Olímpia, em agosto de 2016, será o do Espírito Santo, pela primeira vez desde quando a Comissão Organizadora decidiu, anualmente, escolher um Estado para dar uma determinada característica ao Fefol.

E o grupo que representará o Estado é o Grupo Andora, que participa pelo quinto ano consecutivo do Festival olimpiense.

O anúncio foi feito na noite deste sábado (15), no palco do Recinto do Folclore, pela coordenadora dos Festivais, Maria Aparecida de Araújo Manzolli; diretor de Cultura Caio Longhi, e secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Guto Zanetti.

Cecília, representante do Andora, agradeceu a escolha do grupo que representará o seu Estado: “É uma grande honra ser o Grupo que abrirá as portas para o Espírito Santo no próximo Festival. O nosso Estado é o menor do Sudeste é território, mas grande em cultura, tradições, culinária e muito mais. Voltar à Olímpia é o mesmo que voltar para casa, rever amigos e, mais uma vez, agradecemos pela honra de representamos o Espírito Santo no ano que vem. Vamos realizar um grande Festival”.

O Andora, como é tradição, fará parte do cartaz, capa do Anuário e Programação, e Convite, além de comandar a culminância do Festival, dando uma identidade de seu Estado no contexto do Fefol.

O ANDORA

O Projeto Grupo Andora é uma ação de Extensão da UFES executada por estudantes universitários e professores da rede básica de educação para estudar a Cultura Popular em forma de todo tipo de Arte, sobretudo pela Dança, a Música e os folguedos populares. Desde a sua criação o projeto é frequentado por uma maioria de mulheres em processo de formação para o magistério da Educação Básica, que também é constituído por uma maioria de mulheres.

Por ser um grupo universitário e parafolclórico, seu repertório é bastante diversificado e se estende por diversas regiões do Brasil. Para os eventos em território brasileiro, o grupo privilegia peças relativas ao Folclore do Estado do Espírito Santo. Apresenta, ainda, o Congo Capixaba, o som dos pandeiros e dos tambores do Ticumbi, O Jongo de São Benedito, O Bate-Flexa, além das figuras lendárias do estado como Boi Pintadinho, João Bananeira, Palhaço da Folia, Mulher do Jongo, O Pássaro de Fogo etc.